Plano de vacinação para filhotes: tudo o que você precisa de saber

Lembre-se de que se você pretende sair do país e levar o seu cão, deve verificar que tipo de vacinas necessita para poder viajar. Essas doses geralmente são adicionais ao calendário de vacinação do seu filhote, embora você deva sempre consultar o veterinário primeiro.
Plano de vacinação para filhotes: tudo o que você precisa de saber

Última atualização: 10 abril, 2022

A vacinação é um processo fundamental para manter a saúde dos filhotes, por isso é sempre bom conhecer a fundo seu plano geral. Isso possibilita evitar várias doenças mortais e obter proteção a longo prazo do animal de estimação. A partir de outra perspectiva, as vacinas são, na verdade, reforços do sistema imunológico que o tornam mais forte.

Embora os filhotes recebam os primeiros anticorpos de suas mães, eles não duram por toda a vida. Portanto, é necessário ter um esquema de vacinação que os proteja contra diversas patologias. Continue lendo e descubra tudo o que você precisa saber sobre o plano de vacinação desses pequenos.

O que são as vacinas?

As vacinas são substâncias que estimulam a produção de anticorpos. Essas moléculas pertencem às primeiras defesas do sistema imunológico. Portanto, sem elas o corpo não seria capaz de lutar contra os patógenos. Assim, a vacinação permite que o metabolismo resista a várias “invasões” e responda eficientemente para eliminá-las.

Tipos de vacinas

Existem vários tipos de vacinas que produzem a imunidade do organismo através de diferentes mecanismos. Cada uma varia em eficácia, segurança, via de administração e duração, embora todas sejam perfeitas para gerar proteção para o filhote. Em geral, elas podem ser classificadas da seguinte forma:

  • Imunogênios ativos: são vacinas que contêm o mesmo agente patogênico que causa a doença, só que sua atividade é parcialmente reduzida ou “inativada”. Isso causa uma infecção muito leve que permite que o corpo construa imunidade.
  • Imunogênios inativados: nesse tipo de vacina também é utilizado o agente causal, mas completamente inativado (praticamente “morto”). Com isso, o sistema imunológico consegue reconhecer o patógeno sem ter que sofrer com a doença.
  • Vacinas de subunidades: para produzi-las, o agente patogênico é dividido em diferentes partes individuais, embora apenas as que geram imunidade sejam mantidas. Estes podem ser desde capsídeos até paredes celulares, tudo depende do tipo de doença.
  • Vacinas recombinantes: novas tecnologias genômicas permitem a produção artificial de certas seções do patógeno, que são injetadas na amostra para que o sistema imunológico as reconheça.
O calendário de vacinação em animais é vital.

O leite materno não protege os filhotes?

Os filhotes nascem sem um sistema imunológico pronto para defendê-los, por isso são muito suscetíveis durante os primeiros dias de vida. De fato, estima-se que a taxa de mortalidade de um recém-nascido seja em torno de 20%, mas mais de 75% das mortes ocorrem nas primeiras 3 semanas de vida.

A natureza desenvolveu diferentes mecanismos para evitar que os filhotes morram prematuramente. Um deles é o colostro que as mães produzem durante os dois dias seguintes ao parto. Esse “leite” é na verdade um líquido com grande quantidade de nutrientes e imunoglobulinas, que se tornam as primeiras moléculas de defesa do filhote.

O único problema é que a mãe só poderá proteger seus filhotes por alguns meses. Assim, é necessário começar a preparar o sistema imunitário dos pequenos para que possam se defender, o que se consegue através de um calendário de vacinação adequado.

Como é o plano de vacinação para um filhote?

O plano de vacinação para filhotes pode variar em cada país, pois é provável que certas patologias tenham maior ou menor incidência na área. Por esse motivo, é sempre melhor procurar um veterinário para saber quais são as vacinas necessárias para o seu animal de estimação. Como exemplo, o calendário geral do seu cão pode ser o seguinte:

