Organismos pancrônicos, aqueles que se recusam a desaparecer

dezembro 5, 2019
Os organismos pancrônicos, também conhecidos como fósseis vivos, são aquelas espécies de animais que, desde a sua origem, viveram praticamente sem modificações durante milhões de anos.

Os organismos pancrônicos ou fósseis vivos são espécies muito semelhantes ao que eram na sua origem, algo que faz com que sejam organismos extraordinários e surpreendentes, uma vez que são extremamente semelhantes aos animais mais antigos.

São surpreendentes não só por causa da sua estranha aparência, mas também porque continuam a viver até hoje da mesma forma que viviam na antiguidade.

O que são os organismos pancrônicos?

As espécies, desde o seu surgimento até a sua extinção, passam por três etapas. A primeira consiste na evolução de uma espécie a partir de um ancestral. Em seguida, há o crescimento contínuo dos indivíduos do grupo, até a sua distribuição e abundância máximas. A última etapa consiste na diminuição do número de indivíduos no grupo, culminando assim com a sua extinção.

Por outro lado, as espécies têm diferentes tendências evolutivas. Elas são:

  1. Transformações rápidas por causa de processos de competição ou sobrevivência das espécies.
  2. Transformações lentas ao longo do tempo, quase imperceptíveis.
  3. Permanecer inalteradas durante milhões de anos.

Neste último grupo se encontram os organismos pancrônicos (pan: tudo, cronos: tempo), embora eles também sejam popularmente designados como fósseis vivos.

A denominação de fósseis vivos pode ser mal interpretada ou considerada errônea porque um fóssil é algo morto (com pelo menos 10.000 anos de idade) e, portanto, nenhuma planta ou animal vivo poderia ser classificado como um fóssil.

Assim, um organismo pancrônico, seja ele um animal ou uma planta, é aquele que permaneceu inalterado durante todo o período em que prosperou e além.

Geralmente, os organismos pancrônicos são abundantemente vistos no passado geológico, uma vez que estavam muito bem adaptados e plenamente distribuídos.

Em comparação ao número de espécies vivas atualmente, existem poucos organismos considerados pancrônicos.

Os celacantos

Os celacantos (Latimeria chalumnae) estavam entre as espécies de vertebrados que acreditávamos estar extintas desde o período Cretáceo até 1938.

Foi neste momento que um exemplar vivo foi encontrado na foz do rio Chalumna, no sul da África. Ele tinha 1,5 metro de comprimento e pesava cerca de 50 kg.

Um segundo celacanto foi encontrado em 1952 às margens da ilha de Comoro, no Oceano Índico, entre Moçambique e Madagascar.

Organismos pancrônicos
Fonte: www.nationalgeographic.com.es

Em 1987, foram capturadas as primeiras imagens subaquáticas do celacanto no seu habitat natural. Nesse momento, foram fotografados cerca de 170 celacantos, todos próximos ao arquipélago das Comores e nas Celebes.

Os celacantos são peixes de barbatana carnuda da ordem Coelacanthiformes, parentes de vertebrados terrestres. Eles apareceram no período Devoniano (400 milhões de anos), embora vestígios tenham sido classificados no período Carbonífero (350 milhões de anos).

A sua escassez atualmente indica que eles podem estar à beira da extinção. Ou talvez eles possam ter encontrado um lugar escondido, frio, escuro e profundo, para viver tranquilamente em nosso planeta.

O caranguejo-ferradura

O límulo, um artrópode conhecido como caranguejo-ferradura (Limulus polyphemus), é outro fóssil vivo. Esta espécie da classe Merostomata da ordem Xiphosura é parente dos aracnídeos.

O caranguejo-ferradura

Os seus exemplares mais antigos foram localizados em rochas de 500 milhões de anos do período Ordoviciano. A sua proximidade com formas desaparecidas e o fato de ser o único sobrevivente do seu gênero fazem dele um organismo pancrônico.

O caranguejo-ferradura geralmente é encontrado no Golfo do México, ao longo da costa do Atlântico Norte. Pode alcançar os 50 centímetros e se alimenta de moluscos, larvas e outros invertebrados. Ele passa grande parte de sua vida enterrado na areia, onde captura as suas presas.

As tuataras

As tuataras (Sphenodon) são outro excelente exemplo de um ser pancrônico. Fazem parte dos répteis endêmicos das ilhas próximas à Nova Zelândia, da família Sphenodontidae e da ordem Rhynchocephalia.

O significado do seu nome popular vem do maori e significa dorso espinhoso.

As tuataras

As tuataras sofreram pouquíssimas mudanças físicas durante os últimos 150 milhões de anos. Esses répteis apareceram no período Triássico e conviveram com os dinossauros.

Suas populações começaram a diminuir após o Triássico, e a sua linha evolutiva continuou de maneira limitada. Na era dos mamíferos, as tuataras desapareceram da Terra, permanecendo apenas na Nova Zelândia, o país no qual os mamíferos nunca chegaram.

A tuatara não tem parentes vivos. Seus únicos parentes são fósseis, exceto pelas duas espécies vivas de tuatara encontradas na Nova Zelândia.

Young, J. Z. (1977). La vida de los vertebrados. Barcelona: Editorial Omega.