10 curiosidades sobre o tatu

O termo "tatu" abrange vários mamíferos muito estranhos pertencentes a 2 famílias diferentes. Quer conhecer algumas de suas curiosidades mais marcantes?
10 curiosidades sobre o tatu

Última atualização: 02 Outubro, 2021

Até o momento, estima-se que existam cerca de 6495 espécies de mamíferos no planeta, contando com 95 extintas nos últimos tempos. Esse grupo é muito bem estudado devido à sua proximidade genética com os humanos, mas existem certos representantes cujo ciclo de vida e forma de sobrevivência passam despercebidos devido à sua raridade. Você quer conhecer 10 curiosidades sobre o tatu?

Embora a imagem de um animal acinzentado com rabo, armadura e nariz de porco venha à nossa mente quando pensamos em um tatu, você verá que existem representantes muito mais bizarros dentro desse grupo. Aprenda junto com a gente alguns fatos interessantes sobre esse táxon de mamífero, pois sem dúvida abrange algumas das espécies mais fascinantes que você pode imaginar.

1. Os tatus não são uma única espécie

Antes de explorar o estilo de vida dos tatus e descrevê-los, achamos interessante contextualizá-los do ponto de vista filogenético. Em primeiro lugar, é necessário enfatizar que os tatus modernos pertencem à família Dasypodidae e estão incluídos em um único gênero com 9 espécies. O exemplo mais famoso é Dasypus novemcinctus.

As coisas ficam um pouco complicadas a partir de agora, pois a família Chlamyphoridae também inclui muitas espécies conhecidas como “tatus”. Além disso, a diversidade desse táxon é muito maior, pois está dividido em 3 diferentes subfamílias e 8 gêneros, com um total de 14 espécies. Alguns de seus representantes são muito raros fisicamente e não combinam com o conceito estereotipado do tatu.

Os espécimes de ambas as famílias parentes em termos genéticos. No total, existem cerca de 21 espécies de tatus no mundo.

2. Um plano corporal muito diversificado

Os tatus do gênero Dasypus são fáceis de descrever, pois todos possuem uma série de características comuns que são muito marcantes e exclusivas de sua ordem. Em primeiro lugar, deve-se notar que apresentam uma armadura que cobre as laterais, o dorso, a cauda e a parte superior da cabeça, o que lhes dá a aparência de portadores de uma “carapaça”.

Em qualquer caso, a diversidade torna-se efetiva quando falamos em medidas. A espécie Priodontes maximus ou tatu-canastra atinge 50 quilos e 100 centímetros de comprimento, enquanto seu pequeno parente Chlamyphorus truncatus quase nunca pesa menos de 90 gramas e mede no máximo 15 centímetros. A disposição das placas da carapaça também varia entre as espécies.

Um tatu é um animal de armadura.

3. A couraça importa

O arranjo da couraça é muito importante para diferenciar as espécies de tatus. Por exemplo, os do gênero Dasypus se caracterizam por apresentar de 6 a 9 faixas móveis compostas por pele queratinizada, que formam os escudos dérmicos responsáveis proteger todo o corpo.

Espécies mais distantes do tatu típico, como o Calyptophractus retusus, rompem estereótipos, pois sua camada protetora só é encontrada na região dorsal e deixa os flancos e o ventre expostos, com uma coloração rosa semelhante à de um rato-toupeira. Além disso, as placas se fundem na pelve e na coluna, o que lhes confere uma aparência muito mais frágil e flexível.

As curiosidades da couraça dos tatus são tantas que merecem um espaço próprio.

4. Uma adaptação a ambientes inclementes

Por falar em couraças (e independentemente da forma como se apresentam), é necessário enfatizar que essa característica é compartilhada por todos os tatus em maior ou menor grau. Postula-se que serve como método para evitar o ataque de predadores, uma vez que esses mamíferos carecem de outras ferramentas (extrema velocidade ou dentes) para enfrentar seus ataques.

No entanto, a couraça também pode ser um mecanismo evolutivo para proteger esses mamíferos de seu próprio estilo de vida. Por serem animais de cova que passam o dia pastando no chão, a couraça dos tatus os isola do solo abrasivo em épocas de calor extremo e evita que certos insetos os piquem ou parasitem.

