Meus peixes abrem a boca na superfície do tanque: por quê?

Seus peixes estão abrindo a boca rapidamente na superfície do tanque e você não sabe por quê? Apresentamos aqui algumas das causas e soluções para esse preocupante fato.
Meus peixes abrem a boca na superfície do tanque: por quê?

Última atualização: 29 agosto, 2021

A aquariofilia está se tornando cada vez mais um hobby para todas as idades e públicos. Não é para menos, porque ter uma amostra de um ecossistema marinho ou de água doce em casa é uma das coisas mais fascinantes que existem para muitos amantes da natureza. Em qualquer caso, como acontece com todos os animais de estimação, os peixes requerem certas responsabilidades e atenções.

Nas linhas a seguir, abordaremos algumas das preocupações mais comuns dos tutores de aquários de água doce: por que meus peixes abrem tanto a boca na superfície? Se você deseja obter respostas para essa pergunta, continue lendo.

Como os peixes respiram?

Antes de entrarmos totalmente na questão que nos preocupa, é importante esclarecer alguns fatos sobre o aparelho respiratório dos peixes. Em primeiro lugar, deve-se observar que esses vertebrados realizam a maior parte das trocas gasosas através das brânquias, localizadas em ambos os lados da faringe e protegidas pelos opérculos (barbatanas de osso duro que as recobrem).

As brânquias consistem em arcos branquiais que sustentam uma série de filamentos avermelhados (filamentos branquiais) altamente vascularizados. A água entra continuamente pela boca do peixe, percorre as estruturas nomeadas e nelas ocorre a troca gasosa. Quanto aos capilares, o corpo descarta o excesso de dióxido de carbono metabólico e coleta o oxigênio dissolvido na água.

As guelras são capazes de coletar o oxigênio dissolvido na água e transportá-lo para os tecidos.

Formas especiais de respiração

A maioria dos peixes “modernos” em termos evolutivos possui um órgão conhecido como bexiga natatória. Na maioria das espécies, essa estrutura é bicameral e perdeu sua conexão com o sistema digestivo do animal, por isso está isolada (fisoclistos). Nesses casos, a bexiga natatória atua como um “flutuador” e infla ou esvazia trocando gases com o sangue.

No entanto, em outros peixes mais primitivos (fisóstomos), a bexiga e o trato digestivo estão conectados. Em algumas dessas espécies, esse órgão é altamente vascularizado e tem uma função semelhante à de um pulmão. Alguns dos fisóstomos precisam se deslocar até a superfície da água para tirar o ar diretamente do ambiente a fim de respirar.

Algo semelhante ocorre com o órgão labirinto dos peixes-betta e outros de seus parentes (como os da família Osphronemidae). Essa estrutura suprabranquial é altamente vascular e permite que o animal receba oxigênio diretamente do meio ambiente. Tanto os fisóstomos quanto os peixes com órgãos labirintos ofegam muito na superfície da água, mas isso é normal e pode ser explicado por sua fisiologia.

Alguns peixes respiram fora da água continuamente porque sua fisiologia assim permite.

Um peixe betta zangado.

Por que meus peixes abrem a boca na superfície?

Como duvidamos que você tenha um fisóstomo em seu aquário, podemos tranquilizá-lo caso se trate de um peixe-betta (Betta splendens). Nesses belos e comuns animais no âmbito da aquariofilia, a respiração superficial é útil e necessária, por isso não é um problema.

No entanto, se você tiver alguma outra espécie de peixe no aquário e ele apresentar esse comportamento, é hora de se preocupar. Mostraremos a você nas seções seguintes algumas das causas do evento fisiológico que estamos tratando aqui.

Falta de oxigênio dissolvido na água

A falta de oxigênio no tanque é a razão mais comum pela qual os peixes abrem a boca na superfície do tanque. Se a concentração de O2 não for suficiente na água, os membros do aquário tentarão retirá-lo do ambiente. Deixar de corrigir a situação nunca é uma opção, pois isso é indicativo de uma má qualidade geral do habitat dos peixes.

