Lobo-do-himalaia: habitat e características

O lobo-do-himalaia é uma das 32 subespécies de lobo cinzento identificadas. Além delas, existem várias outras em discussão para serem aceitas ou reclassificadas.
Lobo-do-himalaia: habitat e características

Última atualização: 29 maio, 2022

O lobo-do-himalaia é uma subespécie dos lobos-cinzentos, compartilhando assim muitas de suas características. No entanto, destaca-se pela sua capacidade de adaptação e por ser considerado o antepassado mais próximo dos cães. Esse tipo de lobo é o exemplo perfeito para observar a seleção natural em andamento.

Especificamente, neste artigo falaremos sobre Canis lupus chanco, um mamífero restrito a algumas áreas da Ásia, mas que tem muito a contar. Se quiser saber mais, continue a leitura.

Habitat do lobo-do-himalaia

Embora os lobos-cinzentos (Canis lupus) tenham uma ampla distribuição, a subespécie tibetana está restrita a um planalto na Cordilheira Transimalaia. De fato, compartilha o habitat com outro tipo de lobo muito próximo, o Canis himalayensis, embora ainda esteja em discussão se é uma nova variante ou não.

Esse tipo de canídeo é conhecido por ser capaz de atingir alturas superiores a 4.250 metros acima do nível do mar, mas um alcance específico não foi estabelecido. Além disso, os locais em que habita são principalmente florestas de coníferas, mas sua distribuição é bastante ampla, por isso pode preferir se deslocar para outras áreas.

Um lobo-do-himalaia.

Características físicas

Esse lobo tem pelagem abundante, branca no pescoço, peito e barriga, mas com tons cinza-acastanhados nas costas, cabeça, pernas e cauda. O pelo cai durante o ano, por isso perde a cor, fazendo com que os tons variem de acordo com a estação.

Seu corpo mantém várias características típicas dos lobos, focinho alongado com orelhas estendidas e tamanho médio. Por isso, pode atingir até 1,3 metros de comprimento e 90 centímetros de altura, com pesos próximos a 45 quilos.

Evolução da raça

Em geral, os lobos-cinzentos têm uma das maiores distribuições entre os mamíferos, com presença na Europa, Índia, Rússia, Ásia e América do Norte. Esses canídeos são capazes de viver de desertos secos a tundras frias, adaptando-se facilmente à inclemência de seu ambiente. Isso faz com que os lobos em cada área comecem a mostrar diferenças, produzindo especiação.

O caso do lobo-do-himalaia é particular, pois enfrenta ambientes com pouca oxigenação, tendo que se adaptar para sobreviver. Em outras palavras, o corpo do lobo passou por mudanças físicas, para garantir que seu sangue transportasse o oxigênio necessário para seus órgãos. Como essa alteração é exclusiva dessa população, basta classificá-la como subespécie.

A olho nu, é impossível identificar essas modificações, então, na maioria das vezes, a identificação das subespécies são respaldadas por análises moleculares. Isso é feito para identificar quantas e quais são as diferenças entre as populações, decidindo assim se é suficiente para estabelecer uma nova subespécie.

Alimentação do lobo-do-himalaia

Esse lobo é um carnívoro oportunista por excelência, podendo caçar o seu alimento, roubá-lo ou mesmo ser um necrófago. O principal componente de sua dieta são os ungulados, entre os quais encontramos veados e ovelhas. No entanto, esses animais comem qualquer tipo de carne, inclusive a de seus congêneres (canibalismo).

Método de caça

Esse mamífero costuma caçar em bandos, em grupos de 2 a 20 indivíduos. Para ter sucesso, eles encurralam suas presas até derrubá-las, momento em que aproveitam para atacar os flancos, ombros e quadris do animal. Dessa forma, eles conseguem imobilizá-lo e se alimentar com calma.

Embora prefira grupos, também pode caçar sozinho ou em pares, capturando presas menores, como coelhos ou roedores.

