Parque nacional mais antigo da África afetado pelo petróleo

fevereiro 9, 2019
O governo do Congo "concedeu" quase um quarto de sua grande reserva natural para a exploração de petróleo. Uma notícia que abalou vários ambientalistas.

No final de junho de 2018, veio a notícia: o mais antigo parque nacional da África foi declarado zona de interesse do petróleo, por isso será explorado para sua extração. O projeto não afeta apenas o famoso parque Virunga, mas também o de Salonga.

Riscos da exploração de petróleo

O Governo da República Democrática do Congo anunciou que 21,5% do parque nacional mais antigo da África será dedicado à exploração de petróleo, o que corresponde a um total de 172.000 hectares.

O Parque Virunga é um Patrimônio Mundial da UNESCO e é o lar do gorila-da-montanha, um primata único.

No caso de Virunga, a população de gorilas-da-montanha atingiu recentemente mil espécimes. Acrescente a isso que o mais antigo parque nacional na África também faz parte do habitat de elefantes e hipopótamos. A ONG Global Witness denunciou este projeto, que teria sérias consequências para a natureza congolesa.

O território dos gorilas foi protegido graças ao trabalho de heroínas como Dian Fossey, que deu a vida pela preservação do parque nacional mais antigo da África.

A espetacular recuperação dos gorilas-da-montanhas em Virunga deve-se muito a essa mulher, que foi assassinada por um caçador ilegal.

Gorila da montanha com filhote

Violência no mais antigo parque nacional da África

Esta intenção de abrir Virunga para a exploração de petróleo se soma à delicada situação anterior, já que o parque foi recentemente fechado ao turismo.

O fechamento se deu por causa de uma onda de incidentes, que resultou em episódios de violência extrema e assassinatos de guardas-florestais.

O parque nacional mais antigo da África abrange 7,8 mil quilômetros quadrados, que se estende pelo norte do lago Kivu, na fronteira com Uganda e Ruanda.

O parque sempre foi assediado por caçadores e grupos paramilitares, responsáveis ​​pelos assassinatos que levaram ao fechamento desta reserva natural.

No entanto, devemos nos lembrar de que esta área sempre foi marcado pelo conflito; devido às guerras no Congo, a segunda guerra mais sangrenta após a Segunda Guerra Mundial.

Uma das razões é o controle das minas de coltan, que agora podem ser adicionadas às das zonas de petróleo.

macacos bonobos comendo

Salonga, esse grande desconhecido

Ainda não se sabe qual parte do território será retirado do Parque Nacional Salonga. Mas sabemos que o bonobo, assim como vários outros grandes símios, serão prejudicados com a medida.

Salonga abriga 40% da população de bonobos, um primata muito especial, já que é um dos poucos grandes símios com sociedades matriarcais.

Apesar da crença popular, chimpanzés e bonobos estão similarmente relacionados aos seres humanos. Eles se separaram de nós, no nível evolucionário, praticamente no mesmo período.

No entanto, Salonga possui o título de maior reserva florestal natural da África, já que abrange mais de três milhões e meio de hectares.

Essa floresta tropical também serve como um refúgio para elefantes e rinocerontes brancos. Foi possível evitar a caça ilegal, mas não uma guerra civil que devastou um dos países mais pobres do mundo.

Além disso, a ameaça que a exploração de petróleo representa para os dois parques é sem precedentes.

Apenas alguns anos atrás, um documentário denunciou as intenções da empresa britânica SOCO de realizar perfurações de petróleo, porém a pressão social conseguiu interromper tal atividade.

Assim, esperamos que desta vez a mesma coisa aconteça e a atual existência de ambos os parques seja garantida.