A importância do krill nos ecossistemas oceânicos

outubro 31, 2019
O krill é chamado de "pedra angular" do ecossistema oceânico. Trata-se do crustáceo mais abundante do mundo, formando a dieta básica de muitos animais, como focas, baleias, peixes, lulas, pinguins e outras aves marinhas.

Saiba tudo sobre a importância do krill, termo usado para descrever cerca de 86 espécies de crustáceos que habitam os ecossistemas oceânicos. Eles são conhecidos como eufrasídeos e fazem parte do zooplâncton que consome diretamente o fitoplâncton marinho.

Entre eles, os mais conhecidos – sujeitos à pesca comercial – são o krill antártico, o krill do Pacífico e o krill do norte, que correspondem principalmente às espécies Euphausia superbaEuphausia pacifica e Meganyctiphanes norvegica, respectivamente.

Os eufrasídeos de krill no estado adulto têm entre 5 e 12 centímetros de comprimento. No estágio inicial, as formas larvares de krill costumam ser consideradas parte do zooplâncton marinho.

A união faz a força

Uma característica do krill, talvez a mais importante em termos ecológicos, é sua natureza gregária. Quando esses crustáceos atingem a sua forma adulta, eles começam a se agrupar em enormes enxames.

Diversos exemplares de krill

A extensão que essas concentrações atingem pode variar bastante. Os enxames foram registrados variando de alguns metros quadrados a 300 quilômetros quadrados. Sem contar com as bactérias, os enxames que se estendem por quilômetros em todas as direções representam a maior biomassa do planeta.

Qual é a importância da biomassa do krill nos oceanos?

Lembre-se de que uma cadeia alimentar é uma rede linear de ligações que começa com organismos produtores ou autotróficos. É o caso de espécies de fitoplâncton marinho com a clorofila, que usam a radiação do sol para produzir seus alimentos.

A cadeia progride à medida que organismos autotróficos se tornam o alimento de organismos herbívoros. É o caso do fitoplâncton que serve de alimento para o krill. Esse novo elo, por sua vez, serve de sustento para outros seres vivos, até atingir espécies predadoras, como o leão, o urso-pardo ou o homem.

Por fim, a cadeia culmina com a participação de espécies detritívoras que degradam resíduos orgânicos. Algumas dessas espécies são as minhocas. O fim da cadeia também possui espécies em decomposição – o microbioma – que inclui fungos ou bactérias.

As cadeias alimentares inevitavelmente se relacionam entre si com todos os organismos vivos através dos alimentos que ingerimos. Cada nível de uma cadeia alimentar representa um nível trófico diferente.

Abundância e distribuição

Como observado acima, a biomassa do krill pode ser a maior dentre todas as espécies de animais multicelulares do planeta. Assim, os especialistas acreditam que o krill presente nos ecossistemas oceânicos representa os animais mais abundantes e bem-sucedidos da Terra.

O krill é exclusivamente marinho e está distribuído pelos oceanos do mundo, geralmente até uma profundidade de até 200 metros. Seu gradiente de distribuição é frequentemente associado às características térmicas das colunas de água.

Além disso, a sua presença também está associada a outras características particulares do ecossistema oceânico, como áreas de ressurgência. É conhecido como ressurgência o surgimento de corpos profundos de água – ricos em minerais e nutrientes – do oceano profundo à superfície do mar.

Krill no fundo do oceano

O krill tem a capacidade de percorrer grandes distâncias verticalmente. Na maioria das vezes, os enxames de krill permanecem submersos na água durante o dia e só aparecem à noite.

Fundamentalmente para a alimentação, muitas espécies fazem migrações verticais diárias pronunciadas e costumam se mover mais de 200 metros à noite. Não se sabe por que os enxames são vistos ocasionalmente na superfície durante o dia.

Os especialistas esperam que informações detalhadas sobre seus deslocamentos verticais diários possam fornecer dados para entender melhor seu papel nos ciclos biológicos do ecossistema oceânico.

A importância econômica do krill nos ecossistemas oceânicos

O krill é uma reserva de grandes quantidades de oligoelementos, vitamina A, várias vitaminas B e ácidos graxos essenciais. A pasta de krill, ou componentes derivados do krill, pode ser usada como alimento para animais e em dietas terapêuticas para os seres humanos.

Sua maior importância é ecológica, pois o krill é uma parte importante da dieta de muitos animais. Ele é o alimento de baleias, focas, inúmeras espécies de peixes, pássaros e, em menor grau, do homem.

Portanto, qualquer fator que cause uma diminuição na população de krill pode ter efeitos de longo alcance no ecossistema oceânico.

Por exemplo, a diminuição das espécies fitoplanctônicas consumidas pelo krill pode levar a uma diminuição da população de outras espécies marinhas que se alimentam do krill, ou indiretamente de outras espécies da mesma cadeia trófica.

  • Knox, G. A. (1984). The key role of krill in the ecosystem of the Southern Ocean with special reference to the Convention on the Conservation of Antarctic Marine Living Resources. Ocean Management, 9(1-2), 113-156.
  • Lehette, P. (2012). Biomasa, distribución y metabolismo del zooplancton en aguas de la Península Antártica. UNIVERSIDAD DE LAS PALMAS DE GRAN CANARIA. Programa de doctorado en Oceanografía
  • Nogueira, E., Batleb, J. M., Cabala, J., González-Nuevoa, G., Revillaa, R., Álvareza, E., & Buenoa, J. (2008). Accumulation of northern krill (Meganyctiphanes norvegica) in a convergence zone at the Cap Breton Canyon (southern Bay of Biscay). Revista de Investigacion Marina, 3, 225-226.