Qual quantidade de água meu cachorro precisa por dia?

Fornecer uma boa quantidade de água aos cães todos os dias de sua vida é vital, pois evita problemas de saúde que podem ser graves.
Qual quantidade de água meu cachorro precisa por dia?

Última atualização: 27 outubro, 2021

Embora a maioria dos tutores reconheça a importância do consumo de água pelos cães, não é tão fácil identificar a quantidade exata que eles devem beber. Neste artigo iremos explicar como calcular essa medida e garantir que o seu cão se mantenha bem hidratado, o que é essencial para a sua saúde.

A água é um nutriente muito simples, mas a sobrevivência de todos os seres vivos depende dela, pois é vital para que os processos bioquímicos primários ocorram de forma ideal. Esse líquido ajuda a regular a temperatura, ajuda a digerir e processar os alimentos, remove resíduos e lubrifica tecidos, entre outras coisas.

Qual é a quantidade de água que um cachorro deve beber por dia?

Não existe uma quantidade exata de água que os cães devam beber, pois a ideia é que tenham à disposição um recipiente com líquido fresco para que possam consumir quando quiserem. Porém, se houver necessidade de medir proporções, estima-se que o cão deva ter à sua disposição entre 60 e 70 mililitros de água para cada quilo de peso.

Contudo, essa medida pode variar em épocas como o verão, em que as condições climáticas vão levar o animal a beber mais água do que o normal. A quantidade também varia de acordo com o estilo de vida, especialmente se o seu cão for um espécime muito ativo fisicamente.

Quanta água um cachorro bebe por dia?

Como calcular a quantidade de água?

A maneira mais fácil de calcular a quantidade de água que os cães devem beber é analisando seu peso: são recomendados 60-70 mililitros por quilograma. No entanto, essa não é a única maneira de fazer uma estimativa aproximada.

Especialistas indicam que é possível identificar a quantidade de água necessária de acordo com a porção de ração consumida pelos cães, multiplicando o peso da ração seca por 2,5. O resultado é a quantidade de água que você deve fornecer. Por exemplo, se o seu peludo come 1 quilo de comida seca por dia, você deve oferecer a ele 2,5 litros de água.

Como saber se meu cachorro está desidratado?

Fornecer ao cão a quantidade de água recomendada não é garantia de que ele a consumirá. A maioria dos tutores só percebe que seu canídeo não tem bebido água quando o animal fica doente ou mostra sintomas de desidratação, incluindo os seguintes:

  • Focinho e gengivas secos: tanto o focinho como as gengivas dos cães devem permanecer úmidos. Portanto, quando essas áreas ficarem secas ou “pegajosas”, suspeite de uma possível desidratação. Você também deve observar a cor das gengivas (elas devem ser rosa, não vermelhas nem brancas).
  • Urina escura: um cão bem hidratado não terá urina escura ou turva, e o odor também não deve ser muito forte. Se você identificar que seus peludos urinam assim, será necessário descartar (além da desidratação) possíveis infecções.
  • Olhos fundos: esse é um sintoma que indica desidratação. Portanto, verifique os olhos do seu cão quando suspeitar que ele não está tomando água.
  • Perda de elasticidade da pele: assim como acontece com os humanos, a pele dos cães também reflete o nível de hidratação. Verifique essa condição beliscando suavemente as costas do animal. Se demorar para retornar à forma inicial, você pode suspeitar de desidratação.
  • Respiração acelerada: é um dos sintomas que mais preocupa os tutores. Ocorre quando a desidratação afeta o funcionamento orgânico do animal.

Não demore para levar seu cão ao veterinário quando perceber que ele parou de beber água e está doente. O ideal é identificar a causa da desidratação e fornecer cuidados profissionais ao cão antes de que sua vida possa ficar em perigo.

Doenças em cães causadas pela água

Até agora falamos sobre a quantidade de água adequada, mas o que acontece quando o cão ingere em excesso ou para de consumir líquidos completamente? É comum o tutor se preocupar ao perceber que o cão não bebe nenhum líquido, mas tende ficar calmo quando o animal bebe muito.

