Pachón navarro: tudo sobre essa raça

Um dos ancestrais do pachón navarro aparece em uma obra britânica de 1725 pintada por Peter Tillemans.
Pachón navarro: tudo sobre essa raça

Última atualização: 28 maio, 2022

O pachón navarro faz parte do grupo de cães pointers, que são excelentes companheiros de caça. Além disso, têm a fama de serem descendentes diretos do extinto Pointer espanhol, conhecido como uma das raças originais. Seu porte pomposo, galante e suas grandes habilidades o catalogaram como um dos melhores cães para caçadores.

Formalmente, esse cão ainda não é reconhecido pela Federação Cinológica Internacional, por isso não pode ser considerado uma raça pura. No entanto, apesar disso, graças às suas características peculiares, conquistou o coração de muitas pessoas. Continue lendo para saber mais sobre esse lindo e peludo amigo.

Origem do pachón navarro

Por vários milhares de anos, os ancestrais dos lobos coexistiram com os humanos. Ao longo do tempo, isso gerou uma relação de benefícios mútuos, onde esses caninos ajudavam a caçar alimentos, enquanto os humanos forneciam proteção e cuidado. À medida que o relacionamento se aproximava, os lobos perderam suas características selvagens, confiando fortemente nos humanos.

A maioria dos cães que conhecemos hoje vem de um ancestral comum com os lobos. Isso significa que um ancestral desses canídeos perdeu suas habilidades selvagens e algumas características para se tornar o que conhecemos hoje como o melhor amigo do homem.

O pachón navarro é considerado uma variante do pointer espanhol, conhecido como raça original, ou seja, uma das mais antigas. Este último é nativo da Europa, usado na antiguidade como cão de caça e contava com grande apreço devido ao seu caráter dócil e fácil ensino. Embora o pointer espanhol já esteja extinto, seu sucessor direto e mais próximo é o pachón navarro.

Esse pointer espanhol também pode ser o ancestral de várias raças de cães pointers, que se caracterizam por apontar suas presas com o nariz. Seu bom olfato, instintos e habilidade fizeram com que todos conquistassem um lugar valorizado pelos caçadores.

Características físicas

Esse cão é de tamanho médio, com um corpo ostensivo retangular, membros curtos e pelagem grossa. O tamanho médio que atinge é de 55 centímetros na cernelha, o que significa que mede mais de meio metro do solo até o ponto mais alto da omoplata. Além disso, seu peso pode chegar a 28 quilos, devido aos músculos que exibe.

A pelagem desse animal costuma ser curta e dura, embora alguns exemplares possam apresentar uma pelagem sedosa e ligeiramente mais comprida. A cabeça desse canino tem uma aparência quadrada e larga com nariz largo e narinas divididas, também chamadas de nariz duplo. Os seios frontais dessa raça são bem marcados, razão pela qual geralmente é visto franzindo a testa o tempo todo.

Por outro lado, sua boca é bastante característica, pois possui lábios longos e levemente pendentes, o que destaca sua aparência quase intimidadora. As orelhas são ostensivas, grandes, arredondadas, caem para a frente e competem em comprimento com os lábios, já que estão na mesma altura. Além disso, a cor de seus olhos é castanho-mel, com uma fenda mínima que os separa um do outro.

A coloração típica desse animal é baseada em uma cor clara ou branca, com manchas ao longo do corpo. Essas manchas podem ser laranja, marrom, preta ou café. No entanto, pode haver variedades que tenham apenas uma cor ou até três.

Caráter do pachón navarro

Uma das melhores qualidades dessa raça é o seu caráter calmo, calmo e obediente, pois descende de caçadores inatos. Além disso, é considerado um cão corajoso, ativo e alegre, capaz de andar em terrenos irregulares ou mato. A inteligência desse cão lhe permite obedecer bem às ordens, evitando ser guiado pelos seus instintos.

O pachón navarro não é um espécime hiperativo, apesar de gostar de trotes vigorosos e longas caminhadas, sendo um indivíduo manso e abnegado. Isso não significa que ele não seja nada agressivo. Pelo contrário, significa que ele só lutará se houver uma boa razão para isso.

Muitos caçadores o consideram um “todo-terreno” porque não tem medo de ventos fortes e se adapta a andar em qualquer superfície. Além disso, esse animal tem a capacidade de caçar de forma coordenada, ficando atento às ordens de seu tutor, às condições do ambiente e da presa, algo que também é conhecido como caça inteligente.

