Garoupa-de-trindade: habitat e características

Estima-se que um único indivíduo de garoupa-de-trindade, em um ano, possa percorrer mais de 220 quilômetros. Aprenda mais sobre esse fascinante actinopterígio junto com a gente.
Garoupa-de-trindade: habitat e características

Última atualização: 20 Julho, 2021

A garoupa-de-trindade (Epinephelus striatus) é um peixe comum de exploração comercial encontrado em vários recifes de coral. Pertence à família Serranidae, uma das mais extensas e distribuídas em águas marinhas. Essa espécie já foi considerada uma das mais abundantes do mundo, embora agora esteja em perigo crítico.

É um predador que compete ativamente contra barracudas, tubarões e outros peixes. Pela diversidade de coloração e importância econômica, tem sido um importante pilar para a indústria pesqueira. No entanto, atualmente enfrenta riscos que podem ameaçar sua população. Continue lendo para aprender mais sobre esse curioso peixe.

Habitat da garoupa-de-trindade

A garoupa-de-trindade é uma espécie tropical, que cobre grande parte das costas do Oceano Atlântico. É possível encontrá-la em regiões do Caribe, Bermudas, Flórida, Península de Yucatán e Venezuela.

Essa espécie prefere recifes de água rasa, mas pode atingir profundidades de até 100 metros. Também é comum detectar espécimes em pastagens marinhas, buracos, rachaduras e fendas com boa visibilidade. Por sua vez, os espécimes jovens selecionam habitats com corais e grande quantidade de microalgas.

Esses organismos são eurialinos, portanto podem tolerar diferentes níveis de salinidade. Além disso, à medida que crescem, mudam ligeiramente de habitat. É por isso que vivem nos mais diversos ecossistemas, pois são dotados de mecanismos que lhes permitem conquistar diversos ambientes.

Características físicas

No que diz respeito à coloração, essa espécie apresenta um padrão de listras semelhante ao das zebras, com cores como rosa-avermelhado, laranja e branco. Além disso, os espécimes adultos apresentam 5 faixas escuras, que se distribuem ao longo do corpo, com uma linha dorsal que começa na boca e atinge a barbatana dorsal.

Os maiores indivíduos podem atingir 1,2 metro de comprimento, mas a maioria fica em torno de 72 centímetros. Da mesma forma, seu peso pode chegar a 27 quilos, mas a média é de 12 quilos.

Alguns espécimes são capazes de mudar sua coloração, em resposta a algum estímulo ou como sinal de agressão. Essa oscilação tonal acontece em minutos, passando de sua coloração listrada usual para outra muito mais uniforme. A variação cromática depende do estado “emocional” do organismo.

Comportamento da garoupa-de-trindade

Essa espécie tem um comportamento solitário. As garoupas-de-trindade são predadores silenciosos e espreitam suas presas em buracos ou outros abrigos do mesmo tipo. Além disso, elas preferem caçar no escuro, por isso não são muito ativas durante o dia. Em geral, é um animal muito agressivo, mesmo durante a época de reprodução.

De acordo com um estudo da Universidade do Estado de Carolina do Norte, esses organismos também exibem uma mudança no habitat à medida que amadurecem. Ou seja, quando nascem preferem se abrigar em áreas com abundância de microalgas, para poder se esconder e se alimentar. À medida que crescem e aumentam de tamanho, isso não é mais necessário, então saem do esconderijo e se movem livremente.

Dessa forma, seu comportamento mantém a espécie segura até que ela seja grande o suficiente para poder enfrentar seus predadores. Além disso, são muito fiéis ao local onde nascem, pois voltam para desovar no mesmo local.

Finalmente, deve-se notar que a capacidade de mudar a coloração serve como um meio de comunicação entre os espécimes. A variação de tonalidade pode significar um aviso ou um chamado à cópula, entre outras coisas.

Espécies de garoupa

Embora tenhamos falado sobre a garoupa-de-trindade aqui, também existem outras espécies que fazem parte da família Serranidae. Dentre elas, as mais conhecidas são as seguintes:

  • Garoupa-de-são-tomé (Epinephelus morio): muito comum nas costas do Golfo do México, esse peixe pode medir até 125 centímetros de comprimento. Sua cor é marrom-avermelhada.
  • Epinephelus nigritus: peixe que pode atingir 230 centímetros de comprimento. Distribui-se no Atlântico ocidental, especificamente no Golfo de Cariaco, na Venezuela.
  • Epinephelus analogus: essa espécie atinge 104 centímetros de comprimento e está distribuída nas regiões do Pacífico oriental, que vão da Califórnia ao Peru e às Ilhas Galápagos.
  • Mero (Epinephelus itajara): é um organismo capaz de atingir 175 centímetros de comprimento. Sua distribuição inclui regiões do Atlântico e do Pacífico, coincidindo em algumas com a da garoupa-de-trindade .

Os serranídeos compartilham muitas de suas características. No entanto, algumas das principais diferenças entre os táxons são geralmente seu peso, seu tamanho e sua distribuição geográfica.

