Peixe-espada: cuidados e doenças

junho 8, 2020
O peixe-espada é uma espécie marinha de aparência peculiar e caráter agressivo.

O peixe-espada, conhecido cientificamente como Xiphias gladius, é uma das espécies marinhas mais facilmente reconhecíveis devido à sua morfologia. No entanto, quando se trata dos seus cuidados e doenças, passa mais despercebido.

Principais características do peixe-espada

Sem dúvida, a característica que define o peixe-espada é a morfologia da sua espada localizada no topo de sua mandíbula. Ao contrário de outros peixes de bico que têm uma seção cilíndrica na espada, o Xiphias gladius é caracterizado por ser muito longo e com um perfil achatado e oval.

Embora as pescas comerciais tenham cerca de um a dois metros de comprimento, as amostras comerciais podem atingir quatro metros e exceder 500 kg, e são as fêmeas que têm as maiores dimensões. Além disso, elas se distinguem por não apresentar barbatanas ou escamas pélvicas quando atingem a idade adulta.

O peixe-espada atinge a maturidade sexual entre o segundo e o quarto ano de vida, período em que os machos cortejam as fêmeas nadando ao seu redor até fertilizar os milhares de ovos que elas depositam. Normalmente, a reprodução e o nascimento dos jovens ocorrem nos meses de junho a setembro em águas quentes.

Principais características do peixe-espada

O peixe-espada é caracterizado por ter grande tolerância às variações de temperatura, daí a sua ampla distribuição geográfica, tanto em latitude quanto em profundidade. Normalmente, frequentam áreas com importantes correntes marítimas, aproximadamente entre 45º norte e 45º sul.

Alimentação e cuidados

O peixe-espada se destaca por se alimentar de um grande número de presas e, normalmente, as altas concentrações dessa espécie coincidem com a abundância de sardas, carapau, anchova, lula, polvo e, em menor grau, crustáceos e outros invertebrados. Daí a responsabilidade dos pescadores de realizar práticas de pesca responsáveis ​​com a diversidade marinha.

Além disso, esse peixe destaca por ser um predador muito ativo, guiado principalmente pelo sentido da visão para fazer suas capturas. No entanto, também possui várias ameaças, incluindo tubarões, baleias assassinas ou grandes cefalópodes.

No que diz respeito às regulamentações nacionais e internacionais sobre a atividade pesqueira dessa espécie, destaca-se a decisão da ONU em 1990 de regular e limitar o uso de redes de emalhar com mais de 2,5 quilômetros, e a proibição do seu uso na Espanha para a pesca de atum e peixe-espada. Em 2002, a UE regulou a proibição de redes de emalhar.

Peixe-espada sendo pescado

Doenças

Além de ter uma fauna simbiótica associada, principalmente várias espécies de rêmoras, entre as quais a Remora brachyptera se destaca, é provável que o peixe-espada tenha um grande número de parasitas.

Eles estão geralmente ligados às suas brânquias, vísceras, cavidade ou músculo abdominal e, principalmente, destacam-se os trematodes, céstodos, nemátodos e copépodes.

Conforme documentado pelos pescadores, devido à facilidade de identificação, o ectoparasita mais frequente é o pertencente ao gênero Pennella. Ele tem um aspecto tubular enegrecido e, com uma pluma em uma extremidade, é capaz de passar pelos músculos até atingir as camadas mais vascularizadas das quais se alimenta. A presença desse parasita é maior no mar Mediterrâneo e pode haver vários deles no mesmo espécime.

Nos últimos anos, o alarme disparou, principalmente por causa do seu envolvimento direto nos seres humanos: o acúmulo de mercúrio (na forma de metilmercúrio) nos tecidos dessa e de outras espécies marinhas.

O referido metal é tóxico para o sistema cardiovascular, rins e sistema nervoso quando está  presente em quantidades relevantes. E, como o peixe-espada é um dos predadores encontrados nos níveis mais altos da cadeia alimentar, existe a possibilidade de estar contaminado, o que representa um risco para o consumidor.