Pinguim-de-magalhães: habitat e características

Os filhotes de um pinguim-de-magalhães são incapazes de regular sua própria temperatura. É por isso que os pais ficam em cima deles, para mantê-los aquecidos com o próprio corpo. Você quer saber mais sobre esses animais?
Pinguim-de-magalhães: habitat e características

Última atualização: 14 Agosto, 2021

O pinguim-de-magalhães é uma ave marinha que se caracteriza pela tendência de procurar climas quentes, podendo migrar para os encontrar. Assim como os outros pinguins, esse animal possui um corpo adaptado para ser eficiente na natação. Portanto, ele é capaz de mergulhar para encontrar comida ou nadar quilômetros para encontrar um cardume de peixes para se banquetear.

Formalmente, o nome científico desta espécie é Spheniscus magellanicus. Essa ave pertence à ordem Sphenisciformes, que agrupa as espécies incapazes de voar, mas que apresentam uma forma hidrodinâmica surpreendente para nadar. Continue lendo para aprender mais sobre ela.

Habitat do pinguim-de-magalhães

A espécie que vamos abordar aqui estão distribuídas ao longo das costas da América do Sul, incluindo Chile, Argentina e Ilhas Malvinas. Acredita-se que o local com maior população dessa ave seja no Estreito de Magalhães, por isso seu nome, embora ainda faltem informações que confirmem essa consideração.

Esses organismos preferem temperaturas quentes, portanto, algumas populações podem migrar para os trópicos durante o inverno. Além disso, eles tendem a passar a maior parte de suas vidas em águas rasas, ao largo da costa. No entanto, na época de nidificação essas aves se dirigem à orla, em busca de arbustos e criando tocas para poderem depositar seus filhotes.

 

Um grupo de pinguim-de-magalhães.

Como é o pinguim-de-magalhães?

Esse pinguim pode atingir 70 centímetros de altura e pesar 5 quilos em média. Além disso, o corpo desse animal é adaptado para a natação, pois possui um formato hidrodinâmico e impermeável. Por esse motivo, sua aparência é alongada e alargada no centro (fusiforme), com membros curtos próximos ao corpo.

Essa ave tem uma coloração característica, com dorso preto, mas peito e abdômen brancos. Sua cabeça também é preta, com uma linha branca que começa na parte superior dos olhos e desce até se fechar no pescoço. Além disso, seu ventre apresenta outra margem branca, que delimita e separa a parte branca da preta.

Comportamento

Como a maioria dos pinguins, esses animais são especialistas em mergulhar no oceano para obter seu alimento. Sua vida é principalmente aquática, mas habitam a terra por curtos períodos, quando estão na época reprodutiva. Eles fazem isso para construir um ninho, que pode proteger e abrigar os filhotes à medida que se desenvolvem.

Além disso, é importante destacar que essa ave exibe cuidados parentais, uma vez que os pais são bastante protetores. Na verdade, já foram observadas situações em que eles lutam para proteger a ninhada ou para conseguir o melhor território para seus filhotes. Todos os espécimes de uma população se concentram no mesmo litoral, o que torna comum esse tipo de lutas. Para eles, a escolha do local é fundamental, pois a sobrevivência de seus filhotes depende disso.

O que o pinguim-de-magalhães come?

Esse animal é considerado um organismo piscívoro e sua comida favorita consiste em uma variedade de peixes pelágicos. A maioria dos exemplares se alimenta de anchovas, lulas, espadilhas ou peixes-bruxa, embora tenham uma grande variedade de presas, pois podem chegar aos 76,2 metros de profundidade para caçar.

Na verdade, esse pinguim é considerado um organismo não seletivo com sua alimentação, pois tudo o que procura é uma área onde haja abundância de peixes. Essa situação pode representar um perigo para a espécie, uma vez que acarreta conflitos com as indústrias pesqueiras locais, ao coincidir com os locais de pesca.

Cortejo e reprodução

Essa espécie é ovípara e monogâmica, por isso seleciona um parceiro para toda a sua vida. Embora essa relação possa ser mantida por um longo tempo, é possível que espécimes adultos troquem de parceiros, mas isso não é comum.

Conquistando a fêmea

Para se reproduzir, o macho deve primeiro atrair a fêmea por meio de vocalizações, que são semelhantes ao zurro de um burro. Assim que capta sua atenção, o pretendente anda em círculos ao redor da parceira, ato que termina com “tapinhas” para formalizar o vínculo.

Apesar disso, o pinguim-de-magalhães pode lutar para disputar a fêmea e o ninho, e o perdedor naturalmente terá que abrir mão deles. Contudo, na maioria das lutas o casal original vence os competidores, por isso não é comum que exista essa troca de pares.

Seleção do ninho

Quando o casal se estabelece, os dois espécimes procuram um local para construir o ninho. Para isso, pai e mãe selecionam áreas próximas ao litoral, onde há arbustos, lodo, argila e um pouco de areia. Além disso, se necessário, farão um pequeno buraco na areia, que servirá para colocar os ovos e incubá-los.

