Gripe aviária: como está se espalhando e o que saber sobre esse surto

O vírus da gripe aviária tem uma alta taxa de mutação, razão pela qual foram gerados diferentes subtipos classificados de H1 a H17 e de N1 a N9. Como se não bastasse, os tipos H e N podem ser combinados, então a diversidade é incrível.
Gripe aviária: como está se espalhando e o que saber sobre esse surto
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 21 setembro, 2022

A gripe aviária é uma doença causada pelo vírus da gripe aviária tipo A. Como o próprio nome indica, ela se espalha naturalmente entre as aves selvagens do mundo, embora também seja capaz de infectar espécimes domésticos, como galinhas. Por isso, é considerada um perigo para os produtores focados na avicultura.

Embora a maioria dos surtos conhecidos não cause danos graves, existem certos casos que se tornam bastante patogênicos e perigosos. Como o recente surto nos Estados Unidos, que foi confirmado como risco latente pelo Animal and Plant Health Inspection Service daquele país. Continue lendo este espaço e saiba tudo sobre a gripe aviária.

O que causa a gripe aviária?

Os sinais de contágio em aves são bastante variáveis e dependem muito da cepa ou subtipo que as infecta. De fato, é possível que os espécimes passem por toda a doença sem apresentar sintomas óbvios ou, ao contrário, morram por causa do patógeno. Por esta razão, testes laboratoriais são frequentemente recomendados para identificar o tipo de vírus que causa o surto.

Em geral, as aves que apresentam sintomas apresentam congestão pulmonar, diarreia, edema, cianose da crista (cor azul na crista), lacrimejamento e penas eriçadas. No entanto, à medida que a doença se agrava, os órgãos internos podem apresentar focos necróticos (morte celular), levando à falência sistêmica e até à morte.

Embora pareça uma infecção simples, a realidade é que, dependendo do subtipo do vírus, a gripe aviária pode ter uma mortalidade que varia de 3 a 100%. Como se isso não bastasse, algumas das aves selvagens que a transmitem têm hábitos migratórios, o que aumenta os casos de infecção e agrava o surto.

Uma galinha com seus filhotes.

Infecções em humanos

Embora o vírus da gripe aviária tipo A geralmente não infecte humanos, existem casos ocasionais que ocorrem por meio do contato direto com aves infectadas. Como acontece nas aves, os sintomas nos humanos variam de acordo com o subtipo do vírus, mas foram relatadas pessoas assintomáticas e algumas mortes.

Deve-se notar que nem todos os subtipos do vírus da gripe aviária são capazes de infectar humanos, pois apenas os tipos H5, H6, H7, H9 e H10 podem adoecê-los. De fato, os subtipos H5N1 e H7N9 do vírus causaram a maioria das infecções em pessoas.

O atual surto do vírus da gripe aviária

Atualmente, vários países têm encontrado surtos esporádicos do subtipo H5N1, que parecem ter origem na China. Isso não representa um risco iminente para a saúde humana, mas parece que sua capacidade infecciosa é bastante alta e os produtores de aves precisam estar alertas.

O subtipo H5N1 já havia causado um grande número de infecções em humanos e aves em 2005. No entanto, seu genoma gerou várias mutações, de modo que a cepa atual é diferente daquela que surgiu entre 1996 e 2007. Estima-se que essa nova cepa tenha causado o abate de 40 milhões de galinhas e perus para poder controlá-la.

Por que se espalha tão rápido?

De acordo com um estudo publicado na revista PLOS Pathogens, a espécie que mais contribui para a disseminação desse vírus são os gansos selvagens. Isso ocorre porque eles prosperam bem em ambientes agrícolas e até mesmo em cidades, gerando focos de infecção próximos às áreas de produção de aves.

Além disso, tanto na América do Norte quanto na Europa, os gansos são considerados pragas, pois sua população é muito densa e resistente. Graças a essas características, são o melhor fator de transmissão que o vírus da gripe aviária pode ter.

Embora os gansos sejam as aves que exercem maior impacto na infecção da gripe aviária, os patos e as gaivotas também contribuem muito para a propagação do vírus. Além disso, seu comportamento migratório os obriga a percorrer longas distâncias entre os continentes, podendo, portanto, transportar facilmente a doença para diferentes países.

galinhas em gaiolas

O subtipo H5N1 é confirmado como altamente patogênico

Embora o subtipo H5N1 tenha sido a causa de diferentes surtos em todo o mundo por mais de 20 anos, o  Animal and Plant Health Inspection Service recentemente o confirmou como uma cepa altamente patogênica. Isso significa que os efeitos que provocam nas aves são graves e deve-se tomar cuidado com suas infecções.

Cabe ressaltar que essa cepa ainda não é considerada um risco latente para o ser humano, pois são poucos os casos de pessoas infectadas com esse vírus. No entanto, devido à sua alta taxa de mutação, não é descartado que possa causar estragos no futuro. Claro que pode não ser igual ao caso da COVID-19, mas também é bom levar esse dado a sério.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Hill, N. J., Bishop, M. A., Trovão, N. S., Ineson, K. M., Schaefer, A. L., Puryear, W. B., … & Runstadler, J. A. (2022). Ecological divergence of wild birds drives avian influenza spillover and global spread. PLoS Pathogens, 18(5), e1010062.
  • Centros para el Control y la Prevención de Enfermedades. (2022). Influenza (gripe): Información sobre la influenza aviar. Recuperado el 9 de agosto de 2022, disponible en: https://espanol.cdc.gov/flu/avianflu/index.htm
  • European Food Safety Authority, European Centre for Disease Prevention, Control, European Union Reference Laboratory for Avian Influenza, Adlhoch, C., Fusaro, A., Gonzales, J. L., Kuiken, T., Marangon, S., … & Baldinelli, F. (2022). Avian influenza overview December 2021–March 2022. EFSA Journal, 20(4), e07289.
  • Animal and Plant Health Inspection Service. (2022). 2022 Confirmations of Highly Pathogenic Avian Influenza in Commercial and Backyard Flocks. Recuperado el 9 de agosto de 2022, disponible en: https://www.aphis.usda.gov/aphis/ourfocus/animalhealth/animal-disease-information/avian/avian-influenza/hpai-2022
  • Instituto Colombiano Agropecuario. (2022). ¿Cómo se Diagnóstica la Influenza Aviar?. Recuperado el 9 de agosto de 2022, disponible en: https://www.ica.gov.co/areas/pecuaria/servicios/enfermedades-animales/influenza-aviar/aves-de-traspatio.aspx
  • Casillas, S., Herrero Fernández, S., & Varon, J. (2008). Gripe aviar: lo que un intensivista debe conocer. Medicina intensiva, 32(4), 183-193.
  • Centros para el Control y la Prevención de Enfermedades. (2022). Influenza (gripe):Situación actual de la influenza aviar en seres humanos en los EE. UU. Recuperado el 9 de agosto de 2022, disponible en: https://espanol.cdc.gov/flu/avianflu/inhumans.htm

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.