A maior abelha do mundo redescoberta após 38 anos

A abelha gigante de Wallace tem uma envergadura de 63 milímetros e um comprimento de 39 milímetros. Em contraste, a menor abelha que existe tem apenas 1,8 milímetros de comprimento.
A maior abelha do mundo redescoberta após 38 anos

Última atualização: 09 março, 2022

Em 1858, Alfred Russel Wallace encontrou nas selvas da Indonésia uma bela abelha nunca antes vista. Essa seria a primeira e última vez que esse espécime seria visto, pois desapareceria por mais de um século sem deixar vestígios. Essa espécie recebeu o nome da abelha gigante de Wallace em homenagem a esse famoso naturalista da época.

Esse himenóptero é considerado a maior abelha do mundo, pois seu tamanho excede em muito o de outros espécimes. Ele desapareceu por vários anos e temia-se que estivesse extinto. No entanto, graças a uma campanha que buscou redescobrir essa e outras espécies “perdidas”, foi encontrada com vida novamente. Continue lendo neste espaço para descobrir a história por trás desse magnífico inseto.

Wallace e sua abelha gigante

Alfred Russel Wallace foi um naturalista que, junto com Charles Darwin, se destacou por estabelecer as bases da seleção natural. Assim como Darwin, Wallace empreendeu uma viagem em 1854 ao arquipélago malaio, onde descobriu vários animais incríveis. Ele os descreveu meticulosamente e começou a publicar todas as suas descobertas. Em 1862, ele já tinha mais de 50 artigos e notas sobre eles.

Perto do final de sua viagem (1858), Wallace mencionou em poucas palavras a descoberta de uma abelha negra gigante e peluda. Era tão grande quanto um dedo humano e tinha mandíbulas semelhantes às de um escaravelho-veado. Naquela época não se sabia a conhecia desse evento, já que era apenas parte das cerca de 1000 novas espécies que ele mesmo descreveu.

Pouco mais de um ano após a descoberta, Wallace enviou a amostra que havia encontrado ao entomologista Frederick Smith para análise posterior. Em 1960 foi publicado um artigo especificando as características da abelha, e ela recebeu o nome científico de Megachile pluto. Além disso, reconheceu-se que era a maior espécie da família Apidae encontrada até então.

A partir desse ponto da história, a maior abelha do mundo nunca foi vista novamente por mais de 100 anos. Na verdade, pensava-se que tinha sido extinta devido ao fato de que as florestas próximas à sua área de descoberta começaram a ser derrubadas.

Reencontro da espécie perdida

Em 1981, o biólogo americano Adam Catton Messer redescobriu a espécie, mas dessa vez foi possível fotografá-la pela primeira vez. Os espécimes foram encontrados em 3 ilhas da Indonésia: Bacan, Halmahera e Tidore. Além disso, descobriu-se que essas abelhas utilizam as colônias de certos cupins para formar seus ninhos, pois suas enormes mandíbulas permitem “raspar” o oco dos troncos e construir com sua resina.

Esse comportamento estranho explica a semelhança física que a espécie tem com o escaravelho-veado. Da mesma forma, descobriu-se que a razão pela qual a abelha não foi encontrada novamente foi porque não se sabia que ela fazia seus ninhos dentro da madeira.

O único problema é que, apesar de todos esses avanços na descrição da espécie, ela voltou a desaparecer por mais 38 anos. No entanto, algumas organizações sem fins lucrativos iniciaram um movimento para encontrar novamente esse e outros seres perdidos.

As espécies mais procuradas

Em 2017, a organização sem fins lucrativos chamada Global Wildlife Conservation publicou uma lista das 25 espécies desaparecidas e mais procuradas do momento. Entre elas estava a maior abelha do mundo, que havia escapado dos cientistas por mais de um século. O objetivo era claro: localizar esse inseto e demonstrar por completo que ele não estava extinto.

