A legalidade dos animais transgênicos

setembro 3, 2019
Embora tenham sido fundamentais para o avanço da medicina, ainda existem muitos debates sobre a legalidade e os limites das modificações genéticas.

Neste artigo, falaremos sobre a questão da legalidade dos animais transgênicos.

Todos os animais obtidos a partir de uma transgenia, popularmente conhecida como clonagem, assim como seus descendentes, são considerados animais transgênicos ou geneticamente modificados.

O que é transgenia?

A transgenia, popularmente conhecida como clonagem, é um procedimento que envolve a transferência de informação genética de um organismo para outro.

Geralmente, não se transfere o código genético completo de um indivíduo para outros durante um procedimento de clonagem. Antes de realizar a transferência, é necessário selecionar, extrair e isolar certos genes.

Ao falarmos sobre animais transgênicos, nos referimos à transferência de parte do DNA de um animal para outro, que pode ter vários propósitos, incluindo – mas não se limitando – ao  processo reprodutivo.

Qualquer animal pode ser clonado?

Em teoria, o material genético de qualquer organismo, seja RNA ou DNA, poderia ser usado em uma transgenia. Portanto, teoricamente, seria possível clonar todos os animais de todas as espécies, incluindo os humanos.

Atualmente, existem várias espécies que já foram geneticamente modificadas em laboratórios.

Isso inclui insetos, parasitas, peixes, pássaros, répteis e, é claro, mamíferos como a famosa ovelha Dolly, que se tornou o mais famoso dos animais transgênicos em 1996.

Qualquer animal pode ser clonado?

No entanto, o maior número de procedimentos de transgênese foi realizado em camundongos. Em parte, essa ‘preferência’ é justificada pelo pequeno tamanho e fácil manuseio desses roedores, bem como pelo baixo custo de manutenção e adaptabilidade à vida em cativeiro.

A similaridade da estrutura do genoma dos roedores com o código genético humano também foi decisiva para sua clonagem maciça.

Legalidade dos animais transgênicos: a questão humana

A clonagem da ovelha Dolly e suas consequências negativas foram as razões para muitos países começarem a revisar sua legislação sobre os limites dos procedimentos genéticos. 

Juntamente com o acima exposto, a possibilidade de modificar geneticamente os seres humanos foi o foco das discussões a partir de então.

Em 1997, menos de um ano após o nascimento de Dolly, a UNESCO publicou a Declaração Universal sobre o Genoma e os Direitos Humanos. Em seu texto, expressa claramente a reprovação da transgenia para fins reprodutivos da espécie humana.

Um ano depois, em 1998, o Conselho da Europa aprovou a primeira regulamentação internacional que proibia expressamente a clonagem de seres humanos.

Este protocolo foi ratificado por 19 países no mesmo dia da sua publicação. Desde então, a clonagem humana continua proibida na maioria dos países da União Europeia e do mundo.

A clonagem de animais é permitida na UE, mas estes procedimentos são regulados e limitados por regulamentos do Parlamento Europeu e pela legislação de cada país.

Clonagem de cães

Animais transgênicos para o consumo humano

Uma grande e atual controvérsia a nível legal é a possibilidade de explorar carne e derivados de animais transgênicos para o consumo humano. Em 2015, o Parlamento Europeu aprovou um projeto de lei que proíbe a clonagem de animais de fazenda.

Em parte, essa lei foi baseada em questões éticas sobre a manipulação genética nessas espécies. Mas, claramente, o grande motor dessa rápida aprovação foi o questionamento dos possíveis efeitos adversos sobre a saúde humana do consumo de carne e derivados de animais transgênicos.

No entanto, e no mesmo ano, os Estados Unidos permitiram a comercialização de produtos derivados de salmões geneticamente modificados, que se tornaram os primeiros animais transgênicos destinados ao consumo humano.

Após essa extensão mundial, em 2015 a China anunciou o sucesso na criação de vacas geneticamente modificadas para se tornarem mais resistentes à tuberculose.

Desde então, a Europa é considerada como a região com uma posição mais ‘conservadora’ nessa questão. Suas autoridades contam com o apoio da população para continuar com a proibição.

  • Declaración Universal sobre el Genoma y los Derechos Humanos. Unesco. 1997. Extraído de: http://portal.unesco.org/en/ev.php-URL_ID=13177&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html
  • Ley 8/2003, de 24 de abril, de sanidad animal.2003. Extraído de: https://www.boe.es/buscar/act.php?id=BOE-A-2003-8510