Quantos dentes os tubarões têm?

Os dentes de tubarão podem ser substituídos em apenas 24 horas, de forma que, ao longo de sua vida, um espécime produzirá centenas ou até milhares de cada dente.
Quantos dentes os tubarões têm?

Última atualização: 10 Outubro, 2021

O oceano é um dos ecossistemas com maior diversidade biológica, e suas características permitem a existência de animais gigantes. Nesse espaço, os tubarões exibem algumas das aparências mais ameaçadoras do mundo, devido à sua mandíbula feroz com dentes afiados. Esses peixes cartilaginosos são grandes predadores do mar. Portanto, seus dentes devem estar à altura de suas presas.

Os predadores devem estar adaptados para lidar com vários obstáculos, sendo o mais evidente a capacidade de sua mandíbula. Por isso, esses tubarões especializaram sua maquinaria dentária para se tornarem verdadeiros titãs da água. Não tente contar os dentes de um tubarão, é melhor continuar lendo para aprender mais sobre esse tema.

Como são os dentes dos tubarões?

A mandíbula e toda a estrutura corporal dos tubarões são formadas por cartilagem, necessária para melhorar sua flutuabilidade na água. Devido a isso, eles têm uma boa mobilidade, um diâmetro de abertura de boca larga e alta flexibilidade, fazendo com que sejam capazes de até mesmo projetar suas mandíbulas. Essas condições lhes conferem as características necessárias para serem excelentes predadores.

Os dentes de tubarão são de origem dérmica, o que significa que são criados a partir dos mesmos tecidos da pele. Isso porque esses peixes não têm mandíbula óssea, já que todo o seu esqueleto interno é feito de cartilagem, um material mais macio e leve. Como consequência, seus dentes são muito diferentes dos da maioria dos seres vivos.

Quando se diz que a pele e os dentes têm a mesma origem, não significa que a epiderme se transforma em dente. Em outras palavras, ambas as estruturas compartilham certos aspectos no nível celular, mas apenas isso. Essa característica é importante, pois para ela os dentes do tubarão são frágeis e tendem a se desprender com frequência, já que não há uma raiz para sustentar cada dente.

Um detalhe dos dentes do tubarão luminoso.
A mandíbula de um tubarão.

Como os dentes do tubarão estão organizados?

Os dentes dos tubarões se organizam em fileiras, uma seguida da outra, como se fossem “cercas” que vão de dentro para fora. É por essa razão que se observam aglomerados de “bicos” nas mandíbulas desses peixes: cada dente tem o seu substituto, que é gerado no interior de sua boca.

Quando um dente cai, aquele que está atrás dele toma o seu lugar.

A estrutura dentária desses organismos visa solucionar a perda contínua de dentes por meio das fileiras de reposição que substituem os anteriores. Apesar dos dentes frágeis, os tubarões conseguem permanecer no topo da cadeia trófica do oceano como predadores natos.

Tipos de dente

A maioria desses peixes cartilaginosos são heterodontes, o que significa que sua mandíbula contém diferentes tipos de dentes. Como os humanos, esses tubarões têm sua própria classificação dentária baseada na posição natural do dente dentro de sua boca:

  • Anteriores: estão em ambos os lados da mandíbula. São aqueles que seguem os sinfisiários.
  • Intermediários: geralmente ficam entre os dentes anteriores e posteriores.
  • Laterais: nem sempre estão presentes, mas encontram-se antes dos posteriores e são maiores que estes.
  • Posteriores: localizam-se após os intermediários ou laterais, sendo de menor tamanho.

Embora esses sejam os principais tipos de dentes, nem todos estão presentes nos diferentes tubarões. Além disso, é justamente essa diferença que permite que eles sejam identificados e agrupados. Além disso, como mencionado no início, nem todos são heterodontes, então também existem homodontes. Esta última característica está presente em animais filtradores, como o tubarão-baleia.

Heterodontia sexual?

Sim, é o que parece: em algumas espécies de tubarões, há uma diferença dentária entre machos e fêmeas. No entanto, isso ocorre apenas dentro da ordem Carcharhiniformes e é temporário, pois quando os espécimes ultrapassam um metro de comprimento, as diferenças são menos evidentes. Mesmo assim, esse mecanismo está presente em outros elasmobrânquios (como as arraias).

Em algumas espécies, a variedade de dentes depende do sexo do indivíduo.

Quantos dentes os tubarões têm?

A resposta para isso é complexa, pois cada grupo de tubarões contém uma modificação em sua estrutura dentária. Na verdade, essa diferença permite que os pesquisadores separem cada espécie em uma ordem diferente, dependendo do formato de sua mandíbula. Com base nesse parâmetro, é proposta a seguinte classificação:

  • Carcharhiniformes: tubarões heterodontes que geralmente não possuem dentes intermediários.
  • Hexanchiformes: também heterodontes com dentes médios reduzidos, enquanto os outros são bastante variáveis. Nessa ordem, os dentes anteriores e laterais estão ausentes, mas estão presentes alguns dentes com cúspides.
  • Pristiophoriformes: possuem dentes com variações ao longo da boca (heterodontes) e possuem peças intermediárias, anteriores e laterais.
  • Orectolobiformes: heterodontes com 5 a 6 fileiras de 49 a 54 dentes cada.
  • Squatiniformes: a forma de sua boca é ligeiramente maior que a de outros tubarões (e heterodonte). Além disso, os dentes anteriores e posteriores são reduzidos e não há intermediários.
  • Squaliformes: homodontes sem dentes intermediários, com anteriores e posteriores não muito longos.
  • Lamniformes: a maioria é heterodonte, com dentes anteriores aumentados e alguns intermediários que os separam dos posteriores.
  • Heterodontiformes: possuem dentes diferenciados em toda a boca (heterodontes) com pequenas cúspides nos anteriores, enquanto os posteriores são alargados e em forma de molar. Esses tubarões não têm dentes intermediários.