Comportamento

Esses mamíferos são territoriais e vivem em rebanhos compostos principalmente por 8 indivíduos. Eles precisam de outro espécime do sexo oposto para começar a recrutar sua matilha, então o casal fundador será o alfa do novo grupo. O que significa que eles serão líderes e os únicos que poderão se reproduzir.

Para marcar seu território, esses animais usam a marcação olfativa, por isso usam a urina para definir seu território e evitar que outros grupos se aproximem. Esses lobos geralmente se comunicam por meio de movimentos, rosnados e uivos, o que lhes permite interagir, saber onde estão os outros membros e iniciar caçadas.

Reprodução do lobo-do-himalaia

Esse lobo geralmente é monogâmico, mas apenas o macho alfa da matilha pode se reproduzir. O processo de cortejo começa entre janeiro e abril, quando a fêmea escolherá seu parceiro vitalício. Além disso, ela só entrará no cio uma vez por ano, o que durará no máximo 14 dias. Portanto, a cópula deve ocorrer dentro desse período.

Assim que engravidar, a nova mãe começará a procurar e fazer sua toca, onde manterá seus filhotes quando nascerem. Quando encontrar o lugar certo, cavará fundo, tentando deixar bordas que impeçam a inundação de sua nova casa.

A gestação dura entre 60 e 63 dias, com ninhadas de 1 a 14 filhotes. Eles nascem cegos e surdos, por isso devem permanecer no covil até serem desmamados pela mãe aos 45 dias de idade. Depois disso, todos os membros da matilha irão alimentar e cuidar dos filhotes, dando-lhes comida regurgitada.

Entre o 20º e o 77º dia após o nascimento, os filhotes começam a sair da toca para aprender a lutar brincando uns com os outros. Enquanto eles se desenvolvem, levará pelo menos 10 meses para começarem a caçar com o bando. Nessa época, eles passarão a ser independentes e deixarão o grupo quando tiverem entre 1 e 3 anos.

As fêmeas atingem a maturidade aos 2 anos, enquanto os machos não o fazem até os 3, mas poderão deixar o grupo mais cedo. Por fim, eles poderão escolher ser solitários, juntar-se a outra matilha ou formar uma nova, tudo dependerá de cada indivíduo, de sua maturidade e sua capacidade de caça.

É o tipo de lobo mais próximo dos cães?

Como você sabe, cães e lobos estão intimamente relacionados entre si, porque eles têm um ancestral comum. No entanto, esse ancestral ou elo, que liga o melhor amigo do homem aos lobos, ainda não foi encontrado.

É por isso que alguns pesquisadores perceberam que o lobo-do-himalaia tinha um crânio com certas características típicas dos cães. Por serem os dois únicos grupos que apresentavam essa semelhança, acreditava-se que essa subespécie poderia ser a mais próxima dos cães domésticos.

Isso pode não parecer relevante, mas para os pesquisadores responsáveis foi como encontrar uma pista sobre o ancestral desaparecido. No entanto, essas foram apenas as primeiras suposições que não representavam nada preciso.

Em 2016, foi publicado um estudo na revista científica Zoomorphology, que tentou confirmar se essas afirmações estavam corretas. Para fazer isso, eles decidem comparar vários crânios de diferentes subespécies de lobos com alguns de cães domésticos e percebem que essas “características únicas” também são encontradas em outros lobos. Por isso, negam que o lobo-do-himalaia seja o mais próximo dos cães.

Mas nem tudo está perdido, até agora só se negou que o formato do crânio seja um bom critério para garantir isso. Desse modo, ainda existe a possibilidade de que no futuro as evidências apontem para o contrário. Não se preocupe, esse é apenas um caso normal na vida dos cientistas, mas tenha certeza de que um dia a resposta será conhecida.