No entanto, é importante esclarecer que ambos os comportamentos podem ser um sinal de que algo está errado com a saúde do cão. Estas são algumas das doenças relacionadas a esses comportamentos:

  • Potomania: como o nome indica, esse distúrbio indica a necessidade de beber água. O consumo ocorre de forma compulsiva e excessiva. Pode ser causado por problemas mentais no cão ou, como sugerem as pesquisas, ser um sintoma de ansiedade de separação.
  • Polidipsia: a polidipsia é um estado de sede excessiva que ocorre por muito tempo. É comum em cães diabéticos ou intoxicados e é acompanhada de micção excessiva (poliúria).
  • Adipsia: é a ausência de consumo de água associada à falta de sinais de sede. Pode ser um sintoma de doenças graves, como hidrocefalia, defeitos congênitos, tumores no hipotálamo ou problemas cerebrovasculares.

Dicas para promover a ingestão de água em cães

Se o tutor perceber que o cão não está consumindo a quantidade de água que deveria, ele pode implementar algumas estratégias para motivar o animal a consumir líquidos. Nem tudo tem que ser água, já que é possível completar o percentual diário de hidratação com alguns alimentos como os seguintes:

  1. Frutas e vegetais: opções que apresentam um bom percentual de umidade são ideais, como cenoura, abóbora, maçã e mamão, entre outros.
  2. Ração úmida: dependendo da marca, esse suplemento alimentar terá em torno de 70% de água, o que ajudará a manter o animal hidratado enquanto se alimenta.

Além disso, busque o motivo pelo qual seu cão não gosta de beber água do recipiente. Pode ser que o material dê um gosto ruim ao líquido (algo que geralmente acontece com bebedouros de plástico). A água corrente também pode atrair mais a atenção do cão. Nesse caso, considere a possibilidade de instalar uma fonte ou bebedouro automático que renove a água constantemente.

Qual é a quantidade de água que você oferece ao seu cachorro?

Agora você sabe com mais certeza qual é a quantidade certa de água para os cães, podendo verificar se seu animal está bebendo a porção que deve consumir a cada dia. Caso contrário, experimente algumas das dicas que demos para estimulá-lo. Ao identificar sintomas de desidratação ou doença, consulte um profissional de saúde.

Por outro lado, lembre-se de que existem condições especiais que podem influenciar o animal de estimação a aumentar ou diminuir sua ingestão de água. Por exemplo, cadelas na fase da amamentação precisam de mais líquido, assim como cães em estágios de treinamento físico intenso.

A quantidade de água nos cães é essencial para o seu bem-estar.

Em qualquer caso, mantenha um ou dois bebedouros cheios com água doce disponível para que seu cão possa ter acesso ao líquido sempre que quiser. Em caso de dúvida se o cão está ou não consumindo a quantidade de água que deveria, monitore-o por alguns dias. Anote a quantidade de água que você oferece a ele e quanto ele consome por dia e, se achar necessário, mostre os dados ao veterinário.

Pode interessar a você...
Receita para cães: bolinhos de iogurte e manteiga de amendoim
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Receita para cães: bolinhos de iogurte e manteiga de amendoim

Você está procurando uma receita para cachorros? Seu cãozinho vai adorar esses bolinhos de iogurte e manteiga de amendoim! Confira a receita.



  • Camps, J. Agua, es imprescindible que los perros bebas ‘ad libitum’. El mundo del perro.
  • Requerimientos Nutricionales en Perros y Gatos.
  • Peñaranda, D. Ansiedad por separación en caninos llevado al lenguaje repertorial. Fundación Universitaria Escuela Colombiana de Medicina Homeopática Luis G. Páez. 2015.
  • Mª T. Verde Arr-ibas, Mª C. Marca Andrés, S. García Belenguer, J. Aznar Chicote, C. Aceña Fabián, R. Díez González. Síndrome poliuria-polidipsia: ¿Cómo abordaría el diagnóstico? Revista de AVEPA. Vol. 9, Nº 2-1989.