Habitat e características da garça-da-mata

setembro 3, 2019
A garça-da-mata é uma ave única que habita as florestas baixas e pantanosas da América Central e do norte da América do Sul. Apesar dos esforços dos pesquisadores, essa garça permanece um enigma, e devido ao seu habitat de difícil acesso, conseguir avistá-la é um desafio.

A garça-da-mata é uma ave única que habita as florestas baixas e pantanosas da América Central e do norte da América do Sul. Este é um animal extremamente difícil de detectar devido à sua tendência a permanecer imóvel por longos períodos de tempo.

Na maioria das vezes, a garça-da-mata é um pássaro solitário que prefere ficar longe de outras garças. No entanto, durante o período de acasalamento, elas se reproduzem em enormes colônias de até 900 ninhos. Isso acontece durante a estação chuvosa, quando as terras baixas ficam inundadas.

Apesar dos esforços de várias equipes de pesquisa, a garça-da-mata continua sendo um enigma. Existem poucas colônias conhecidas, pois elas são encontradas em terras que são difíceis de ser acessadas pelo homem.

Consequentemente, os pesquisadores não foram capazes de determinar a densidade populacional da espécie. No entanto, sabe-se o suficiente para considerar a garça-da-mata como uma espécie vulnerável.

Características distintivas da garça-da-mata

Uma garça-da-mata adulta mede cerca de 70 centímetros e pesa aproximadamente 500 gramas. Como muitos outros pássaros do pântano, essas garças têm pernas longas que lhes permitem andar em terrenos alagados.

Garça em seu habitat natural

Seus olhos são alaranjados com tons avermelhados, e elas sempre têm um bico cinza-esverdeado. Para facilitar a captura de presas pequenas, esta garça tem um pescoço e um bico longos e finos.

Curiosamente, as cores da plumagem das garças não permanecem as mesmas ao longo do ano. Na maioria das vezes, elas têm uma cabeça preta com pequenas penas cinza-escuras na área do pescoço. Seus pescoços são marrons, com uma listra marrom e branca na frente que desce até o peito.

Quando chega a época de acasalamento, tanto os machos quanto as fêmeas desenvolvem uma longa plumagem na área do pescoço na cor azul acinzentado.

Embora não seja uma mudança muito drástica, ela cumpre o efeito desejado: em contraste com seus corpos escuros, a plumagem do pescoço parece o reflexo do sol na água. Desta forma, a garça-da-mata se torna ainda mais difícil de observar.

Distribuição e habitat

A garça-da-mata é uma ave tropical que vive no litoral do Caribe centro-americano. Além disso, vive no norte da América do Sul: abrange um vasto território que cobre a floresta amazônica quase completamente.

A garça-da-mata é encontrada no México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Suriname, Guiana, Venezuela, Peru, Bolívia e Brasil.

Distribuição e habitat da garça-da-mata

Na América Central, esta garça está localizada perto das florestas de mangue e das galerias de floresta de água doce perto da costa. Este ambiente é ideal para a garça-da-mata, já que ela prefere ficar escondida sob a camada de folhas baixas.

Na Amazônia, a garça-da-mata prefere áreas pantanosas de água doce, assim como as planícies que inundam durante a estação chuvosa.

A garça-da-mata se alimenta principalmente de pequenos peixes e outros vertebrados, como rãs e lagartos. Em alguns casos, elas também comem caracóis. No entanto, sua principal fonte de alimento sempre são os peixes.

Sua técnica de caça é permanecer imóvel por um longo tempo para que os peixes pequenos se aproximem das suas pernas. Quando eles chegam perto o suficiente, a garça os pega com um movimento rápido e ágil do pescoço.

Apesar de serem aves que ficam próximas ao nível do mar, algumas equipes registraram avistamentos dessa garça nos Andes, a 2600 metros de altitude.

Atualmente, a garça-da-mata é considerada uma espécie vulnerável. O desmatamento e as mudanças climáticas afetaram severamente o habitat dessas garças. Assim, seus avistamentos, já pouco frequentes, tornaram-se cada vez mais esporádicos.

  • Stier, A., Ricardou, A., Uriot, S., De Pracontal, N., & Kushlan, J. A. (2017). Breeding season home range and migration of the Agami Heron (Agamia agami). Waterbirds, 40(3), 289-297.
  • Abella-Gutiérrez, I., & López-Conlon, M. (2008). Fenología reproductiva de una colonia de Garza Agami (Agamia agami, Aves: Ardeidae) en la Reserva Pacuare, Costa Rica. Brenesia, 69, 77-79.
  • Kushlan, J. A., & Hines, K. (2016). Behavior of the Agami Heron (Agamia agami). Waterbirds, 39(2), 187-193.