  • 5-6 semanas de idade: primeira dose da vacina contra o parvovírus.
  • 8-10 semanas de vida: administração da chamada vacina polivalente que contém as primeiras doses específicas para combater a cinomose, adenovírus tipo 2, hepatite infecciosa C e leptospirose, e a segunda dose de parvovirose.
  • 11-13 semanas de vida: repete-se a vacina polivalente para a segunda dose de cinomose, adenovírus tipo 2, hepatite C infecciosa e leptospirose, e a terceira dose de parvovirose. A vacinação contra a raiva (essencial em alguns países) também pode ser administrada.
  • 14-16 semanas de idade: reforço da vacina polivalente para terceira dose de cinomose, adenovírus tipo 2 e hepatite C infecciosa e quarta dose de parvovirose.
  • Primeiro ano de idade: aplica-se mais um reforço da vacina polivalente e em alguns casos também uma dose para raiva.
  • Aplicação em caso de exposição (opcional): contra pneumonia por Bordetella bronchiseptica e parainfluenza, em dose única intranasal.
  • Aplicação anual: somente para raiva, leptospirose e vacinas opcionais.
  • A cada 3 anos: administração de reforço polivalente.

Quantas vezes devo vacinar meu filhote por ano?

No primeiro ano de vida você deve vacinar seu pet pelo menos 5 vezes, 4 vezes antes dos 6 meses e 1 vez quando ele completar 1 ano. Observe que essa recomendação pode variar dependendo da área em que você reside. Isso ocorre porque algumas vacinas, como a da raiva, podem ser administradas mais cedo, gerando visitas adicionais ao veterinário.

De qualquer forma, é melhor procurar um profissional de saúde animal para se informar completamente sobre o plano de vacinação dos filhotes. Alguns países possuem legislação que torna obrigatória a aplicação de vacinas adicionais, por isso é necessário estar informado sobre a situação.

Existe alguma indicação adicional?

Para vacinar seu animal de estimação, você não deve seguir nenhuma instrução adicional. Claro, tudo o que você precisa fazer é verificar se o animal está em excelente saúde antes de aplicar a vacina. Algumas patologias como o parasitismo podem reduzir a eficácia do processo de vacinação. Por isso, é melhor levar o animal a um veterinário antes para uma revisão geral.

Existem efeitos colaterais?

O plano de vacinação é essencial para a vida dos filhotes, pois permite evitar diversas patologias letais. No entanto, as vacinas não estão isentas de reações secundárias indesejáveis. Embora esses problemas sejam bastante raros, é necessário estar atento a eles por precaução. Entre os sintomas mais frequentes estão os seguintes:

  • Inchaço no local da injeção.
  • Perda de pelo no local da injeção.
  • Coceira no local da injeção.
  • Aparecimento de vergões.
  • Diarreia.
  • Vômito.
  • Convulsões (sinal de alerta).
  • Artrite.
  • Apatia.
  • Respiração ofegante (sinal de alerta).
  • Respiração forçada (sinal de alerta).
Qual é a vacina quíntupla para cães?

Apesar dos efeitos colaterais que existem, o plano de vacinação pode significar a diferença entre a vida e a morte dos filhotes. Não deixe de vacinar seu pet só por medo. As reações adversas podem ser facilmente controladas, mas o mesmo não pode ser dito sobre as doenças para as quais as vacinas foram criadas.

Pode interessar a você...
Quais são as vacinas que o seu cachorro deve tomar?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Quais são as vacinas que o seu cachorro deve tomar?

A vacinação dos cães pode prevenir o aparecimento de doenças muito graves. Confira a seguir as vacinas que o seu cachorro deve tomar!



  • Mila, H., Grellet, A., Delebarre, M., Mariani, C., Feugier, A., & Chastant-Maillard, S. (2017). Monitoring of the newborn dog and prediction of neonatal mortality. Preventive Veterinary Medicine, 143, 11-20.
  • Cossío, T. L. I., Bobadilla, J. A., Alcántara, F. J. B., Guerrero, J., & de Morais, H. A. (2017) Guías de Vacunación para perros y gatos Parte 1 COLAVAC-FIAVAC-México. Recuperado el 27 de enero de 2022, disponible en: http://www.fiavac.org/pdf/guias_mexico.pdf
  • Cossío, T. L. I., Bobadilla, J. A., Alcántara, F. J. B., Guerrero, J., & de Morais, H. A. (2017) Guías de Vacunación para perros y gatos Parte 2 COLAVAC-FIAVAC-México. Recuperado el 27 de enero de 2022, disponible en: https://www.vanguardiaveterinaria.com.mx/guias-de-vacunacion-colavac-fiavac