Por que falamos com cães e gatos como se fossem bebês?

Você fala com seu gato como se fosse uma criança? Bem, seu instinto está certo: ele te entende melhor assim.
Por que falamos com cães e gatos como se fossem bebês?
Sara González Juárez

Escrito e verificado por a psicóloga Sara González Juárez.

Última atualização: 18 maio, 2023

Às vezes falamos com cães e gatos como se fossem bebês e imediatamente olhamos em volta com medo de olhares reprovadores. Bem, é hora de perder essa vergonha, porque esse tom tem uma função comunicativa útil para os animais de estimação.

Como os animais não entendem a linguagem verbal como a nossa espécie, temos que inventar uma forma de nos comunicarmos com eles a partir de suas habilidades e das nossas. Veremos como nós humanos conseguimos nos fazer entender com essas vozes agudas.

Baby talkpet talk

O reencontro de um gato e seu tutor.

Esses dois conceitos referem-se àquele tipo de tom e cadência na fala que adotamos automaticamente quando nos dirigimos a crianças pequenas. Quando esse estilo de fala é usado para animais, é chamado de pet talk (ou Pet-Directed Speech, PDS) em vez de baby talk. No entanto, ambos têm características comuns, como as seguintes:

  • Ritmo desacelerado.
  • Tom de voz mais alto.
  • Uso de frases simples e curtas.
  • Repetição de palavras.
  • Uso de diminutivos.
  • Uso de linguagem não verbal para acompanhar a mensagem.

Como você pode ver, esse tipo de fala incorpora muitos elementos não verbais e se concentra, mais do que no significado, no som das próprias palavras. No bebê, isso tem um objetivo claro: chamar a atenção e familiarizá-lo com a linguagem verbal por meio da associação de sons e elementos do mundo real.

Mas de que adianta falar com cachorros e gatos como se fossem bebês? Bem, mesmo que isso seja uma surpresa para você, a utilidade disso é muito semelhante ao caso dos humanos, guardadas as diferenças. Vamos ver mais detalhes.

Por que falamos com cães e gatos como falaríamos com um bebê?

Os animais são sensíveis à prosódia da linguagem, ou seja, ao tom, ao volume e ao ritmo da pronúncia. Num nível básico de comunicação, a voz é uma forma de expressão emocional que envia uma mensagem clara para outros indivíduos no espaço em que o indivíduo se encontra. Um pássaro voará para longe se você der um grito, por exemplo, mesmo que não esteja imitando as vocalizações de sua espécie.

Essa capacidade, já inata nos animais que contam com o sentido da audição, foi se delineando em cães e gatos durante longos anos de domesticação. Portanto, estamos diante das duas espécies mais sensíveis ao tom emocional implícito na fala humana.

A chamada de atenção

No pet talk, destaca-se sobretudo o tom agudo usado ao se dirigir aos animais que convivem conosco. E é que, como aponta um estudo publicado na revista Nature, esse tipo de fala é mais eficiente na hora de atrair a atenção dos cachorros do que aquele que utilizamos ao falar com adultos.

Essa prosódia exagerada seria a chave para transformar a vocalização que o cachorro ouve em um sinal facilmente reconhecível.

Expressão emocional quando falamos com cães e gatos como bebês

A capacidade de reconhecer emoções em animais de companhia também tem sido amplamente estudada. Estudos apoiam que caninos e felinos são capazes de conhecer o humor de seus humanos por meio de sua voz e expressão facial.

Assim, o PDS trabalha não só para que eles virem a cabeça e olhem para nós, mas também para expressar a eles o que sentimos quando conversamos com eles. Dessa forma, o tom agudo e a pronúncia exagerada facilitariam o reconhecimento de palavras carinhosas e a intenção de socializar com eles de forma positiva.

Que benefícios traz falar com os animais dessa maneira?

De acordo com um estudo, os gatos memorizam rostos.
De acordo com um estudo, os gatos memorizam rostos.

Quando você está lidando com indivíduos, humanos ou não, que não falam a sua língua, o único recurso que resta é o não verbal. A nossa espécie, tão ligada às palavras, por vezes desconhece o enorme efeito que os gestos e a voz têm na transmissão da informação.

Você não pode enganar seu cachorro ou seu gato justamente por causa dessa capacidade que eles têm de ler você. Mas, na verdade, isso é uma vantagem: mostrar a eles, de uma forma adaptada à sua comunicação, que você os ama, só fortalecerá seu vínculo. O pet talk é uma forma inconfundível de transmitir afeto e estabelecer uma forma de comunicação eficaz e limpa.

A única precaução que devemos ter ao falar com cães e gatos como bebês é não cair na antropomorfização, que consiste em atribuir processos mentais e emocionais humanos a outras espécies. Embora compartilhemos muitos deles, lembre-se de que nosso dever como cuidadores é aprender sobre os animais que acolhemos, atribuindo-lhes as características que merecem.

Acima de tudo, não hesite em demonstrar carinho aos animais. Faça isso de maneira que eles entendam porque não há linguagens mais universais do que o respeito e o amor.

Pode interessar a você...
6 cuidados especiais para animais de estimação idosos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
6 cuidados especiais para animais de estimação idosos

Assim como as pessoas idosas, os animais de estimação idosos precisam de atenção e de uma série de cuidados específicos. Veja algumas dicas!


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Albuquerque, N., Mills, DS, Guo, K., Wilkinson, A. y Resende, B. (2022). Los perros pueden inferir información implícita de las expresiones emocionales humanas. Cognición animal , 25 (2), 231-240.
  • Burnham, D., Kitamura, C., & Vollmer-Conna, U. (2002). What’s new, pussycat? On talking to babies and animals. Science296(5572), 1435-1435.
  • Lansade, L., Trösch, M., Parias, C., Blanchard, A., Gorosurreta, E., & Calandreau, L. (2021). Horses are sensitive to baby talk: Pet-directed speech facilitates communication with humans in a pointing task and during grooming. Animal Cognition24, 999-1006.
  • Jeannin, S., Gilbert, C., Amy, M., & Leboucher, G. (2017). Pet-directed speech draws adult dogs’ attention more efficiently than Adult-directed speech. Scientific reports7(1), 4980.

Os conteúdos de Meus Animais servem para fins informativos. Não substituem o diagnóstico, o aconselhamento ou o tratamento de um profissional. Em caso de dúvida, é recomendável consultar um especialista de confiança.