Essa campanha concentrou seus esforços na redescoberta dessas 25 espécies famosas, e já começou a dar respostas ao encontrar a salamandra Bolitoglossa jacksoni. Por esse motivo, havia grandes expectativas de que outros animais desaparecidos também fossem encontrados.

O início da pesquisa

A busca formal por essa abelha gigante começou no final de janeiro de 2019 com uma expedição à Ilha Ternate, na Indonésia. O grupo que organizou a viagem era formado por Glen Chilton, Simon Robson, Eli Wyman e Clay Bolt, que esperavam encontrar as espécies perdidas. No entanto, com o passar dos dias, eles perceberam que essa tarefa não seria fácil.

A jornada estava chegando ao fim e o grupo não havia encontrado nenhuma pista desse himenóptero. No entanto, durante o último dia de busca, e quase quando estavam a ponto de se render, encontraram um pequeno ninho de cupins. Eles não tinham grandes esperanças de que a tora realmente contivesse o que estavam procurando, pois não era a primeira vez que isso aconteceria durante as buscas.

Ao se aproximarem, os investigadores perceberam que o interior era muito bem definido e arredondado. Uma substância líquida pegajosa também foi observada no fundo do ninho. Quando eles menos esperavam, uma enorme abelha preta que era idêntica à de Wallace emergiu do tronco. Isso foi motivo de alegria, pois eles conseguiram redescobrir essa enigmática espécie perdida.

Esse momento não só ficou na memória dos integrantes do grupo, como também foram feitas fotos e vídeos para registrar esse grande acontecimento. Desse modo, após 38 anos de existência, a maior abelha do mundo foi (novamente) redescoberta.

Nem tudo é uma boa notícia

Embora essa notícia deva ser uma fonte de alegria para os naturalistas, na verdade causa medo e preocupação. Isso ocorre porque os insetos são um dos grupos mais ameaçados pela perda de habitat e poluição, razão pela qual se acredita que essa abelha possa estar em risco iminente.

Na verdade, dois espécimes da maior abelha do mundo foram vendidos online em 2018. O preço foi de US $ 9.100 pela primeira, enquanto a segunda foi vendida por US $ 4.150. Apesar de ser um organismo que pode estar à beira da extinção, esse tipo de venda é legal.

A razão para isso é que a espécie não possui nenhuma proteção atual para impedir seu comércio.

Como você pode ver, reencontrar esse organismo é apenas o primeiro passo, pois também é preciso prestar atenção à sua conservação. Ainda assim, esse feito é promissor para os naturalistas e mais um sinal de que ainda temos tempo para evitar a extinção de várias espécies.

Pode interessar a você...
Ciclo de vida das abelhas
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Ciclo de vida das abelhas

O ciclo de vida das abelhas se altera caso se trate de uma operária, uma rainha ou um zangão. A época do ano desempenha um papel fundamental.



  • Frederick Smith (1860). Catalogue of Hymenopterous Insects collected by Mr. A. R. Wallace in the Islands of Bachian, Kaisaa, Amboyna, Gilolo, and at Dory in New Guinea.. , 5(Supplement s1), 93–143.
  • Vereecken, N. J. (2018). Wallace’s Giant Bee for sale: implications for trade regulation and conservation. Journal of Insect Conservation, 22(5), 807-811.
  • Messer, A. C. (1984). Chalicodoma pluto: the world’s largest bee rediscovered living communally in termite nests (Hymenoptera: Megachilidae). Journal of the Kansas Entomological Society, 165-168.
  • Gallardo, M. H. (2013). Alfred Russel Wallace (1823-1913): obra y figura. Revista chilena de historia natural, 86(3), 241-250.
  • Bolt, C. (2019) Rediscovering Wallace’s Giant Bee. Recuperado el 12 de diciembre de 2021, disponible en: https://www.rewild.org/news/rediscovering-wallaces-giant-bee-in-search-of-raja-ofu-the-king-of-bees