O pinguim-fada, o menor do mundo

setembro 12, 2019
Viajaremos para terras austrais para conhecer o pinguim-fada, um animal pequeno e amigável.

Nas costas da Nova Zelândia e da Austrália podemos ver o pinguim-fada, considerado a menor espécie de pinguim conhecido. Se você quiser saber mais sobre esta espécie, não deixe de ler o que vem a seguir.

Classificação do pinguim-fada

Essa espécie foi descrita pela primeira vez em 1781 pelo naturalista Johann Reinhold Forster, que lhe deu o nome científico pelo qual é conhecido atualmente: Eudyptula minor. 

Várias subespécies são conhecidas atualmente, embora sua classificação definitiva esteja longe de ser determinada.

Eles são chamados de pinguim-fada na Austrália devido ao seu pequeno tamanho. O nome do pinguim-azul vem da Nova Zelândia, onde eles também são chamados pelo seu nome em maori, ko rorā.

Características gerais e comportamento

É claro que o que mais se destaca nesses animais é a cor azulada de sua plumagem. Esta plumagem é aquela que cobre seu corpo de pequenas dimensões, que geralmente não excede 40 centímetros de altura e um quilo de peso.

Classificação do pinguim-fada

Seu parente, o pinguim-imperador, tem uma altura que excede 1 metro, o que mostra que, sem dúvida, esses pinguins recebem bem o título de “os menores do mundo”.

A cor azulada cobre a maior parte da cabeça e a parte de trás do corpo. As barbatanas, um vestígio alado que os pinguins “transformaram” em estruturas adaptadas para a natação, também são azuladas. A área que vai do queixo até as pernas é acinzentada ou esbranquiçada.

Ao contrário da maioria dos pinguinsesses animais são noturnos. Eles geralmente vivem em grandes colônias, onde vários casais se agrupam com seus respectivos ninhos. Durante o dia, eles se dedicam a se alimentar, depois voltam para o ninho ao anoitecer e alimentam seus filhotes.

Reprodução e dieta do pinguim-fada

A maturidade sexual desses animais é atingida em torno de três ou quatro anos, e o período de acasalamento ocorre entre os meses de agosto e setembro. Para garantir a prole, os pinguins-azuis escolhem um par com o qual permanecerão durante o acasalamento e a eclosão dos ovos. 

Os ninhos costumam ficar localizados perto da costa e geralmente abrigam alguns ovos, que eclodem dentro de 36 dias após a incubação.

Reprodução e dieta do pinguim-fada

A dieta do pinguim-fada é reduzida em quantidade devido ao seu pequeno tamanho. Geralmente, eles consomem peixes (anchovas ou sardinhas), pequenos cefalópodes e crustáceos. 

Para obter este alimento, eles ficam perto da costa, embora também recorram ao mergulho, se for necessário.

Distribuição e conservação

Este animal está amplamente distribuído pelas costas australianas e neozelandesas. Ao longo dessas costas, o tamanho e a coloração do pinguim-fada podem variar, embora sejam da mesma espécie.

Há algumas aparições de espécimes em algumas ilhas do Chile e na costa da África do Sul, e especula-se que possam existir populações ainda não descobertas.

Atualmente eles estão fora de perigo em termos de conservação. A IUCN os classificou como ‘menor preocupação’, mas isso não significa que eles não estejam expostos a riscos.

Por exemplo, as colônias que estão próximas a populações humanas são mais propensas a serem predadas ou a desaparecer devido à redução do habitat. Da mesma forma, a poluição dos mares por derramamento de óleo e plásticos constitui um sério perigo para estes animais.

  • Dann, P., CARRON, M., CHAMBERS, B., CHAMBERS, L., DORNOM, T., MCLAUGHLIN, A., … & UNTHANK, S. (2005). Longevity in little penguins Eudyptula minor. Marine Ornithology33, 71-72.
  • Numata, M., Davis, L. S., & Renner, M. (2000). Prolonged foraging trips and egg desertion in little penguins (Eudyptula minor). New Zealand Journal of Zoology27(4), 277-289.
  • Hocken, A. G. (2000). Cause of death in blue penguins (Eudyptula m. minor) in North Otago, New Zealand. New Zealand Journal of Zoology27(4), 305-309.