5. Poucas espécies, mas distribuídas em muitos ecossistemas

Embora seja muito difícil para a maioria da população ver um tatu em seu ecossistema natural, esses mamíferos se adaptaram a diversos tipos de ambientes. Eles podem ser encontrados em desertos, montanhas, pântanos e áreas arenosas costeiras. A única espécie encontrada na natureza nos Estados Unidos é Dasypus novemcinctus.

A linhagem basal desses mamíferos teve origem na América do Sul e, devido ao isolamento desse continente, os tatus permaneceram isolados do restante do planeta até o Cenozoico. Por isso, todas as espécies hoje descritas são encontradas no continente americano. O Paraguai é o país que mais abriga variedade, pois possui 11 delas.

6. Os tatus estão adaptados aos solos

Uma das curiosidades do tatu é que a maioria das espécies de seu grupo são fossoras. Como pode ser adivinhado pela fisiologia de seus membros anteriores, esses mamíferos precisam se enterrar no solo para encontrar comida, fazer locais de descanso e se refugiar. Portanto, eles têm unhas muito fortes e grossas.

Apesar de sua relação com o ambiente terrestre, a maioria dos tatus nada muito bem. Algumas espécies são até capazes de andar no fundo da água por curtos períodos de tempo.

Os tatus não são bons escaladores, pois o peso de sua couraça não os permite pular ou realizar movimentos acrobáticos. Sua armadura constitui até 15% de seu peso total.

7. Curiosidades sobre o tatu: uma dieta limitada

Os tatus têm um sentido de visão muito deficiente, por isso devem ser guiados pelo olfato ao procurar fontes de alimento. A maior parte de sua dieta consiste em larvas de invertebrados, insetos adultos, cupins e himenópteros não alados, como formigas.

É muito interessante saber que algumas dessas espécies são especializadas na caça apenas de formigas, pois essa estratégia alimentar limita muito sua capacidade de sobrevivência. Para alcançá-las, eles usam suas garras e escavam um corredor do diâmetro de seu corpo. Assim, podem colocar seus focinhos e se alimentar sem problemas das operárias, rainhas e larvas do formigueiro.

8. Os tatus têm uma temperatura corporal baixa

A temperatura corporal média de um ser humano é de 37° C. Curiosamente, os tatus têm uma temperatura bem mais baixa, em torno de 33 a 36° C. Isso também explica por que eles têm taxas metabólicas muito baixas, 40 a 60% do que é esperado para um mamífero de seu tamanho e complexidade.

Essa baixa taxa metabólica é especialmente marcada em espécies que se alimentam apenas de cupins. Porém, seu “modo de vida lento” também traz benefícios, pois pelo seu pequeno porte são considerados longevos (alguns tatus vivem mais de 15 anos).

9. Curiosidades sobre o tatu: uma reprodução inusitada

Sem dúvida, uma das curiosidades mais marcantes do tatu é relativa à sua reprodução. A maioria das espécies do gênero Dasypus dá à luz 4 gêmeos monozigóticos em cada evento reprodutivo, ou seja, são exatamente iguais. Apenas um óvulo é fertilizado e implantado, mas ele se divide em 4 segmentos idênticos para dar origem a mais de um indivíduo.

Postula-se que isso simplesmente responda à falta de espaço no sistema reprodutor feminino. Como quase não há lugar no útero para a implantação de um óvulo, seu corpo usa um método atípico para produzir mais descendentes com menos esforço. A gestação dura de 60 a 120 dias, mas depende muito da espécie.

Você conhece curiosidades dos tatus?

10. Modelos em estudos humanos

Os tatus são essenciais para a compreensão da dinâmica de certas doenças, como a hanseníase. Eles são um dos poucos animais que podem contrair essa patologia sistematicamente, mas a baixa temperatura corporal do tatu faz de seu corpo o local ideal para a proliferação do Mycobacterium leprae. Portanto, são considerados reservatórios do patógeno.

Sua forma atípica de reprodução também é de grande interesse para a comunidade científica, pois existem poucos exemplos de seres vivos que dão à luz gêmeos em todos os casos. Sem dúvida, as curiosidades sobre o tatu não interessam apenas no plano informativo, pois podem abrir portas e fornecer soluções para problemas científicos de difícil solução.

Pode interessar a você...
O tatu-peludo-andino: o que é e quais são as suas características
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O tatu-peludo-andino: o que é e quais são as suas características

O tatu-peludo-andino, cientificamente chamado de Chaetophractus nationi, é um mamífero placentário pertencente à família dos dasipodídeos