O nariz do cachorro: 6 curiosidades

O nariz do cachorro, juntamente com o sistema olfativo, fornece um sistema de alerta precoce para a detecção de alimentos e possíveis perigos, por isso desempenha um papel fundamental na sua sobrevivência.
O nariz do cachorro: 6 curiosidades

Última atualização: 04 janeiro, 2021

O nariz do cachorro é, na verdade, um poderoso dispositivo que o guia por um mundo muito diferente daquele que nós conseguimos perceber. Sem dúvida, é difícil para os humanos compreender totalmente o enorme poder do olfato canino.

O que está por trás dessa habilidade incrível? Buscando responder a essa pergunta, os cientistas decidiram elucidar a fisiologia do olfato canino. Neste artigo, vamos discutir algumas das descobertas mais relevantes.

1. É um órgão multifuncional

O ar que chega ao nariz do cão é distribuído para que duas funções ocorram. Uma parte é destinada ao olfato e a outra à respiração: o nariz de um cão tem a capacidade de separar o ar.

Uma parte vai diretamente para uma câmara de detecção olfativa que distingue os odores, enquanto a outra vai para a traqueia e é dedicada à respiração. A detecção olfativa ocorre quando o ar forma redemoinhos que circulam por um sistema de turbinas, onde estão os receptores olfatórios. Nos cães, o sistema de turbina é muito mais complexo do que nos humanos.

O sistema de turbinas do cão supõe uma superfície dedicada ao olfato de cerca de 100 centímetros quadrados, uma área muito maior que os cinco centímetros quadrados estimados em humanos.

Assim, a função olfatória e a acuidade dos cães podem depender do fluxo e da permanência das moléculas de odor até o chamado recesso olfatório. Nesse local, os receptores de odor são expostos ao contato prolongado com as moléculas odoríferas do ar inspirado.

É um órgão multifuncional

2. O nariz do cachorro tem um segundo sistema de detecção de odores

Entre o nariz e a boca, os cães têm um órgão especial para detectar odores. Esse órgão ainda existe em humanos, mas é apenas um vestígio não funcional.

É conhecido como órgão vomeronasal, ou órgão de Jacobson, e é considerado um órgão auxiliar do sentido do olfato. Por meio desse órgão, o cão detecta sinais químicos não voláteis, que exigem contato físico direto com a fonte do odor, como os feromônios.

É interessante saber que, ao contrário da via olfatória principal que envia sinais neuronais para o córtex olfatório, o órgão vomeronasal envia os sinais neuronais para o bulbo olfatório acessório e depois para a amígdala e, por fim, para o hipotálamo.

O nariz do cachorro tem um segundo sistema de detecção de cheiro

3. E esses receptores? São para te cheirar melhor

O repertório de receptores olfativos em mamíferos abrange centenas de tipos diferentes de receptores. Essas proteínas especializadas são muito diversas e são expressas em diferentes subcompartimentos do nariz.

Acredita-se que o nariz do cão possui significativamente mais receptores olfativos do que o nariz humano. Deve-se notar, entretanto, que não há quantificações confiáveis ​​de qual é o limite da capacidade olfativa canina.

O que se sabe é que o número de genes olfativos funcionais em humanos gira em torno de 450, contra mais de 800 relatados nos cãesUm estudo realizado com apenas dois cães estimou que o olfato canino supera o nosso em quatro ou cinco ordens de magnitude. Isso significa que seria de 10 mil a 100 mil vezes mais nítido.

Mesmo assim, outros grupos científicos tentaram recentemente estabelecer que não há relação entre o número de genes olfativos em uma espécie e a sensibilidade do olfato.

De acordo com especialistas, comparando a capacidade olfativa do cão ao sentido do paladar – a título de ilustração – enquanto um ser humano é capaz de notar uma colher de chá de açúcar no café, um cão pode detectar uma colher de chá de açúcar em um milhão de litros de água, o que equivalente ao volume de duas piscinas olímpicas.

