Os diferentes tipos de agressividade em gatos

agosto 25, 2019
A agressividade em gatos é um fenômeno que pode ser bastante comum; existem muitos tipos de agressividade, que são desencadeados por diferentes fatores que devemos saber como controlar.

A agressividade em gatos é um comportamento ameaçador direcionado para uma pessoa, para outros gatos ou para outros animais.

Praticamente todos os animais selvagens demonstram agressividade para proteger o seu território. A agressividade nos animais selvagens ocorre para defender os descendentes e para a sua própria proteção, caso sejam atacados.

A agressividade em gatos se refere a uma ampla variedade de comportamentos complexos. Esses comportamentos ocorrem por diferentes razões, em diversas circunstâncias.

A classificação do comportamento agressivo

Para ajudar a superar um caso de agressividade em gatos, é essencial entender o que está causando a agressividade.

Se o seu gato já foi agressivo no passado, ou se você suspeita de que ele possa se tornar agressivo, reserve um tempo para avaliar as situações que podem desencadear esse comportamento.

Quem o seu gato atacou? Quando e onde isso aconteceu? O que aconteceu durante a meia hora anterior ao incidente? O que iria acontecer com o seu gato?

Determinar as respostas para essas perguntas pode esclarecer as circunstâncias que desencadearam a reação agressiva. Além disso, também é possível ter uma ideia do motivo pelo qual o gato se comporta dessa maneira.

A classificação do comportamento agressivo

Você também precisa saber que várias condições médicas podem causar ou contribuir para a agressividade em gatos. Entre elas estão a toxoplasmose, o hipertireoidismo, a epilepsia, os abscessos e a artrite.

Outras condições médicas que causam agressividade em gatos podem incluir as doenças dentárias, a raiva, um trauma e o desgaste sensorial ou a disfunção cognitiva em gatos mais velhos.

Assim, o primeiro passo para resolver o problema de agressividade do seu gato é levá-lo para um exame veterinário completo, a fim de avaliar a sua saúde física.

Existem muitas razões que podem causar a agressividade em gatos. Somente observando e conhecendo o seu animal de estimação você poderá determinar o que está desencadeando a agressividade.

Agressividade entre gatos

É o tipo de agressividade em gatos mais óbvio e mais fácil de entender. Esse comportamento ocorre principalmente entre gatos machos não educados.

Conforme os machos vão chegando à idade adulta, eles começam a desafiar uns aos outros para ter acesso às suas parceiras e território.

Gatos brigando na rua

Os gatos que vagam pelas ruas entram em confrontos ameaçadores e brigas sérias. Eles se sentam ou ficam em pé de forma firme, com os pelos eriçados e encarando um ao outro.

Suas orelhas ficam voltadas para trás e muitas vezes eles rosnam, bufam e uivam com um volume alto. Um gato pode eventualmente ir embora, ou então um deles ou ambos podem atacar.

A agressividade entre os gatos domésticos é mais sutil e complexa do que os conflitos entre dois gatos sem dono. De fato, ela pode ser tão sutil a ponto de que a família não a perceba.

A postura tanto do gato agressor quanto a do agredido são mais sutis. Muitos gatos que se sentem atacados geralmente se escondem para evitar o agressor.

A agressividade pode ocorrer entre gatos do mesmo sexo ou entre fêmeas e machos. Pode estar relacionada ao tamanho físico e à atividade, já que gatos grandes geralmente intimidam gatos menores ou menos ativos. A falta de socialização também influencia.

Brigas entre gatos

Agressividade devido ao medo ou agressividade defensiva

A agressividade devido ao medo pode ocorrer quando um gato percebe uma ameaça, e aumenta se ele não puder escapar dela. Quanto mais ameaçadora a pessoa, o animal ou o objeto for para o seu gato, maior será a sua reação de medo.

As posturas corporais tipicamente associadas à agressividade devido ao medo ou defensiva são uma combinação de:

  • Sinais defensivos, tais como se agachar, abaixar as orelhas, encolher o rabo, inclinar-se ou rolar para o lado e dilatar a pupila.
  • Sinais agressivos, tais como bufar e cuspir, eriçar os pelos, grunhir, bater, morder e arranhar.