Cuidados e saúde

Infelizmente, esses cães estão em processo de recuperação, o que significa que estão tentando manter a raça pura. Embora isso pareça bom, porque as características ancestrais podem ser mantidas, também significa o aumento da possibilidade de contrair doenças congênitas.

Esse efeito é conhecido como depressão genética, causada principalmente por processos de endogamia de criadores de cães. De fato, uma lesão que costuma estar presente em 15 a 20% desses animais é a fenda palatina, que, felizmente, já conta com novas técnicas de tratamento. Isso ocorre porque seu nariz duplo torna o animal suscetível a essas complicações.

Exercício e dieta

Durante o seu crescimento, os pachones precisam de uma dieta muito equilibrada. Isso implica escolher rações com os nutrientes necessários ou comida caseira com um cardápio específico. Lembre-se de que você deve cuidar muito da qualidade da dieta fornecida.

Além disso, como esses animais vêm de ancestrais caçadores, você precisa permitir longas caminhadas onde eles possam gastar sua energia. Isso pode ser feito tanto em parques quanto em áreas selvagens, onde o cão pode esquadrinhar, investigar e desfrutar do ar livre. Uma de suas principais características físicas é o corpo atarracado, por isso é melhor mantê-lo ativo para evitar que perca seus músculos.

Treinamento do pachón navarro

Um cão pachón navarro.

A educação do seu cão é uma das principais tarefas que você tem como tutor. No entanto, o pachón tornará essa tarefa muito mais fácil para você. Isso porque essa é uma das raças mais proativas no aprendizado, o que facilita bastante o ensino de comandos. Por isso, uma das melhores opções é começar o treino desde cedo.

Se você busca bons resultados, recorra aos instintos naturais do cão, fazendo brincadeiras comuns como “buscar”. Embora pareça simples, isso os lembra do ato de trazer a presa, que é bastante familiar e de fácil aceitação. Além disso, é um jogo que permite fortalecer o vínculo com o tutor, o que beneficia a ambos.

Uma das melhores dicas é recorrer ao uso do condicionamento, no qual a cada ordem que os cães realizam corretamente, eles são premiados. A princípio pode parecer complicado, mas conforme você repete a tarefa, seu pet poderá associá-la e obedecer imediatamente.

Não custa mencionar, mas lembre-se de que se você quer ter esse ou outro animal de estimação, deve entender bem suas necessidades, a fim de oferecer uma boa qualidade de vida. No caso específico dessa raça, é melhor considerar o tempo e o espaço que ela necessita, pois, sendo indivíduos acostumados a se exercitar, dependerão de caminhadas constantes.

Os pets costumam vir acompanhados de responsabilidades, não são brinquedos, mas vidas que vão depender completamente de nós. Se você acha que não pode atender às suas necessidades, continue procurando um animal de estimação diferente, com certeza existe um que combina com você.

Pode interessar a você...
O javaporco espanhol: o que é e como ele afeta o ecossistema?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O javaporco espanhol: o que é e como ele afeta o ecossistema?

O javaporco espanhol é um híbrido entre porco vietnamita e javali. Sua introdução no ecossistema mediterrâneo pode ser devastadora. Confira!



  • Lara, I. P. (2016). Ensayo de un tratamiento mínimamente invasivo de la fisura palatina mediante el uso de un biomaterial osteoinductor inyectable en un modelo de perro con fisura palatina congénita (Doctoral dissertation, Universidad Complutense de Madrid).
  • Kropatsch, R., Streitberger, K., Schulte‐Middelmann, T., Dekomien, G., & Epplen, J. T. (2011). On ancestors of dog breeds with focus on Weimaraner hunting dogs. Journal of Animal Breeding and Genetics128(1), 64-72.
  • Pope-Hennessy, J. (1939). The Royal Academy Exhibition of Scottish Art. The Burlington Magazine for Connoisseurs74(431), 67-71.
  • Bewick, T. (2009). A General History of Quadrupeds. In A General History of Quadrupeds. University of Chicago Press.
  • Parra, D., Méndez, S., Canon, J., & Dunner, S. (2008). Genetic differentiation in pointing dog breeds inferred from microsatellites and mitochondrial DNA sequence. Animal Genetics39(1), 1-7.
  • Yilmaz, O. Controversies of Origin of Domestic Dog-IV-References of Modern Dogs after. Sch J Agric Vet Sci 2017; 4(11):491-497.
  • YILMAZ, O. (2012). Some morphological traits of the Tarsus fork-nose dog in Turkey. Bulgarian Journal of Agricultural Science18(1), 138-143.
  • Contera, C. (2003) Pachón Navarro, Estándar morfológico. Circulo de cazadores y criadores de pachón navarro.