Como um grande número de pinguins chega à costa, cada ninho fica separado do outro por 1 ou 2 metros. No entanto, os casais devem proteger esses territórios, pois estão em competição constante pelo melhor local de nidificação. Por essa razão, os melhores ninhos são posse dos casais de indivíduos maiores.

Incubação e eclosão dos ovos

Os adultos chegam às costas de nidificação no início de setembro, onde depositam seus ovos no final de outubro. Nesse momento, as fêmeas colocarão 2 ovos, um maior que o outro, e passarão cerca de 40 dias os incubando.

Ambos os pais participam desse processo, revezando-se no cuidado e na proteção do ninho. Assim, enquanto um sai para caçar e se alimentar, o outro fica para vigiar tudo.

Independência dos filhotes

Uma vez que o bebê tenha saído do ovo, ele ficará sob a tutela dos pais até que se torne independente. Portanto, nos próximos 24 a 29 dias, o filhote será alimentado diretamente pela boca dos pais, já que têm movimentos muito limitados.

Conforme os filhotes crescem, os pais diminuem os cuidados, passando mais tempo fora do ninho. Por isso, quando atingem 40 a 70 dias de idade, os filhotes já terão se desenvolvido o suficiente para deixar o ninho. Nessa fase ocorre a formação de grupos de pinguins jovens, também conhecidos como “creches”.

O pinguim-de-magalhães e seu estado de conservação

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, essa ave é classificada como uma espécie quase ameaçada. Isso ocorre porque sua população está flutuando em várias áreas, então não se sabe com certeza se existe algum risco crítico.

No entanto, alguns governos locais, como o Chile, consideram que o risco da espécie é baixo, o que justifica a tomada de certas ações. Por esse motivo, foi decretada a proibição do extrativismo e criadas áreas marinhas costeiras protegidas, nas quais se prioriza o cuidado com as áreas de nidificação.

Principais ameaças

Os principais perigos que essa espécie enfrenta são a pesca e as atividades petrolíferas. Isso se deve ao fato de que as primeiras diminuem sua disponibilidade de alimentos, além de causar a morte por capturar espécimes por engano. A segunda se refere à poluição de seu habitat, uma vez que derramamentos de óleo prejudicam a saúde desses animais e do ecossistema.

 

Um pinguim-de-magalhães na grama.

Os pinguins são uma das espécies mais carismáticas que existem: as suas características físicas os obrigam a andar de uma forma divertida, o que faz com que sejam amados por muitos. Além disso, eles geralmente são um dos melhores pais na natureza, uma função que nem sempre se observa em outros animais. Eles são gordinhos, bonitos e carismáticos, então não se poderia pedir mais nada!

Pode interessar a você...
6 curiosidades do pinguim-de-penacho-amarelo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
6 curiosidades do pinguim-de-penacho-amarelo

Embora conheçamos a aparência dos pinguins, alguns têm características curiosas notáveis, como o pinguim-de-penacho-amarelo. Descubra!



  • Brandão, M. L., Braga, K. M., & Luque, J. L. (2011). Marine debris ingestion by Magellanic penguins, Spheniscus magellanicus (Aves: Sphenisciformes), from the Brazilian coastal zone. Marine pollution bulletin62(10), 2246-2249.
  • Frere, E., Gandini, P. A., & Boersma, D. P. (1996). Aspectos particulares de la biología de reproducción y tendencia poblacional del pingüino de Magallanes (Spheniscus magellanicus) en la colonia de Cabo Vírgenes, Santa Cruz, Argentina.
  • Gosztonyi, A. E. (1984). La alimentación del Pingüino magallánico (Spheniscus magellanicus) en las adyacencias de Punta Tombo, Chubut, Argentina. Centro Nacional Patagónico-CONICET.
  • Boersma, P. D., Stokes, D. L., Yorio, P. M., Davis, L., & Darby, J. (1990). Reproductive variability and historical change of Magellanic Penguins (Spheniscus magellanicus) at Punta Tombo, Argentina. Penguin biology7, 15-44.
  • Miranda, M., Gibbons, J., Cárcamo, J., & Vilina, Y. A. (2009). Hábitat reproductivo y estimación del tamano poblacional del pingüino de Magallanes (Spheniscus magellanicus) en isla Rupert, Parque Marino Francisco Coloane, Estrecho de Magallanes. In Anales del Instituto de la Patagonia (Vol. 37, No. 1, pp. 103-111). Universidad de Magallanes.
  • Boersma Dee, P., Garcia Borboroglu, J. P., Frere, E., Kane, O., Pozzi, L. M., Putz, K., … & Yorio, P. M. (2015). Pinguino de Magallanes (Spheniscus magellanicus).
  • Rozzi, R. I. C. A. R. D. O., Armesto, J. J., Correa, A. L. E. J. A. N. D. R. O., Torres-Mura, J. C., & Sallaberry, M. (1996). Avifauna de bosques primarios templados en islas deshabitadas del archipiélago de Chiloé, Chile. Revista Chilena de Historia Natural69, 125-139.