Oligoelementos para cães: tudo o que você precisa saber

Os nutrientes são indispensáveis para o funcionamento do organismo. Entre os mais necessários (mas menos conhecidos) estão os oligoelementos.
Oligoelementos para cães: tudo o que você precisa saber

Última atualização: 27 Fevereiro, 2021

Os oligoelementos para cães estão entre os diferentes componentes de uma dieta balanceada, necessária para o bem-estar fisiológico e psicológico do animal. Por isso, sua falta ou excesso pode levar ao surgimento de doenças em longo prazo.

Você saberia dizer quais são os oligoelementos e por que eles são importantes no organismo do cão? Se você quiser saber a resposta dessa e de outras perguntas que possam surgir em relação a esse tópico, continue lendo.

O que são os oligoelementos?

Os oligoelementos são definidos como substâncias minerais que atuam em inúmeras reações metabólicas. Apesar de sua importância, as concentrações desses elementos exigidas pelo organismo para seu funcionamento destacam-se por serem muito pequenas.

Os oligoelementos para cães são essenciais para sua sobrevivência.

Como os oligoelementos são ingeridos?

O corpo recebe os oligoelementos necessários principalmente através dos alimentos. No entanto, a quantidade de oligoelementos ingeridos é diferente da proporção dos que estão disponíveis para o organismo. Isso se deve principalmente ao grau de absorção de cada um deles, assim como a diversos fatores, entre os quais:

  • A forma química em que foram ingeridos.
  • Condições do alimento.
  • Interações entre os diferentes oligoelementos. Dois ou mais competem entre si, o que dificulta certos processos do organismo. Por exemplo, a absorção do cálcio é influenciada pela presença de zinco.

Oligoelementos para cães

Entre os diversos oligoelementos que o organismo deve incorporar na alimentação, alguns se destacam por suas funções. Por exemplo, três oligoelementos específicos estão relacionados ao pelo ou a distúrbios dérmicos em animais. Vamos falar sobre eles abaixo.

Cobre

A deficiência de cobre é observada principalmente em cachorros, mais do que em indivíduos adultos. Mais especificamente em animais que são alimentados com rações caseiras e sem suplementos enriquecidos.

Esse desequilíbrio também pode ser causado pela ingestão de alimentos excessivamente enriquecidos em cálcio, ferro ou zinco. Em relação aos efeitos percebidos no animal, destacam-se as alterações no pelo, que se manifestam da seguinte forma:

Zinco

A deficiência de zinco em cães pode ser causada por alimentos de má qualidade, especificamente alimentos ricos em grãos integrais e com alto teor de farelo, os quais apresentam grande quantidade de compostos antioxidantes, que retêm zinco. Eles agem como agentes sequestradores do metal e evitam que o organismo possa se aproveitar dele.

Alimentos ricos em minerais também influenciam sua deficiência no organismo, embora possa estar relacionado ao fato de o cão ter problemas de assimilação de zinco. Independentemente do caso, o zinco participa de vários processos metabólicos. Por isso, sua carência no organismo leva a problemas imunológicos e cutâneos.

Ferro

Além de zinco e cobre, outro oligoelemento a ser considerado é o ferro. Esse mineral é essencial em diversos processos biológicos e está presente em todas as células do organismo, bem como em moléculas específicas.

Em particular, a maior parte do ferro é encontrada nas proteínas hemoglobina e mioglobina, que têm várias funções no corpo. A primeira é responsável por transportar o oxigênio dos pulmões para os tecidos, enquanto a segunda o transporta para as células musculares.

Apenas 5-10% do ferro ingerido com os alimentos é utilizado pelo metabolismo do animal. Por outro lado, seu excesso no sangue é tóxico ao organismo e sua ausência provoca o aparecimento de anemia.

Em cães, a anemia raramente resulta de um déficit alimentar desse oligoelemento. Seu aparecimento está relacionado a perdas crônicas de sangue, presença de parasitas ou hemorragias.

Outros oligoelementos para cães

Além dos oligoelementos mencionados acima, o corpo requer a presença de outros. Destacam-se os seguintes:

  • Cobalto.
  • Cromo.
  • Flúor.
  • Manganês.
  • Selênio.
  • Iodo.

Carência de oligoelementos

As carências nutricionais de nutrientes específicos podem levar a diversos tipos de patologias. Além disso, elas estão divididas em duas categorias: específicas e não específicas.

As carências nutricionais são classificadas como específicas quando afetam um nutriente específico ou grupo de nutrientes específicos. Por outro lado, as carências nutricionais são não específicas quando estão ligadas a 3 fatores diferentes:

  • Subnutrição.
  • Digestão incompleta ou insuficiente dos alimentos.
  • Problemas de absorção típicos de animal.

Além disso, sabe-se que os problemas nutricionais influenciam negativamente o estado do pelo e da pele do animal. Por esse motivo, se a dieta do cão carece de oligoelementos, o animal pode apresentar diversos distúrbios de pele.

Um cachorro comendo uma cenoura.

Em conclusão, os oligoelementos para cães são essenciais para o correto funcionamento do organismo. No entanto, as quantidades necessárias são mínimas e tanto a deficiência quanto o excesso na dieta devem ser evitados.

Se você acha que o animal precisa da ingestão de suplementos alimentares, sempre deve consultar o veterinário antes de administrá-los rotineiramente. Apenas o especialista pode fazer um diagnóstico do cão e indicar um tratamento eficaz.

Pode interessar a você...
Odores desagradáveis para cães: conheça 5 deles
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Odores desagradáveis para cães: conheça 5 deles

O olfato dos cães é 40 vezes mais poderoso do que o nosso. Por isso, algum cheiro forte que possa ser agradável para nós humanos pode ser incômodo para eles. E isso pode ir além, chegando a irritar o nariz deles. Você quer conhecer os odores desagradáveis para cães? Nós lhe contamos!