Antes de tomar qualquer decisão, você deve testar todos os parâmetros significativos da água (nitritos, nitratos, pH, amônia, salinidade e dureza) para ver se eles estão corretos. Caso contrário, será necessário fazer uma troca significativa da água e colocar soluções específicas no aquário para reverter a situação.

Depois de fixar os parâmetros da água, você pode obter um oxigenador específico para aquários.

Superlotação ou falta de espaço

Infelizmente, a superlotação é muito comum nos aquários dos tutores de primeira viagem. Em alguns casos, os vendedores querem vender o maior número possível de exemplares e, por desconhecimento ou interesse, recomendam muito menos espaço do que o necessário para os peixes adquiridos.

Por exemplo, peixes-betta precisam de pelo menos 10 litros para viver razoavelmente bem, mas geralmente são mantidos em aquários pequenos ou de plástico. Algo semelhante acontece com as goldfish ou peixinho-dourado (Carassius auratus), pois cada espécime requer 40 litros de água, nem mais nem menos. Em outras palavras, não se pode manter nenhuma espécie naqueles pequenos aquários redondos tão comuns.

Embora possa não parecer, em grandes aquários os peixes também abrem a boca superfície do tanque se houver muitos exemplares, independentemente do tamanho do espaço. Se a quantidade de litros mínimos por peixe não for respeitada, o oxigênio dissolvido na água diminui muito e os animais precisam recorrer à respiração superficial.

Temperaturas muito altas: um dos motivos pelos quais os peixes abrem a boca na superfície

Conforme indicado por sites governamentais, quanto mais alta a temperatura da água, menos oxigênio dissolvido ela retém. A 0º C a saturação de O2 (DO) é de 9,9 miligramas por litro. Por volta dos 35° C, essa concentração cai drasticamente, para cerca de 7 miligramas por litro. Embora a mudança pareça pequena, os peixes a percebem.

Embora seja verdade que a maioria dos peixes de água doce são referidos como “tropicais”, quase todos vivem bem em temperaturas que variam entre 24 e 26º C. O aumento da temperatura do aquário além desse limite pode causar esse comportamento de respiração superficial desnecessária. Para controlar esse valor, coloque um termostato do tanque.

O estresse em peixes pode se manifestar de várias maneiras.

Como você pôde ver, se os seus peixes abrem a boca na superfície do tanque, com certeza algo não está certo. Quer se trate de más condições de água, superlotação ou temperaturas excessivamente altas, esses eventos devem ser tratados antes que causem doenças mais sérias no animal. A única exceção a essa regra são os peixes-betta e os peixes da família Osphronemidae, pois é normal que eles respirem na superfície do aquário.

Pode interessar a você...
Peixe-betta dragon: habitat, características e cuidados
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Peixe-betta dragon: habitat, características e cuidados

O peixe-betta dragon é uma variedade da espécie Betta splendens, famosa no mundo dos aquários. Existem mais de 35 variedades no total.



  • Mendez‐Sanchez, J. F., & Burggren, W. W. (2019). Hypoxia‐induced developmental plasticity of larval growth, gill and labyrinth organ morphometrics in two anabantoid fish: The facultative air‐breather Siamese fighting fish (Betta splendens) and the obligate air‐breather the blue gourami (Trichopodus trichopterus). Journal of morphology, 280(2), 193-204.
  • Zamora, J. C., Miranda, A. P., Sevilla, M. V. Á., Peinado, C. L., & Gómez, J. B. La transposición didáctica del funcionamiento hidrostático de un órgano complejo: la vejiga natatoria de los peces. Didáctica de las Ciencias Experimentales y Sociales, (27).
  • Salguero Gavilanez, A. P., & Vargas Mesa, A. L. (2018). Extracción y utilización de diferentes niveles (2%, 4%, 6%) del colageno de la vejiga natatoria del bagre (B. panamensis) en salchicha de mariscos (Bachelor’s thesis, Escuela Superior Politécnica de Chimborazo).