O macaco que atacou o rei

março 9, 2019

Era o ano de 1920 quando um macaco esteve com o destino da Grécia em suas mãos. O macaco que atacou o rei Alexandre I em sua casa em Tatoi mudaria o destino do país para sempre.

O macaco que atacou o rei

Esse monarca, terceiro rei dos Helenos, teve um reinado estranho e curto, em uma Europa às vésperas da primeira Guerra Mundial.

No entanto, não há nada mais estranho do que o motivo de sua morte. Ele foi vítima do macaco que atacou o rei, cujas mordidas terminaram com sua vida.

O macaco de Gibraltar é uma espécie que serviu de animal de estimação em toda a Europa.

Encontrava-se em lugares distantes, como a Pompeia romana ou a Irlanda pré-histórica. Portanto, não surpreende que o macaco que atacou o rei fosse dessa espécie.

Neste caso, o macaco que atacou o rei Alexandre I era de um de seus empregados. Na verdade, o administrador da fazenda tinha vários macacos dessa espécie como animal de estimação. 

macaco de gibraltar

O ataque ao monarca

Durante um de seus passeios pelos vinhedos do palácio, houve um incidente entre um desses macacos e o cachorro de Alexandre I, um pastor alemão.

Quando o rei tentou separar os animais, outro macaco interveio e mordeu o monarca, entre a barriga e a perna. As feridas infeccionaram e ele morreu em poucos dias. Sua morte teve duras consequências políticas.

Ainda que os macacos tenham fama de engraçados, a verdade é que o macaco de Gibraltar é um animal muito perigoso. Tem dentes enormes, que podem causar grandes feridas em uma pessoa, podendo até matar.

O macaco que atacou o rei foi abatido junto com seu companheiro. Os empregados de Alexandre I limparam as feridas do monarca. No entanto, já era tarde.

As feridas ocasionadas por mordidas se infectam com facilidade, e ainda mais quando são de animais como o macaco de Gibraltar. O rei sobreviveu apenas mais alguns dias e, após semanas de febre e dor, morreu em sua cama.

O que esse ataque significou?

Vamos entender o que esse incidente significou para a Grécia. Para isso, é preciso lembrar que o pai de Alexandre, Constantino I, manteve-se neutro durante a Primeira Guerra Mundial.

Apesar disso, o rei heleno era favorável à Alemanha, enquanto que o primeiro ministro era favorável à França e à Rússia.

palacio de tatoi

Isso levou a um governo paralelo e, depois, ao exílio do monarca e de sua família. No entanto, a Tríplice Entente, que havia conseguido dominar a Grécia sob a figura do primeiro ministro, não queria instaurar uma república no país.

Por isso, Alexandre foi coroado, mas de uma forma ilegítima, e foi o único membro da família real que permaneceu na Grécia.

Alexandre foi, portanto, um rei que não governou como tal, e que se manteve isolado de seus amigos. Ao fim da Primeira Guerra Mundial, o reino grego aumentaria um terço, devido às negociações de paz, e começaria uma guerra com a Turquia.

Durante esses anos, Alexandre morreu. Os monarcas voltaram e, então, Constantino I, pai de Alexandre, retornou.

No entanto, o descontentamento com tudo isso e a derrota na guerra com a Turquia fizeram com que ele abdicasse do trono dois anos depois.

Por isso, Churchill disse que aquele macaco matou um rei e 25 mil gregos, em referência à derrota grega após o retorno de Constantino I.

É interessante saber que o macaco que atacou o rei da Grécia causou tantas mudanças nesse país europeu.

A queda da monarquia e dos territórios do país aconteceram após a morte de Alexandre I. Quem poderia imaginar que um macaco poderia destruir um império?