A luz artificial é capaz de mudar o comportamento dos peixes?

abril 11, 2019
A luz artificial faz com que certos peixes de aquário sejam mais corajosos durante o dia, de acordo com um novo estudo.

Muitos traços e aspectos do comportamento dos peixes são influenciados pela luz ao longo de suas vidas. É provável que a luz artificial durante a noite (poluição luminosa) interfira em vários processos fisiológicos destes animais.

Por exemplo, a luz controla a secreção de vários hormônios que regulam o ritmo dia-noite e o crescimento. Processos essenciais, como a reprodução, também são parcialmente influenciados pela luz. A mudança na duração do dia causa, juntamente com outros fatores, a secreção de diferentes esteroides sexuais. Dessa forma, a fase reprodutiva do peixe tem início precocemente.

Por exemplo, foi comprovado que as enguias podem se sentir irritadas quando expostas a muita luz durante a sua migração de desova. Na aquacultura comercial, a luz contínua é usada para melhorar o crescimento dos peixes, inibindo a maturação sexual.

O impacto da luz artificial no comportamento dos peixes

Cerca de 60% de todos os invertebrados e 30% de todos os vertebrados são noturnos. A escuridão, o luar e até a luz das estrelas são capazes de exercer influência nessas espécies. Isso acontece porque podem desempenhar um papel fundamental em seu comportamento e sobrevivência.

Sabe-se que a luz artificial durante a noite tem um impacto negativo em muitas espécies, interrompendo os padrões de sono de alguns animais e, ao mesmo tempo, perturbando a atividade de muitos outros. Ela pode prejudicar comportamentos noturnos, como a navegação, padrões de caça, ou a capacidade de buscar alimentos enquanto evita predadores.

Iluminação em aquários

Um estudo recente mostrou que a luz artificial durante a noite altera o comportamento dos peixes durante o dia. O estudo foi realizado com o guppy, um pequeno peixe de água doce nativo da América tropical comum em aquários.

O estudo descobriu que, após serem expostos à luz artificial, os peixes mudaram seus hábitos. Eles passaram a deixar seus abrigos mais rapidamente e passaram mais tempo em águas abertas e potencialmente perigosas. Portanto, estão se arriscando mais e expondo-se claramente aos predadores.

Os pesquisadores acreditam que o maior risco é causado pelo estresse imposto pela iluminação artificial durante a noite. No entanto, a iluminação noturna não afetou a velocidade de nado do peixe ou seu comportamento social durante o dia.

A iluminação artificial não afeta apenas os peixes

A poluição luminosa pode ter muitas influências nos processos ecológicos. Pesquisas anteriores mostraram que a luz artificial à noite pode ter várias consequências diretas sobre a atividade noturna e os padrões de movimento dos animais.

Por exemplo, muitas espécies de animais, como pássaros e insetos, são atraídas para fontes de luz artificial à noite e, como resultado, acabam desorientadas.

No entanto, ainda não se sabe exatamente como a luz artificial transmitida durante a noite afeta o comportamento dos indivíduos durante o dia, quando a fonte de poluição luminosa está ausente.

Como foi feito o estudo?

Neste estudo, uma equipe liderada por Ralf Kurvers provou como a exposição à luz artificial durante a noite afetou o comportamento dos peixes durante o dia.

Como espécie de estudo eles usaram os guppies, também conhecidos como barrigudinhos, um peixe tropical de água doce e um dos organismos modelo da ciência do comportamento animal.

Peixe nadando sozinho

Os cientistas estudaram três grupos de animais. Cada grupo foi exposto às mesmas condições de luz intensa durante o dia, mas a diferentes iluminações durante a noite.

O primeiro grupo experimentou escuridão total à noite. O segundo grupo foi mantido em um nível baixo de luz durante a noite, comparável à iluminação noturna sob um poste de luz. O terceiro grupo experimentou luz intensa durante a noite.

Após 10 semanas de exposição, os resultados foram examinados. Os peixes deixaram seus esconderijos mais rapidamente durante o dia e nadaram com mais frequência nas áreas abertas e arriscadas do aquário quando foram expostos à luz artificial forte ou fraca durante a noite. Os peixes expostos à luz aumentaram, assim, sua disposição a assumir riscos.

“É difícil prever as consequências desse comportamento de risco aumentado, mas é possível que eles corram um maior risco de predação por pássaros ou outros peixes”, diz o pesquisador David Bierbach, coautor do estudo.

Os peixes expostos à luz não diferiram na velocidade de nado e na sociabilidade em comparação com os peixes do grupo de controle. “Nós suspeitamos que a luz artificial noturna cause uma resposta ao estresse nos peixes, e os peixes geralmente tomam maiores riscos quando experimentam o estresse”, explica Ralf Kurvers, principal autor do estudo.