Alimentação da garoupa-de-trindade

Essas garoupas podem ser consideradas animais predadores generalistas, mas têm um método único para devorar suas presas. Para pegá-las, eles criam sucção através de suas guelras, o que permite que o alimento entre na boca rapidamente e com um gasto mínimo de energia.

À medida que cresce, o tamanho das presas consumidas por essa espécie também aumenta. Enquanto os jovens comem alguns crustáceos ou bivalves, os adultos se alimentam de peixes, lagostas e gastrópodes.

Reprodução da garoupa-de-trindade

Esse peixe é considerado hermafrodita, pois nasce com as duas gônadas imaturas, mas ao atingir a idade adulta se desenvolve como macho ou fêmea. Seu mecanismo reprodutivo é ainda mais complicado, uma vez que garoupa-de-trindade têm a capacidade de detectar mudanças nas fases lunares, de modo que seu relógio biológico está intimamente relacionado a elas.

A garoupa-de-trindade forma agrupamentos para se reproduzir, mas é a única ocasião em que é considerada sociável. Entre dezembro e janeiro, apenas uma noite por ano e com lua cheia, os exemplares se reúnem para desovar em um determinado local. Esse local se situa nos limites do recife, em águas rasas, onde cerca de 100 000 indivíduos passam mais de 3 dias fertilizando seus ovos.

Os ovos eclodem e os filhotes nascem, após 24 ou 48 horas de permanência na água. Os primeiros movimentos dos jovens são sempre em busca de um lugar para se abrigar. Nesse ponto, os pais não oferecem nenhum cuidado parental aos filhotes: uma vez terminada a desova, eles vão embora do local.

Os jovens amadurecem lentamente e, quando atingem 4 ou 8 anos de idade, chegam à fase reprodutiva. A partir desse momento, terminarão seu desenvolvimento e se transformarão em fêmeas ou machos, momento em que o ciclo de vida se repete.

Estado de conservação

Um dos grandes problemas dessa espécie é a sobrexploração, pois no início era um peixe bastante abundante em sua área de distribuição original. Infelizmente, depois de anos de espoliação, a garoupa-de-trindade está listada como “Criticamente Ameaçada (CE)”, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza.

Apesar de já existirem programas que regulamentam a sua pesca, esse organismo continua a apresentar uma redução da sua população, de forma sustentada e preocupante. Isso significa apenas que os esforços não são suficientes, então provavelmente uma ação mais severa será necessária.

Um mero estriado é protegido.

Essa espécie possui algumas das características mais surpreendentes, desde a mudança em seus padrões de coloração até seus comportamentos. Por isso, uma possível solução para seu problema é promover o ecoturismo, o que ajudaria na conservação e na geração de lucros. Em alguns casos, a natureza e o ser humano podem alcançar o equilíbrio, ou pelo menos é isso que devemos aspirar.

Pode interessar a você...

Garoupas: tamanho e informações nutricionais
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Garoupas: tamanho e informações nutricionais

A aparência física das garoupas é muito característica, assim como seu valor gastronômico. Vamos conhecer mais sobre esse peixe!



  • Tuz-Sulub, A., Cervera-Cervera, K., Espinoza-Mendez, J. C., & Brulé, T. (2006). Primeras descripciones de la agregación de desove del mero colorado, Epinephelus guttatus, en el Parque Marino Nacional “Arrecife Alacranes” de la plataforma Yucateca.
  • Sadovy, Y., & Eklund, A. M. (1999). Synopsis of biological data on the Nassau grouper, Epinephelus striatus (Bloch, 1792), and the jewfish, E. itajara (Lichtenstein, 1822).
  • Colin, P. L. (1992). Reproduction of the Nassau grouper, Epinephelus striatus (Pisces: Serranidae) and its relationship to environmental conditions. Environmental Biology of Fishes34(4), 357-377.
  • Carter, J., Marrow, G. J., & Pryor, V. (1994). Aspects of the ecology and reproduction of Nassau grouper (Epinephelus striatus) off the coast of Belize, Central America.
  • Aguilar-Perera, A., Villegas-Hernández, H., & Arrivillaga, A. Situación actual del mero de Nassau, Epinephelus striatus, en el Arrecife Mesoamericano.
  • SILVA, L., & LEE, S. (1974). Habitos alimentarios de la cherna criolla Epinephelus striatus Bloch y algunos datos sobre su biologia.
  • Aguilar-Perera, A. (1994). Preliminary observations of the spawning aggregation of Nassau Grouper, Epinephelus striatus, at Mahahual, Quintana Roo Mexico.
  • Dahlgren, C. P., & Eggleston, D. B. (2001). Spatio-temporal variability in abundance, size and microhabitat associations of early juvenile Nassau grouper Epinephelus striatus in an off-reef nursery system. Marine Ecology Progress Series217, 145-156.
  • Eggleston, D. B. (1995). Recruitment in Nassau grouper Epinephelus striatus: post-settlement abundance, microhabitat features, and ontogenetic habitat shifts. Marine Ecology Progress Series124, 9-22.