Inseto-folha (Phyllium philippinicum): cuidado e reprodução em cativeiro

O inseto-folha das Filipinas é um animal de estimação peculiar e seguro. Se seu habitat for recriado em um terrário, você pode ver como ele se integra facilmente com o ambiente.
Inseto-folha (Phyllium philippinicum): cuidado e reprodução em cativeiro

Última atualização: 25 Fevereiro, 2021

O nome inseto-folha engloba muitas espécies da ordem dos fasmídeos, um grupo de insetos conhecidos por seu incrível mimetismo com as folhas do ambiente onde vivem. Por causa da aparência muito diferente quando comparada à de outros invertebrados, eles são muito populares como animais de estimação.

Embora existam muitas espécies de fasmídeos, uma das mais interessantes para cuidar em cativeiro – e até mesmo para procriar – é a Phyllium philippinicum. Aqui estão todas as informações necessárias para manter esse inseto em casa.

Considerações prévias

O inseto-folha (Phyllium philippinicum) vem das Filipinas. Lá vive em florestas tropicais, onde se mimetiza perfeitamente com o meio ambiente. Os exemplares são sempre encontrados em clima agradável, com temperaturas amenas, alta umidade e muitas chuvas.

Durante o dia, esses fasmídeos são animais muito passivos, mas podem se mover lentamente enquanto balançam como se fossem apenas mais uma folha da árvore. Quando a noite cai é o momento que esse animal se torna realmente ativo, pois vai procurar comida e se movimentar pelo terrário.

É necessário ter em mente que os machos, quando atingem a idade adulta, são capazes de voar e o farão se se sentirem ameaçados. As fêmeas, porém, não voam – apesar de apresentarem estruturas de asas.

Não é uma espécie ameaçada ou protegida por qualquer legislação internacional e está exposta para ser extraída de seu ambiente natural. Por isso, é melhor garantir que o animal adquirido seja oriundo de criação em cativeiro, a fim de evitar danos à natureza. 

Cuidado em cativeiro do inseto-folha

Como dissemos, o inseto-folha é um animal de estimação muito grato, fácil de manter e cuidar, que também não é agressivo nem perigoso. Ter esse inseto em casa é uma boa opção para os amantes dos artrópodes.

O terrário

O dimorfismo sexual presente na espécie é notável. Os machos mal atingem 6 centímetros de comprimento e são magros. Em contrapartida, as fêmeas são robustas e medem mais de 7 centímetros, com um abdômen muito mais arredondado e rechonchudo.

Como acontece com todos os fasmídeos, existe uma regra geral para selecionar o tamanho do terrário, que deve ter sempre 3 vezes a altura do comprimento da fêmea e 2 vezes a largura. Assim, para manter uma fêmea adulta, o tamanho mínimo do terrário seria de 18 centímetros de altura e 12 de largura.

Porém, é melhor adquirir um tanque com dimensões de 30x30x30 centímetros – altura x largura x comprimento. Por outro lado, se você quiser abrigar mais de um exemplar, a largura mínima seria de 60 centímetros.

Definido o tamanho, é necessário colocar o substrato e a decoração, algo essencial para esses animais, que são principalmente arborícolas. O substrato tem pouca importância, pois os animais dificilmente o utilizam. Qualquer tipo de solo que mantenha alguma umidade serve. Por exemplo, podem ser usados solo para vasos ou fibra de coco.

O mais importante para o inseto-folha são os galhos. Neles, os espécimes farão todas as suas rotinas como descansar, comer, reproduzir-se e, claro, fazer a muda. Colocar galhos de tamanhos diferentes enriquecerá a vida do animal de estimação, assim como mudar sua disposição de tempos em tempos.

Condições ambientais

Tente imitar, na medida do possível, as condições ambientais naturais de seu local de origem. A temperatura deve estar em torno de 25 ou 30 ºC, e a umidade deve ser elevada, em torno de 70%, ainda mais alta se houver animais não adultos, como as ninfas.

Ao criar um ambiente tão úmido e quente, é fácil que os fungos se proliferem. Para evitar isso, várias aberturas de ventilação devem ser colocadas para arejar continuamente o interior do terrário.

Alimentação do inseto-folha

Como todos os fasmídeos, o inseto-folha é um animal herbívoro que se alimenta exclusivamente de folhas. Sua dieta é muito semelhante à de outras espécies desse táxon. E suas folhas favoritas são folhas de amoreira, rosa e carvalho.

Você pode borrifar a folhas com água antes de oferecê-las, para proporcionar uma hidratação extra. As gotas de água que permanecerem nas folhas não podem ser muito grandes se você tiver ninfas, pois elas podem se afogar. Por último, é muito importante não juntar no mesmo terrário um inseto-folha e um bicho-pau ,pois este último comerá o primeiro se a comida for escassa.

Criação em cativeiro do inseto-folha

A reprodução em cativeiro do inseto-folha é muito simples, bastando apenas ter um animal de cada gênero. Além disso, machos e fêmeas se distinguem perfeitamente, pois elas são muito maiores e mais robustas.

Quando um macho e uma fêmea atingem a idade adulta e estão prontos, eles copularão sem problemas. Em pouco tempo, a fêmea vai deixar os ovos caírem no chão. Estes têm formato cônico com um tipo de pelo ao redor. Acredita-se que a função desses pelos seja facilitar sua adesão à pelagem de animais que passam por perto, para que sejam dispersados ainda mais.

Os ovos podem ser coletados e armazenados em uma jarra dentro do próprio terrário. Claro que você deverá se certificar de manter a temperatura sempre a 26 ºC e não permitir o aparecimento de bolor. Caso contrário, os ovos morrerão.

Aos 4 ou 5 meses, eles eclodem e nascem pequenas ninfas de insetos-folha. Elas não são consumidas pelos adultos e podem ser mantidas no mesmo terrário. No entanto, precisam de muito espaço por indivíduo para fazer a muda. 

Manter e cuidar de um inseto-folha em cativeiro não tem grandes complicações, desde que suas poucas necessidades sejam atendidas.

Pode interessar a você...
Camaleão como animal de estimação: principais cuidados
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Camaleão como animal de estimação: principais cuidados

Mais e mais pessoas têm optado por adotar um camaleão como animal de estimação. Além de sua beleza exótica, esses répteis peculiares são independentes.