Por que os gatos têm bigodes nas patas dianteiras?

março 24, 2020
Você sabia que os gatos têm bigodes na parte posterior das patas dianteiras? Dê uma olhada: eles são chamados de vibrissas carpianas e fazem parte do seu sexto sentido.

Você está surpreso? Os gatos têm bigodes nas patas dianteiras e é possível que, até hoje, você não tenha notado. Se você nunca reparou neles antes, olhe para o seu gato agora: você notará que eles são exatamente iguais aos das sobrancelhas e do queixo. Os bigodes crescem na parte posterior das patas, ao redor do quinto dedo.

Anatomia do bigode

Todos os bigodes são conhecidos pelo termo técnico de vibrissas. Os bigodes localizados nas patas do gato são chamados de vibrissas carpianas.

Primeiramente, é necessário notar que os bigodes não são pelos comuns. Sob a pele, os seus folículos pilosos se diferenciam dos pelos comuns do gato, tanto na sua estrutura quanto na sua função.

Eles têm uma textura muito mais rígida e estão inseridos no corpo do gato de forma mais profunda do que os pelos comuns. Uma característica particular dos bigodes das patas é que eles são incrivelmente sensíveis; eles são altamente enervados e irrigados pelo sangue. Por esse motivo, o mais leve contato com esses bigodes já envia informações sobre o ambiente para o cérebro.

Os bigodes dos gatos

Por que os gatos têm bigodes nas patas?

Vamos lembrar primeiramente o que são os bigodes e qual é a sua função. Os bigodes são pelos grossos que crescem dentro de uma célula sensorial e cuja principal função é detectar movimentos. Eles são muito bons nisso.  

Os bigodes faciais são tão sensíveis que podem detectar até mesmo pequenas correntes de ar; eles funcionam como radares. Assim, esses bigodes ajudam os gatos a caçar, a se orientar e a antecipar movimentos.

No entanto, os bigodes que os gatos têm nas patas não têm a função de calcular o espaço pelo qual eles estão prestes a passar, uma vez que essa é a função dos bigodes do rosto.

Os bigodes das patas dianteiras ajudam a calcular a posição das suas presas. Assim, eles são importantes para os gatos para que eles possam capturar e manter a sua ‘vítima’ presa.

Alguns estudos sobre os bigodes carpianos sugerem que eles atuam no ajuste da rigidez das patas, antecipando assim os passos a serem dados, de acordo com as diferentes superfícies encontradas, uma função interessante que está sendo aplicada na locomoção robótica.

Os bigodes nas pastas são vestígios de uma vida selvagem. Embora os gatos domésticos atualmente não precisem caçar a sua comida, muitos deles ainda fazem isso por opção.

As vibrissas carpianas, elementos-chave para o sexto sentido felino

Vale a pena lembrar que os gatos não enxergam tão nitidamente de perto, o que significa que, quando um gato está incrivelmente próximo de algo, como uma presa, por exemplo, ele não será capaz de ver os seus pequenos movimentos.

Sem dúvida, nessas circunstâncias, a percepção pode fazer a diferença entre uma captura bem-sucedida e voltar para casa com fome. Os bigodes carpianos ajudam a compensar a visão felina.

Gato perseguindo rato

Os gatos têm bigodes porque precisam deles: nunca os corte!

Um erro comum é presumir que os bigodes dos gatos devem ser aparados. Alguns gatos, como o cornish rex, por exemplo, têm os bigodes do rosto encaracolados, de modo que algum dono poderia pensar que não seria prejudicial endireitá-los com um pequeno corte. Mas isso não é verdade!

Os bigodes de um gato nunca devem ser cortados. Sem os pelos táteis, os gatos ficam muito desorientados e assustados.

Em suma, os bigodes permitem que os gatos possam medir e compreender o ambiente ao seu redor. Os gatos precisam que os seus bigodes permaneçam intactos, pois eles os usam da mesma maneira que nós usamos os receptores táteis nas pontas dos dedos para apalpar objetos no escuro e, assim, ficarmos alertas quanto a situações potencialmente dolorosas.

  • Ahl, A. S. (1986). The role of vibrissae in behavior: a status review. Veterinary research communications, 10(1), 245-268.
  • Nilsson, B. Y., & Skoglund, C. R. (1965). The tactile hairs on the cat’s foreleg. Acta Physiologica Scandinavica, 65(4), 364-369.
  • Helbig, T., Voges, D., Niederschuh, S., Schmidt, M., & Witte, H. (2014, July). Characterizing the Substrate Contact of Carpal Vibrissae of Rats during Locomotion. In Biomimetic and Biohybrid Systems: Third International Conference, Living Machines 2014, Milan, Italy, Proceedings (Vol. 8608, p. 399). Springer.
  • Schmidt, M., Witte, H., Zimmermann, K., Niederschuh, S., Helbig, T., Voges, D., … & Steigenberger, J. (2014, September). Technical, non-visual characterization of substrate contact using carpal vibrissae as a biological model: an overview. In Proceedings of the 58th International Scientific Colloquium.