Monturo: a festa das aves de rapina

janeiro 3, 2019
Graças aos carniceiros, evita-se que a matéria em decomposição dos cadáveres provenientes da criação de gado contamine e intoxique os humanos.

Monturo é uma área onde os agricultores podem deixar as carcaças do gado para alimentar aves necrófagas e outros catadores: as principais são as várias espécies de abutres.

A importância do monturo

A presença de um monturo permite uma reciclagem sustentável de cadáveres, que tem sido realizada há milhares de anos.

Uma grande atividade pecuária produz mais cadáveres do que o normal, o que pode causar envenenamento por contaminação das fontes de água.

É por isso que os animais necrófagos são muito importantes, assim como a presença de um monturo em nosso meio ambiente.

Embora nos últimos anos eles tenham desaparecido com a crise da vaca louca, o fato é que o monturo recuperou novamente sua importância e cada vez mais localidades têm permitido o abandono de cadáveres no mato.

Os convidados para o banquete no monturo

Normalmente, os monturos possuem valas para impedir o acesso de pessoas e animais domésticos, o que geralmente impede o acesso de carnívoros terrestres.

Ainda assim, há áreas sem barreiras onde são abandonados cadáveres, de modo que o lobo ibérico, o urso castanho e pequenos carnívoros, tais como marta e a gineta, podem ser vistos se alimentando lá.

No entanto, os principais beneficiários do monturo são aves de rapina. O abutre-fouveiro, o pequeno abutre-do-egito, o grande abutre-negro e o abutre-barbudo são abundantes na Espanha e os principais protagonistas do monturo. 

aves de rapina comendo carniça

Há outras aves no monturo: o milhafre-real alimenta-se da carniça que lá se acumula, juntamente com as urracas, corvos e gralhas. Embora outras aves, como o urubu, também possam aparecer.

O “protocolo” do monturo

A primeira coisa a se fazer é localizar a comida, e para isso os melhores especialistas são os corvídeos: urracas, pegas-rabilongas e corvos.

Geralmente, voam em grupos, averiguando o terreno até encontrarem a carniça. É quando os corvídeos aproveitam para comer as partes moles, como a língua ou os olhos.

Estas aves têm algo em comum, mas seu maior expoente é a urraca: são barulhentas e de plumagem colorida, que inclusive pode cintilar sob o sol da manhã, emitindo um tipo de “flash”.

Esses “flashes” são necessários para que os abutres localizem o cadáver e voem pela manhã, aproveitando as correntes de ar quente.

Os flashes desses animais são impressionantes, e podem ser vistos a dezenas de quilômetros. São chamativos o bastante para os urubus localizarem o cadáver e comecem a se mover.

Mas, além disso, os abutres devem se comunicar uns com os outros a dezenas de quilômetros, para concentrar vários deles nesses incríveis grupos que se formam. Como fazem isso?

Convidando os amigos

Os abutres começam a voar de maneira diferente, descem em círculos em direção ao cadáver e se viram de um modo particular, para que os outros abutres saibam, como um sinal, que ali há um cadáver.

Assim, cada abutre muda sua maneira de voar e avisa o resto sem a necessidade de sons.

Urubu

Isso não é tão comum no abutre negro, mais dado à solidão do que o fouveiro; podemos encontrá-lo em alguns ambientes, como o Monfragüe.

Mas o fouveiro se beneficia com a chegada do abutre-preto, porque o bico mais forte da maior ave voadora da Europa permite uma abertura limpa do cadáver.

E o banquete se inicia…

Após a abertura, o abutre-preto se delicia com a carne ao redor da ferida, embora não possa atingir o fundo do corpo, devido à plumagem abundante em torno de seu pescoço.

É quando então o grifo entra, quase sem pescoço, para chegar ao fundo em busca de vísceras e outras partes.

Os abutres começam a se alimentar por lotes: nada é aleatório, embora muitas vezes essas reuniões pareçam caóticas.

Mesmo assim, podem ocorrer brigas entre os animais, geralmente entre os abutres pretos e os fouveiros, quando o primeiro quer voltar ao banquete depois que o fouveiro liberou o acesso ao cadáver.

Outras aves cercam a carniça: o milhafre-real, entre outras aves de rapina médias, tenta obter sua parte, embora já tenham dado algumas bicadas no começo. 

No entanto, eles não são rivais dos abutres, apesar de serem melhores caçadores. Portanto, mantêm-se a distância enquanto esperam que eles saiam.

Enquanto isso, os corvídeos ainda são os mais espertos do local, porque, dado seu pequeno tamanho, passam despercebidos e caminham entre os abutres com confiança.

O cadáver será assim consumido rapidamente, e o ciclo da vida seguirá seu curso.