Musaranhos-elefantes: tudo o que você precisa saber

Os musaranhos-elefantes são uma estranha e fascinante ordem de mamíferos. Eles são nativos da África e têm algumas características únicas no reino animal.
Musaranhos-elefantes: tudo o que você precisa saber

Última atualização: 20 Março, 2021

Os musaranhos-elefantes constituem uma ordem muito peculiar de mamíferos africanos (Macroscelidea) que vive no continente há milhares de anos. Esses animais também são conhecidos como sengis. Embora formem uma ordem única, esse táxon é composto por 4 gêneros e 19 espécies vivas, o que o torna bastante diverso.

Apesar do nome, é incrível descobrir a origem dessas espécies que, na verdade, nada têm a ver com os musaranhos. Atualmente, correm sério risco de extinção, mas estão incluídos em projetos que defendem sua conservação. Nas linhas a seguir, você descobrirá todos os segredos que esses pequenos mamíferos guardam.

Características físicas dos musaranhos-elefantes

Esse nome tão marcante é dado a esses animais por causa do formato de suas cabeças e seus focinhos. Eles têm um nariz muito comprido e fino, além de móvel, com o qual procuram alimento, predadores ou seus próprios congêneres.

As patas traseiras são bastante desenvolvidas, especialmente nas áreas dos ossos como a fíbula, a tíbia e o metatarso. O alongamento dessas estruturas ósseas e a posição do quadril permitem que esse animal percorra seu habitat aos saltos, como um coelho.

Externamente, é normal que para muitas pessoas os musaranhos-elefantes lembrem os próprios musaranhos, mas na verdade são muito maiores. Os sengis podem chegar a medir mais de 30 centímetros de comprimento. Na verdade, algumas espécies de musaranhos-elefantes atingem facilmente 700 gramas de peso, algo impensável para os musaranhos típicos.

Dependendo da espécie, a cor da pelagem muda, mas em todos os casos são animais de cor marrom, alguns mais escuros que outros. Essa mudança na pelagem se dá porque cada espécie habita diferentes ecossistemas, desde o deserto até a selva tropical.

Um tipo específico de musaranho-elefante.

Evolução dos musaranhos-elefantes

Antes de saber como esses animais vivem, qual é sua dieta ou sua estratégia reprodutiva, é preciso conhecer sua origem. Se os musaranhos-elefantes não são musaranhos, então o que eles são?

Por muitos anos, estudiosos de filogenia classificaram esses animais como insetívoros e, por sua vez, parentes dos pequenos musaranhos. Mais tarde, quando essa ideia foi descartada, os musaranhos-elefantes foram incluídos na ordem dos lagomorfos, como os coelhos.

Atualmente, e graças aos avanços no sequenciamento genético e no estudo dos genomas, sabe-se que os musaranhos-elefantes compartilham estruturas em seu DNA chamadas retroposons. Essas são uma característica única do grupo Afrotheria, uma superordem de mamíferos que inclui animais como elefantes, dugongos e peixes-bois.

Esses resultados mostram que os musaranhos-elefantes e outros grandes mamíferos africanos têm uma origem evolutiva comum. Na verdade, os musaranhos têm uma dentição com características únicas de animais cuja dieta é baseada exclusivamente em plantas. Mas, claro, os musaranhos-elefantes também gostam de comer insetos.

Como os sengis vivem?

Ao contrário de outros pequenos mamíferos, os musaranhos-elefantes são animais diurnos e ficam mais ativos ao longo do dia. Durante as horas iluminadas, esses animais procuram alimento ou, se for o momento certo, se reproduzem.

Os sengis são animais principalmente monogâmicos. Eles geralmente formam um casal ao longo da vida e compartilham um território comum, mas raramente são vistos juntos. Sua forma de saber se o parceiro está são e salvo é através das marcas olfativas que eles deixam por todo o território.

São animais muito territoriais, por isso não permitem que intrusos entrem em suas terras. Se essa situação viesse a acontecer, ocorrerá uma forte e rápida luta entre os adversários, até que o intruso seja desalojado.

A reprodução

Na maioria das espécies, esses animais são férteis ao longo do ano todo e podem ter até 4 ninhadas. No entanto, certos indivíduos que vivem em altitudes mais elevadas parecem ter uma interrupção reprodutiva durante as épocas mais frias do ano.

A gestação dura entre 45 e 60 dias. Ao nascer, os filhotes estão cobertos de pelos e podem se mover, mas preferem permanecer escondidos por cerca de 3 semanas na toca. Após esse período, eles saem e perseguem a mãe por onde for durante uma semana. Por fim, os filhotes se tornam independentes, embora dentro do mesmo território dos pais.

Ao atingir o tamanho adulto, o que ocorre cerca de 9 semanas após o nascimento, os filhotes saem em busca de um território próprio. Dessa forma, eles evitam competir com familiares em futuras disputas.

As ameaças dos musaranhos-elefantes

Como muitas outras espécies de animais e plantas, a maior ameaça dos musaranhos-elefantes é a destruição, a fragmentação e a degradação do habitat.

Principalmente, a fragmentação impede que esses animais se movam livremente pelo habitat e possam acessar os recursos disponíveis. Além disso, torna-se difícil encontrar um parceiro ou estabelecer novos territórios.

De acordo com relatórios publicados recentemente pela União Internacional para Conservação da Natureza (UICN), os incêndios criminosos são a principal causa da destruição do habitat que, em muitos casos, já matou mais de 30% das populações de sengis.

A vida ods musaranhos-elefantes.

Hoje, a principal batalha travada por associações como a African Wildlife Foundation é a detecção de áreas fragmentadas para iniciar o trabalho de reflorestamento. Dessa forma, diferentes populações de sengis são auxiliadas em sua recuperação.

Pode interessar a você...
O ‘lagostim de mármore’, um animal que se clona
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O ‘lagostim de mármore’, um animal que se clona

O 'lagostim de mármore' é uma nova espécie produto de mutações que permitem sua reprodução assexuada, por meio de clones. Confira aqui!



  • FitzGibbon, C. & Rathbun, G.B. 2015. Rhynchocyon chrysopygus. The IUCN Red List of Threatened Species 2015: e.T19705A21287265. 
  • Nicoll, M. E., & Rathbun, G. B. (Eds.). (1990). African Insectivora and elephant-shrews: an action plan for their conservation. IUCN.
  • Simons, E. L., Holroyd, P. A., & Bown, T. M. (1991). Early tertiary elephant-shrews from Egypt and the origin of the Macroscelidea. Proceedings of the National Academy of Sciences, 88(21), 9734-9737.
  • WOODALL, P. F., & SKINNER, J. D. (1989). Seasonality of reproduction in male rock elephant shrews, Elephantulus myurus. Journal of Zoology, 217(2), 203-212.