Peixes de rio na atualidade

· agosto 12, 2018
Estas espécies de água doce estão ameaçadas em sua grande maioria, devido à poluição e à introdução de predadores não nativos no ecossistema espanhol.

Podemos confundir os peixes de mar com os peixes de rio, mas eles são espécies muito diferentes. Seus corpos apresentam diferentes metabolismos, principalmente no mecanismo de regulação entre seus fluidos corporais e a salinidade de seu habitat.

Algumas diferenças entre peixes de rio e peixes de mar

Uma espécie de água doce vive principalmente em ambientes de baixa salinidade, como lagos, rios, lagoas ou córregos. Seus tecidos são ricos em fósforo, magnésio e potássio e possuem maior concentração de sais que no ambiente externo.

Por causa de suas características, os peixes de rio não precisam beber água e absorvê-la através de sua pele. Como consequência, é uma carne muito macia ao nosso paladar.

Os peixes de água salgada, como o nome sugere, vivem em ambientes de alta salinidade, tais como mares e oceanos. Seu corpo é rico em sódio, cloro e iodo, mas registra uma menor concentração de sais. Estes peixes precisam beber uma boa quantidade de água para evitar a desidratação. Com isso, sua carne é mais forte e bem marcante para o paladar humano.

A situação atual dos peixes de rio autóctones da Espanha

Ao longo da história, a Espanha teve uma grande variedade de peixes de rio, entre os quais valiosas espécies fluviais nativas foram encontradas. No entanto, muitos espécimes ibéricos estão atualmente em risco de extinção. E todas as espécies fluviais estão vulneráveis com o avanço das grandes cidades.

Peixes de aquário

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, apenas cinco das mais de 40 espécies nativas da Espanha estão livres de ameaças. O especialista em ictiofauna da Universidade Complutense de Madrid, Dr. Benigno Elvira, alertou que quase todos os peixes ibéricos estão vulneráveis.

Além disso, o pesquisador destaca a importância de entender esse problema em sua real intensidade.

Ele explica que é um fenômeno global que ameaça seriamente a sobrevivência da fauna nativa para todos os continentes.

De fato, deve deixar de ser abordada como uma possibilidade futura, pois exige soluções urgentes no presente.

Portanto, um maior envolvimento por parte da sociedade, do governo e de todos os setores sociais afetados é necessário.

Causas associadas à alta mortalidade de peixes de rio na Espanha

A principal causa é a degradação do seu habitat natural. A maioria dos rios espanhóis sofre contaminação ou fragmentação por regulamentação ou obras. De fato, estima-se que nenhum curso fluvial permaneça absolutamente preservado em toda a Europa.

No entanto, a introdução de animais predadores não nativos também teve um impacto negativo na conservação dessas espécies.

Atualmente, estima-se que existam mais de 25 espécies exóticas em rios espanhóis, incluindo carpas orientais e o peixe-lua.

Infelizmente, ainda há poucos peixes de rio que estão protegidos por lei na Espanha. Além disso, a educação ambiental caminha muito lentamente, se comparada aos danos diários sofridos pelos ecossistemas e variedades de espécies.

Peixes de rio

Além disso, falta medidas efetivas de controle e sanções para empresas e indivíduos que adotam práticas ruins em suas atividades. Tudo isso abre espaço para uma enorme depredação direta ou indireta da fauna fluvial.

Há alternativas para recuperar a fauna fluvial espanhola?

Há alternativas para recuperar parte dos danos já existentes no ecossistema fluvial.

Uma das opções mais viáveis ​​é a recuperação de bancos e rios através da restauração de seus fluxos. No entanto, eles quase sempre podem exigir um alto investimento, como a limitação de certas atividades econômicas.

A situação é complexa quando se lida com a questão das espécies exóticas. Além de ser difícil erradicar certas espécies no meio aquático, enfrentamos problemas biológicos e éticos.

É necessário fazer algumas perguntas, tais como:

  • É justo exterminar certos peixes para salvar outros?
  • A eliminação dessas espécies exóticas também causa alguns problemas para os peixes nativos?

Por último, mas não menos importante, devemos destacar a escassez de água em muitos rios espanhóis. Atualmente, muitos cursos fluviais nem sequer cumprem um fluxo contínuo de água. Por exemplo, este é o caso de Yeltes, em Salamanca. E esse fenômeno também ameaça severamente a sobrevivência dos peixes de rio.

Portanto, temos alternativas para proteger e recuperar certos peixes autóctones de rios da Espanha. Mas isso requer medidas sérias e urgentes, cujo cumprimento deve ser devidamente monitorado.

Além disso, essas espécies dependem da conscientização e compromisso da sociedade, dos órgãos governamentais e das empresas oficiais.