É muito provável que sinais agressivos sejam mostrados se um gato não puder escapar daquilo que ele tem medo. Muitas vezes, a melhor maneira de lidar com um gato agressivamente defensivo é simplesmente evitá-lo até que ele se acalme.

Agressividade em gatos territoriais

Animais de muitas espécies se esforçam para expulsar ou afastar outros indivíduos do seu território. Os gatos não são uma exceção à territorialidade.

Gatos brigando

Tanto os gatos machos quanto as fêmeas são territoriais. No entanto, os machos podem defender territórios maiores do que as fêmeas.

A agressividade territorial em gatos geralmente é direcionada para outros gatos. Apesar disso, também pode ser direcionada para cães e pessoas.

Um gato pode mostrar agressividade territorial em relação a alguns membros da família e não a outros, e em relação a alguns gatos, mas não outros. Os gatos marcam a grama patrulhando, esfregando o queixo e deixando a sua urina.

Eles também podem espreitar, perseguir e emboscar um intruso. Nessas ocasiões, eles mostram posturas corporais ofensivas, tais como bufar, bater e grunhir.

Alguns gatos adotam uma abordagem lenta e constante para perseguir, enquanto outros perseguem de forma agressiva e imediata. O território percebido de um gato pode ser a casa inteira ou parte dela, o quintal, o quarteirão ou a vizinhança toda.

A agressividade em gatos devido a brincadeiras

Brincar de forma bruta é comum e natural entre os filhotes e os gatos jovens com menos de dois anos de idade. No entanto, apesar das intenções lúdicas do gato, este é um tipo de brincadeira que nem sempre termina bem.

A agressividade em gatos devido a brincadeiras

As ‘brincadeiras’ agressivas dirigidas às pessoas podem causar ferimentos ou danificar itens domésticos. Brincar de forma agressiva é o tipo mais comum de comportamento agressivo que os gatos têm em relação aos seus donos.

Consiste em manter comportamentos predatórios típicos, tais como espreitar, perseguir, atacar, correr, emboscar, bater, agarrar, lutar e morder.

Acredita-se que, através das brincadeiras entre eles, os gatos jovens aprendem a inibir as mordidas e a encolher as unhas. Ser órfão ou ficar sozinho durante longas horas são fatores que podem contribuir para as brincadeiras agressivas.

Agressividade em gatos causada por carícias

Embora alguns gatos gostem de contato direto, outros não gostam de ser acariciados. Assim, a agressividade induzida pelas carícias ocorre quando um gato se sente irritado de repente ao ser acariciado.

Essa agressividade consiste em arranhar ou morder a pessoa que está acariciando o gato, para em seguida saltar e sair correndo.

Gato carinhoso

De fato, o contato repetitivo pode causar excitação, dor e até mesmo eletricidade estática na pele de um gato. Por isso, quando o seu gato indicar que você deve parar de acariciá-lo, a melhor opção é simplesmente parar.

Sem dúvida, é importante ter em mente que os gatos com problemas de agressividade sempre devem ser examinados. Um veterinário será capaz de determinar e detectar problemas médicos subjacentes, especialmente doenças que causem dor.

Aplicar um castigo doloroso ao gato agressivo não só é ineficaz para mudar este comportamento, mas também pode desencadear a agressividade induzida pela dor.

Em muitos casos, o castigo corporal pode agravar outros tipos de agressividade, tais como a agressividade causada pelo medo ou a territorial.

  • Siegel, A., & Pott, C. B. (1988). Neural substrates of aggression and flight in the cat. Progress in neurobiology, 31(4), 261-283.
  • Levine, E., Perry, P., Scarlett, J., & Houpt, K. A. (2005). Intercat aggression in households following the introduction of a new cat. Applied Animal Behaviour Science, 90(3-4), 325-336.
  • Adamec, R. E., Stark-Adamec, C., & Livingston, K. E. (1980). The development of predatory aggression and defense in the domestic cat (Felis catus): II. Development of aggression and defense in the first 164 days of life. Behavioral and Neural Biology, 30(4), 410-434.
  • Chapman, B. L., & Voith, V. L. (1990). Cat aggression redirected to people: 14 cases (1981-1987). Journal of the American Veterinary Medical Association, 196(6), 947-950.