Nove animais resistentes a altas temperaturas

Se você pensou que já tinha visto de tudo, certamente ficará surpreso ao saber que existem formigas que dominam as areias do deserto e vermes que habitam as águas hidrotermais.
Nove animais resistentes a altas temperaturas
María Muñoz Navarro

Escrito e verificado por a bióloga María Muñoz Navarro.

Última atualização: 21 dezembro, 2022

Na natureza, as estratégias que os seres vivos adotam para sobreviver podem ser muito variáveis e muito curiosas. Uma delas é a resistência ao calor. Mas não estamos falando de animais que suportam temperaturas de 25 ou 30º C, mas de 70 ou até superiores a 100º C.

Para as pessoas, isso é inviável. No entanto, existem certos animais que não tiveram escolha a não ser se adaptar a esses ambientes extremos. Se você gostaria de conhecer alguns deles, convidamos a continuar a leitura a seguir.

Animais que suportam temperaturas extremamente altas

Na Terra existem ambientes muito diversos, onde as condições ambientais diferem significativamente. Por exemplo, existem áreas onde o oxigênio é escasso ou onde a umidade é muito alta. Mas uma coisa é certa, seja qual for o lugar, certamente há algum organismo habitando-o.

Quando nos referimos a esse tipo de situação, o mais lógico é pensar em bactérias ou vírus. No entanto, também existem animais capazes de se adaptar a essas circunstâncias excepcionais, como o calor extremo. Abaixo mencionamos alguns dos animais que, de alguma forma, resistem a temperaturas extremas.

1. Peixes da família Cyprinodontidae 

Os peixes da família dos ciprinodontídeos (como as sardinhas) são considerados os animais mais solitários do mundo. Eles mal chegam a 25 centímetros e habitam águas encontradas em áreas muito áridas:

  • Cyprinodon diabolis reside no Devil’s Hole, um pequeno lago isolado por grandes paredes de calcário situado no deserto americano do Parque Nacional do Vale da Morte. É capaz de suportar até 38º C que a água de nascente desprende.
  • O Julimes é um peixe que nada nas zonas úmidas de El Pandeño (Chihuahua), onde as águas atingem 45º C.
  • Cyprinodon pachycephalus é endêmico das fontes termais de Aldama (Nuevo León) onde pode suportar temperaturas de cerca de 44º C.
Montanhas no deserto.

2. O verme de Pompeia

Este animal extremófilo vive nas águas de fontes hidrotermais. Sua cauda permanece em jatos de água a 80º C, enquanto sua cabeça, mais fria, sobressai deles e fica a cerca de 22º C.

Em um estudo publicado na revista científica PNAS, os cientistas estipularam que eles são capazes de suportar essas altas temperaturas devido a uma simbiose que estabelecem com as bactérias: os microrganismos em seu corpo o isolam do calor, enquanto o verme os alimenta com certas substâncias liberadas através de glândulas em suas costas. Uma das características mais marcantes dessa criatura é o leque de guelras vermelhas na cabeça.

3. Formigas do deserto

Este gênero de formigas está mais do que adaptado a habitats severos, onde prevalecem a secura e as altas temperaturas. As suas características físicas fazem delas os animais que melhor suportam este calor sufocante, achegando até aos 50º C. É quando eles usam suas longas pernas para encontrar insetos mortos que não sobreviveram ao ambiente ardente.

4. O asno selvagem

Os dibokalíes são burros que vivem no norte da Etiópia, onde podem lidar com verões quentes que chegam a 49º C. A morfologia das suas orelhas lhes permite dissipar o calor e a capacidade de aguentar muito tempo sem beber água lhes permite resistir a estes ambientes muito secos.

5. Raposa de Rüppell

Esses mamíferos, que se distinguem por serem menores que a raposa comum, vivem no coração do deserto de Lut, no sudeste do Irã. Elas também são conhecidas como raposas da areia. O segredo para combater as temperaturas sufocantes está na capacidade de armazenar água. Seu tamanho diminuto é considerado outra das adaptações.

Esta raposa tolera bem as altas temperaturas.

6. O bilby-grande

O bilby-grande é um marsupial endêmico da Austrália. Suas garras pronunciadas permitem cavar tocas espetaculares e profundas onde se refugia e se isola do calor. Eles vivem nas badlands, um dos territórios mais quentes e áridos. De fato, em 2003 foram registrados até 69º C.

7. Camelo

É claro que os camelos estão entre os animais que melhor resistem às altas temperaturas, pois só assim conseguem viver em lugares desérticos ou semidesérticos. Eles normalmente suportam temperaturas de pelo menos 40° C por pouco mais de uma semana. Isso se deve ao seu metabolismo, que faz um uso eficiente da água e permite que ele se mantenha hidratado nessas condições.

8. Tartaruga do deserto

Como o próprio nome diz, as tartarugas são outro dos animais que vivem em ambientes desérticos. Portanto, elas se adaptaram muito bem a mudanças drásticas nesse ecossistema, pois sua carapaça atua como proteção contra intempéries. Isso significa que elas podem suportar temperaturas de quase 60° C durante o dia, mas também podem suportar menos 18° C à noite.

9. Tardígrados

Além de ser o único animal que pode viver no espaço, eles também são capazes de suportar 150º C. Graças a um estado chamado criptobiose, esses organismos microscópicos inativam seu metabolismo para sobreviver a condições extremas, como radiação ou falta de água.

A luta pela sobrevivência é vencida pelos mais aptos

Dentre as múltiplas estratégias que os seres vivos utilizam para habitar lugares impossíveis, a resistência ao calor extremo é uma das mais surpreendentes. Como vimos, o tamanho e a estrutura corporal são uma clara adaptação a essa situação.

Além disso, como mencionamos acima, características como orelhas largas, pernas longas ou garras grossas são, sem dúvida, o resultado da seleção natural que permite que apenas aqueles que as possuem sobrevivam nesses locais.

Portanto, embora na natureza pareça que a força ou a velocidade sejam habilidades fundamentais para vencer a luta pela sobrevivência, podemos concluir que o vencedor será aquele que estiver melhor adaptado.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Grzymski, J. J., Murray, A. E., Campbell, B. J., Kaplarevic, M., Gao, G. R., Lee, C., … & Cary, S. C. (2008). Metagenome analysis of an extreme microbial symbiosis reveals eurythermal adaptation and metabolic flexibility. Proceedings of the National Academy of Sciences, 105(45), 17516-17521.
  • Schmidt-Nielsen, K., Schmidt-Nielsen, B., Jarnum, S. A., & Houpt, T. R. (1956). Body temperature of the camel and its relation to water economy. American Journal of Physiology-Legacy Content, 188(1), 103-112.
  • McGinnis, S. & Voig, W. (1971). Thermoregulation in the desert tortoise, Gopherus agassizii, Comparative Biochemistry and Physiology Part A: Physiology, Volume 40, Issue 1.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.