Exemplos de algumas espécies

Devido à grande diversidade que existe, muitos desses peixes cartilaginosos possuem diversas formas de dentição. Por esse motivo, você pode encontrar dentes serrilhados, planos, pontiagudos e até em formato de molares. Com isso em mente, alguns exemplos específicos são listados para aprender mais sobre suas mandíbulas.

Dentes do tubarão-tigre (Galeocerdo cuvier)

Essa espécie pertence à ordem Carchariniformes, sua aparência é corpulenta e sua boca mantém uma forma elíptica. O tubarão-tigre pode ter entre 36 e 49 dentes curvos por linha que apresentam uma forma serrilhada com direção lateral. De acordo com artigo publicado na revista científica Redvet, essas características são adaptações para o consumo de presas duras (como tartarugas ou moluscos).

Dentes do cação-mangona (Carcharias taurus)

O cação-mangona é uma espécie da ordem dos Lamniformes e possui uma característica especial, pois seus dentes são bastante grandes e pontiagudos. Em geral, é um heterodonte que possui aproximadamente 281 dentes em toda a boca. Apesar disso, os dentes substitutos não são visíveis a olho nu, pois ficam muito próximos da parte interna da mandíbula.

Dentes do tubarão-branco (Carcharodon carcharias)

O tubarão-branco é uma espécie de corpo robusto que também pertence à ordem dos Lamniformes. Os dentes desse organismo são muito peculiares, visto que se assemelham muito ao do megalodonte e apresenta dentes de forma triangular e serrilhada. Sua mandíbula superior tem 26 dentes e sua mandíbula inferior tem 24 para cada linha de reposição.

Cada espécie tem uma quantidade e um formato diferente de dentes, por isso é difícil definir um número preciso. Porém, o que podemos destacar é a grande quantidade de dentes de reposição que permitem ao tubarão ter uma quantidade quase infinita de dentes. Dessa forma, os tubarões se estabelecem como os predadores mais poderosos do mar, com uma mandíbula potente e muitos dentes.

Pode interessar a você...

Os tubarões têm relações afetivas duradouras
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Os tubarões têm relações afetivas duradouras

Um estudo recente revela que os tubarões têm relações afetivas duradouras quando os recursos são suficientes para não competir.



  • Urbán-Minutti, G. Estado de la recién creada colección científica de mandíbulas de elasmobranquios (Chordata: Elasmobranchii) de la Facultad de Estudios Superiores Iztacala, UNAM. Revista Científica Biológico Agropecuaria Tuxpan5(7), 1484-1493.
  • Brandão, M. C. C., Conrado, A. L. V., Ferreira, L. I., & Bruno, C. E. M. (2017). Biología del tiburón-tigre Galeocerdo cuvier: Revisión. REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria18(9), 1-18.
  • Cunningham, S. B. (2000). A comparison of isolated teeth of early Eocene Striatolamia macrota (Chondrichthyes, Lamniformes), with those of a Recent sand shark, Carcharias taurus. Tertiary Research20(1/4), 17-32.
  • Powlik, J. J. (1995). On the geometry and mechanics of tooth position in the white shark, Carcharodon carcharias. Journal of Morphology226(3), 277-288.
  • Lucifora, L. O., Cione, A. L., Menni, R. C., & Escalante, A. H. (2003). Tooth row counts, vicariance, and the distribution of the sand tiger shark Carcharias taurus. Ecography26(5), 567-572.
  • Cunningham, S. B. (2000). A comparison of isolated teeth of early Eocene Striatolamia macrota (Chondrichthyes, Lamniformes), with those of a Recent sand shark, Carcharias taurus. Tertiary Research20(1/4), 17-32.
  • Diaz, J. M. (1979). Dentición y remplazo dental en algunos tiburones carcharhínidos del Pacífico colombiano. Boletín de Investigaciones Marinas y Costeras11.
  • de Morais Terue, A. C., Raha, R. L., Conrado, A. L. V., & Bruno, C. E. M. (2017). Análisis y descripción de los diferentes modelos de dentición de los Chondrichthyes de acuerdo con su subclase. REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria18(9), 1-14.
  • Alván, A., Apolín, J., & Chacaltana, C. (2006). Los dientes de seláceos (Chondrichthyes) y su aplicación estratigráfica en la lomas de Ullujaya (Ica-Perú). In XIII Congreso Peruano de Geologıa. Lima (pp. 595-598).
  • Sáez, S., & Pequeño, G. (2010). Claves para el reconocimiento taxonómico dentario en taxa del Superorden Squalomorphi de Chile (Chondrichthyes: Elasmobranchii). Latin american journal of aquatic research38(3), 474-484.