O aristocrático Chin japonês

· agosto 3, 2018

Esta raça pequena e aristocrática encantará os que amam cães em miniatura. A inteligência e o porte do Chin Japonês o tornam ideal para companhia, embora seu preço não seja acessível a todos os bolsos.

A nobre origem do Chin Japonês

A história deste espécime começa na Ásia. No ano 732, os soberanos coreanos presenteavam a corte japonesa com alguns antepassados do Chin que conhecemos hoje. Além disso, há registros indicando que outros espécimes foram enviados à China.

Durante o reinado de Tsunayoshi Tokugawa (1689-1709), o Chin Japonês foi criado como um “cão de brinquedo” no castelo de Edo, no Japão. A raça chegou à Inglaterra em 1613 graças a um capitão britânico; em 1853, foi levado aos Estados Unidos. Na verdade, dois dos espécimes que chegaram às costas dos EUA foram presenteados à rainha Victoria da Inglaterra.

Desde 1868, o Chin Japonês tem sido criado habitualmente como cão-companheiro nos círculos da alta sociedade. Hoje em dia, é um cão de companhia que se adapta especialmente bem às famílias.

Características e morfologia

Estamos diante de um cachorro de tamanho pequeno e pelo abundante. Sua face é ampla e, com sua pelagem, o resultado é uma aparência única. A Federação Cinológica Internacional o coloca no grupo 9 de cães de companhia.

O lombo do Chin japonês é largo e ligeiramente arqueado. Em termos de proporções, geralmente mede cerca de 25 e 25 centímetros de altura e seu peso varia entre 1,8 e 3,2 quilos. Como geralmente acontece, as fêmeas tendem a ser menores e mais leves que os machos.

Seu pelo é macio, longo e sedoso. Com a exceção do focinho, é completamente coberto com este pelo liso que tanto o caracteriza. No pescoço, orelhas, coxas e cauda, este pelos aparecem sob a forma de franjas.

Em termos de cor, os padrões de raça determinam que o pelo deve ser branco com manchas pretas, tons que se espalham simetricamente em torno dos olhos e orelhas, bem como do resto do corpo. O focinho deve ser curto e largo, e de acordo com a cor da pelagem.

O lar ideal para o Chin Japonês

Séculos de treinamento como um animal de companhia permitiram que este animal inteligente adquirisse um caráter doce e complacente. Como um cão de família é ideal, pois adora a companhia de crianças, porém devemos ter em mente que esta raça não tolera a solidão muito bem.

Uma das vantagens de ter um cão pequeno é que você não precisa exercitá-lo demais. Assim, uma hora de exercício diário, distribuído em diferentes caminhadas, será suficiente para esgotar o nosso animal de estimação. Sua natureza afável não tolera a disciplina muito bem, então esta raça limita-se a ser um animal de companhia.

O Chin Japonês se encaixa bem em famílias que não têm uma casa muito grande, mas que pode passar algum tempo com ele. As crianças pequenas podem ser um problema porque, devido ao seu tamanho pequeno, podem sofrer alguns acidentes.

Manutenção e cuidados

Por causa de seu abundante e sedoso pelo, esta raça requer uma escovação completa duas ou três vezes por semana. Recomenda-se usar uma escova com cerdas duras e desembaraçar especialmente a área das orelhas, onde é comum formar nós. Um banho periódico também ajudará a manter seu pelo bonito.

Devido à forma da sua cabeça, devemos ter em mente que o Chin Japonês está mais exposto na área dos olhos. Uma limpeza regular dos olhos e ouvidos pode ajudar a manter as infecções longe e, no caso de qualquer anormalidade, devemos consultar o veterinário.

Finalmente, as doenças mais comuns desta raça são ceratoconjuntivite seca e luxações nas pernas, embora seu focinho curto também possa causar problemas respiratórios.