E esses receptores? Eles são para cheirar melhor

4. O bulbo olfatório é a contraparte “pensante” do nariz do cão

As substâncias odoríferas se ligam a esses receptores olfativos e geram um sinal que é transmitido ao cérebro. A área do cérebro que decifra o sinal disparado por substâncias odoríferas no nariz é o bulbo olfatório. Lá encontramos, novamente, uma diferença entre as espécies.

Sabe-se que o volume do bulbo olfatório em cães e humanos constitui 0,31% e 0,01%, respectivamente, em relação ao volume do cérebro.

5. A umidade do nariz do cachorro é essencial

O nariz dos cães secreta uma fina camada de muco, que o deixa sempre úmido. Esse muco ajuda a absorver e capturar com eficiência moléculas odoríferas.

Os cães lambem constantemente o nariz para sentir os aromas através da boca… Portanto, não é de se admirar que eles cheirem tudo antes de comer!

6. Os cães cheiram em 3-D

Os cães podem cheirar separadamente com cada narina. Sabe-se que o cérebro de um cão usa os diferentes perfis olfativos de cada narina e, a partir deles, determina exatamente de onde vem o cheiro.

Isso ocorre de maneira semelhante à nossa visão. Cada olho forma sua própria imagem – ligeiramente diferente – do mundo, que o cérebro processa para produzir a imagem tridimensional que registramos.

Em suma, o nariz do cachorro é vital para a sobrevivência e a reprodução. Reconhecer uma infinidade de substâncias odoríferas relacionadas a alimentos, predadores e parceiros de acasalamento é essencial para sua espécie.

Consequentemente, seu olfato tem a capacidade de detectar e discriminar um número quase ilimitado de compostos químicos. Isso é realizado por meio de um elaborado sistema olfativo composto de vários subsistemas quimiossensoriais.

This might interest you...
Jogos que contribuem para a estimulação mental dos cães
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Jogos que contribuem para a estimulação mental dos cães

Devemos dedicar tempo à estimulação mental dos cães para mantê-los saudáveis e felizes. A seguir, vamos mostrar várias opções para essa finalidade.



  • Tsujino, I., Kawakami, Y., & Kaneko, A. (2005). Comparative simulation of gas transport in airway models of rat, dog, and human. Inhalation toxicology, 17(9), 475-485.
  • Bamford, K. A. (2012). Canine Olfaction: An Overview of the Anatomy, Physiology and Genetics. http://www.mesard.org/Articles/Canine-Olfaction-Review%20-kab.pdf.
  • Lawson, M. J. (2010). A fundamental study of the airflow and odorant transport phenomena of canine olfaction. The Pennsylvania State University. Tesis.
  • Kaissling, K. E. (2012). Antennae and noses: their sensitivities as molecular detectors.  In Sensory Transduction, 194 (Series A): 81-97. Editores Antonio Borsellino, Luigi Cervetto, Vincent Torre. Springer Science & Business Media, MA
  • Fleischer, J., Breer, H., & Strotmann, J. (2009). Mammalian olfactory receptors. Frontiers in Cellular Neuroscience, 3, 9.
  • Walker D, Walker J, Cavnar P, Taylor J, Pickel D, Hall S, Suarez J.(2006). Naturalistic quantification of canine olfactory sensitivity. Appl Anim Behav Sci 97: 241-254.
  • McGann, J. P. (2017). Poor human olfaction is a 19th-century myth. Science, 356(6338), eaam7263.
  • Wackermannová, M., Pinc, L., & Jebavý, L. (2016). Olfactory sensitivity in mammalian species. Physiological Research65(3), 369.
  • Kavoi, Boniface M, & Jameela, Hassanali. (2011). Comparative Morphometry of the Olfactory Bulb, Tract, and Stria in the Human, Dog, and Goat. International Journal of Morphology, 29(3), 939-946. https://dx.doi.org/10.4067/S0717-95022011000300047
  • Liberles SD, Horowitz LF, Kuang D, Contos JJ, Wilson KL, Siltberg-Liberles J, Liberles DA, Buck LB (2009). Formyl peptide receptors are candidate chemosensory receptors in the vomeronasal organ. PNAS. 106 (24): 9842–7.