Estado de conservação

Pelo fato de ser uma subespécie do lobo-cinzento e ainda existirem dúvidas sobre a sua classificação, não lhe foi atribuído um grau de importância em termos da sua proteção. No entanto, embora a União Internacional para a Conservação da Natureza não o tenha listado, os governos locais estão de olho nesse mamífero.

Por esse motivo, o governo indiano priorizou as pesquisas relacionadas a esse lobo, o que criou a oportunidade de estabelecer áreas protegidas em seu habitat. Graças a isso, muitas informações foram obtidas sobre as espécies que podem ajudar na sua proteção, além de ajudar a resolver problemas evolutivos interessantes.

Esse lobo é uma espécie muito interessante, principalmente pelos mistérios que encerra. Talvez em algum futuro possamos revelá-los, desde que os esforços para evitar que a espécie desapareça sejam lucrativos. Entretanto, aproveite para compartilhar essa informação para que esse lobo não seja ignorado.

Pode interessar a você...
Lykoi, o gato lobo: tudo sobre esta raça
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Lykoi, o gato lobo: tudo sobre esta raça

Uma das mais novas e estranhas raças de felinos domésticos. Neste artigo, você poderá conhecer o maravilhoso lykoi ou gato-lobo.



  • Zhang, W., Fan, Z., Han, E., Hou, R., Zhang, L., Galaverni, M., … & Zhang, Z. (2014). Hypoxia adaptations in the grey wolf (Canis lupus chanco) from Qinghai-Tibet Plateau. PLoS genetics10(7), e1004466.
  • Joshi, B., Lyngdoh, S., Singh, S. K., Sharma, R., Kumar, V., Tiwari, V. P., … & Goyal, S. P. (2020). Revisiting the Woolly wolf (Canis lupus chanco) phylogeny in Himalaya: Addressing taxonomy, spatial extent and distribution of an ancient lineage in Asia. PloS one15(4), e0231621.
  • Choudhury, A. (2015). The Tibetan Wolf Canis lupus chanco Gray (Mammalia: Carnivora: Canidae) in northeastern India with a recent sighting from northern Sikkim, India. Journal of Threatened Taxa7(8), 7475-7476.
  • Subba, S. A., Shrestha, A. K., Thapa, K., Malla, S., Thapa, G. J., Shrestha, S., … & Ottvall, R. (2017). Distribution of grey wolves Canis lupus lupus in the Nepalese Himalaya: implications for conservation management. Oryx51(3), 403-406.
  • Mech, L. D. (1974). Canis lupus. Mammalian species, (37), 1-6.
  • Chetri, M., Jhala, Y. V., Jnawali, S. R., Subedi, N., Dhakal, M., & Yumnam, B. (2016). Ancient himalayan wolf (Canis lupus chanco) lineage in Upper Mustang of the Annapurna Conservation Area, Nepal. ZooKeys, (582), 143.
  • Ahmad, K., Nigam, P., Raza, M., & Khan, A. A. (2021). Sighting of Black Form of Tibetan Wolf Canis lupus chanco in Changthang Wildlife Sanctuary, Ladakh, India. Journal of the Bombay Natural History Society (JBNHS)118, 75-77.
  • Srivastav, A., & Nigam, P. (2009). National Pedigree Book of Tibetan Wolf (Canis lupus chanco). New Delhi, India: Wildlife Institute of India, Dehadrun and Central Zoo Authority.
  •  Pocock, R.I. (1941) Fauna of British India: Mammals Volume 2. Taylor and Francis.
  • Lu, W., Ya-Ping, M., Qi-Jun, Z., Ya-Ping ZHANG, P., & Guo-Dong, W. (2016). The geographical distribution of grey wolves (Canis lupus) in China: a systematic review. Zoological Research37(6), 315.
  • Janssens, L., Miller, R., & Van Dongen, S. (2016). The morphology of the mandibular coronoid process does not indicate that Canis lupus chanco is the progenitor to dogs. Zoomorphology135(2), 269-277.