Os corvos e seus parentes: eles merecem ser considerados malévolos?

A maioria dos animais que compõem o folclore e fazem parte das histórias assustadoras não merece a fama que lhes é dada. Os corvídeos são um exemplo claro disso.
Os corvos e seus parentes: eles merecem ser considerados malévolos?

Última atualização: 21 Fevereiro, 2021

Os corvídeos são uma família de aves espalhadas por todo o mundo. Inclui corvos, pegas, gralhas e gaios, entre outros. Todas essas aves se caracterizam por serem bastante grandes, com corpo e bico robustos.

Sua má reputação vem do fato de que a maioria dessas espécies são carniceiras com muita frequência. Isso é motivo suficiente para que os corvos e seus parentes sejam considerados malévolos?

Por gerações, algumas dessas espécies foram perseguidas com afinco, o que chegou a comprometer suas populações em muitas partes do mundo. Isso é um fato lamentável, pois são aves muito inteligentes, curiosas e às vezes até divertidas, considerando o tanto que “falam”.

Os corvos e seus parentes

A seguir, falaremos sobre algumas das espécies mais conhecidas de corvídeos e suas características. Assim será mais fácil reconhecê-las quando as virmos em algum lugar. Conhecer um animal é muitas vezes o primeiro passo para parar de ter medo dele ou rejeitá-lo .

O corvo-comum

A silhueta negra do Corvus corax aparece recortada no céu quando ele voa ou desliza com grande destreza, como se estivesse realizando uma exibição acrobática. A plumagem que cobre o corpo dessa ave tem uma tonalidade preta brilhante, com reflexos metálicos. O bico e as patas também são pretos.

Essa aparência sombria, além de seus hábitos carniceiros, é considerada a culpada pela aversão que produz.

Mas a verdade é que, como a maioria dos corvídeos, o corvo é tudo menos sinistro. Na verdade, ele e seus parentes são conhecidos como aves falantes por um motivo, porque grasnam o tempo todo. Além do mais, são pássaros que, nas mãos certas, aprendem a “falar” com bastante facilidade

Os corvos e seus parentes.

A gralha-preta

Corvus corone, embora seja uma ave conhecida como gralha-preta, na realidade não é tão preta assim. A verdade é que, se você se aproximar dela, vai perceber que a cor de sua plumagem tem uma tonalidade um tanto azulada – principalmente se você olhar para ela na luz do sol.

As gralhas passam muito tempo se alimentando no chão ou no alto das árvores – seja sozinhas, em pares ou em bandos. Sua dieta é muito variada, pois um espécime pode ser desde vegetariano a insetívoro. Às vezes, também consome moluscos e até pequenos anfíbios e mamíferos.

Em cativeiro, os corvos podem viver até 12 anos.

A cabeça de um corvo.

A gralha, parente de corvos e seus parentes

A espécie Corvus frugilegus se diferencia de outros corvídeos pela pele nua na base de seu bico pontiagudo. Além disso, sua plumagem negra tem um brilhante tom arroxeado. Por todas essas características, ela se distancia de seus parentes em algumas características de seu comportamento:

  • Por um lado, seu vasto vocabulário é mais variado do que o de qualquer outra espécie.
  • Por outro lado, citamos os círculos criados pelos bandos no solo, circundando uma gralha para depois matá-la. Embora essa possa ser a característica que comprova sua má reputação, a verdade é que parece ser uma morte por compaixão. O animal do meio sempre está doente ou fraco.

A torre é um animal muito parecido com o corvo.

Os corvos e seus parentes: as espécies menos sinistras

Embora nenhum corvídeo mereça a má fama injustificada, essas duas espécies merecem menos ainda. Devemos entender que a aversão que alguns animais nos causam se deve à humanização de seus comportamentos por nossa parte. Ou seja, refletimos seu comportamento nos humanos e é então que consideramos isso desagradável. Mas não é sem motivo que falamos sobre o reino animal, certo?

A gralha-de-bico-vermelho

Pyrrhocorax pyrrhocorax é uma espécie que se caracteriza por uma plumagem preto-azulada brilhante, às vezes até com um toque esverdeado nas asas e na cauda. Sua característica distintiva por excelência (e que lhe dá seu nome) é o seu longo e curvado bico vermelho.

Para viver, essa ave prefere montanhas altas e falésias marinhas. Pode até competir com a águia-pescadora pelo território próximo à costa. Além disso, é um pássaro acrobata e bastante sociável, então por que considerá-la malévola? 

A gralha-de-bico-comum: corvos e seus parentes.

O gaio-comum

Ao contrário de seus congêneres, Garrulus glandiarus é uma ave muito colorida. Ela pertence a uma subfamília muito variada, com grande parte das espécies originárias do continente americano. A espécie da qual estamos tratando vive nas árvores e é muito tímida, pois só abandona seu esconderijo para se alimentar e, ao menor sinal de perigo, foge e volta a se esconder.

O gaio tem uma predileção especial por bolotas, que são sua principal fonte de alimento no outono. Ele abre um buraco no chão com bicadas, coloca as sobras das bolotas e cobre novamente com terra. O mais surpreendente é que ele lembra o lugar exato onde as escondeu e sabe como localizá-lo mesmo que esteja coberto com folhagem ou neve. 

O gaio é um dos corvos e parentes.

Os corvos e seus parentes na mitologia

Ao longo da história, os corvídeos foram considerados portadores de azar. Animais trapaceiros, associados ao mal e à morte. Em inglês, um bando de corvos é chamado de “unkindness of ravens” devido à mesma associação negativa, mas a verdade é que outras culturas os consideram presságios de sucesso e fortuna.

Pode interessar a você...
Corvos fazem ferramentas e as melhoram
Mis AnimalesLeerlo en Mis Animales
Corvos fazem ferramentas e as melhoram

A inteligência dessas aves foi demonstrada em uma série de estudos. Dessa forma, foi descoberto que os corvos fazem ferramentas.