O estresse das baleias na Segunda Guerra Mundial

· março 6, 2019
Um estudo da Universidade do Texas investigou o estresse das baleias do Atlântico e do Pacífico entre os anos de 1870 e 2016.

O estresse das baleias e de outros animais é algo que sempre preocupa quando falamos sobre animais em cativeiro. Mas cada vez mais os estudos se concentram em afirmar se os animais selvagens também sofrem estresse por causa das ações humanas.

Um estudo revela o estresse das baleias

É sabido por muitos que as pesquisas sísmicas afetam os cetáceos, mas um novo estudo indica que o estresse das baleias pelas atividades humanas começou muito antes, na Segunda Guerra Mundial.

O estudo, liderado pela Universidade do Texas e publicado na Nature Communications, analisou o estresse das baleias do Pacífico e do Atlântico entre 1870 e 2016.

Especificamente, as espécies estudadas foram a baleia azul, a baleia jubarte e a rorqual comum, que são algumas das baleias mais conhecidas.

baleias no mar

Como é medido o estresse das baleias?

Esse tipo de estudo geralmente é complicado de ser feito, pois exige a coleta de amostras de sangue, o que já estressa os próprios animais.

No entanto, neste caso, a cera dos ouvidos da baleia tem sido usada, já que formam-se tampões de cera nos ouvidos das mesmas, com camadas que permitem estimar a idade desses animais e, também, medir o cortisol.

navios baleeiros

Normalmente, esses tampões eram usados ​​para estimar a idade dos animais: da mesma forma que os anéis de uma árvore, cada camada de cera representa meses de vida da baleia.

Assim, é possível até mesmo distinguir os períodos de alimentação daquelas que migram; graças às cores das camadas, para que também se possa entender muitos dados da história de vida desses animais enormes.

Graças à presença de restos de baleias em museus em todo o mundo, foi possível realizar estudos deste tipo sem perturbar os grandes cetáceos no seu habitat natural, o que é um avanço na área de pesquisas com animais selvagens.

O cortisol tem sido usado em centenas de estudos para medir o estresse e, neste caso, foi provado que os níveis de cortisol aumentaram na década de 1960, uma das décadas com o maior boom de baleeiros.

Da mesma forma, o estresse também ficou evidente entre os anos 20 e 30, outro momento importante da caça às baleias, no qual a população desses cetáceos também caiu consideravelmente.

Estresse das baleias na Segunda Guerra Mundial

No entanto, os pesquisadores ficaram especialmente surpresos ao ver os níveis de estresse das baleias durante a Segunda Guerra Mundial.

As guerras afetam os animais, embora durante esse período tenha ocorrido um declínio na atividade baleeira

E parece que a presença de batalhas navais, submarinos ou detonações submersas também pode causar estresse nas baleias.

Outro dado que surpreendeu os pesquisadores é o fato de que o estresse das baleias tem aumentando atualmente, embora desde os anos 70 o declínio na caça às baleias tenha sido enorme.

Os pesquisadores suspeitam que uma das razões pelas quais as atividades humanas não ligadas à caça às baleias, como a presença de navios de guerra ou navios mercantes, faz com que as baleias associem navios humanos a ataques a sua espécie.

As baleias são animais importantes para monitorar as atividades humanas. Este estudo revela que continuamos a causar um enorme impacto sobre esses cetáceos, mesmo combatendo sua caça.

Trumble, S. J., Norman, S. A., Crain, D. D., Mansouri, F., Winfield, Z. C., Sabin, R., … & Usenko, S. (2018). Baleen whale cortisol levels reveal a physiological response to 20th century whaling. Nature communications9(1), 4587.