Tubarão-martelo-panã: habitat e características

O tubarão-martelo gigante é uma das espécies submetidas à prática do "finning", que consiste em cortar as barbatanas e descartar o resto do corpo. Isso porque o quilo da barbatana tem um preço aproximado de 100 reais.
Tubarão-martelo-panã: habitat e características

Última atualização: 28 Setembro, 2021

O tubarão-martelo-paña é o maior das 3 espécies de tubarões-martelo. Embora sua característica cabeça em forma de “T” não seja única, sua aparência pode ser facilmente reconhecida pelo tamanho de sua primeira nadadeira dorsal. Apesar de sua aparência feroz, esses organismos estão ameaçados pela captura acidental e pelo comércio de suas nadadeiras.

Especificamente, neste espaço nos referimos à espécie Sphyrna mokarran, que por sua vez faz parte da família Sphyrnidae, mais conhecidos como “tubarões-martelo”. Por maior e estranho que seja, não devemos esquecer que é um peixe cartilaginoso. Continue lendo para aprender mais sobre esse animal gigantesco e peculiar.

Habitat do tubarão-martelo-paña

Esse enorme animal habita as áreas tropicais do oceano ao longo das costas, plataformas continentais e lagoas de atóis de coral. Além disso, é uma espécie migratória que viaja para o norte durante o verão, preferindo águas próximas à superfície e com não mais de 80 metros de profundidade.

Características físicas

O tubarão-martelo-paña pode atingir tamanhos de até 6 metros de comprimento. No entanto, é raro ver organismos tão grandes, então seu tamanho normal é de cerca de 4 metros. Da mesma forma, o peso médio de um espécime adulto costuma ser superior a 500 quilos, sendo as fêmeas maiores e mais pesadas que os machos.

Quanto ao aspecto, a primeira barbatana dorsal é muito alta e pontiaguda, enquanto a segunda é reduzida. Por outro lado, sua barbatana anal tem o típico formato em “V”, com a parte superior mais longa que a inferior. Além disso, o corpo desse tubarão apresenta coloração cinza-acastanhada no dorso com ventre claro, o que é uma adaptação para a captura de presas.

A principal característica desse tubarão é a cabeça em forma de martelo que mantém a aparência em “T”, com os olhos e as narinas localizados nas extremidades. Esse traço particular é o que causa seu nado ondulado, já que ele precisa mover a estrutura da cabeça de um lado para o outro para poder verificar os arredores com os olhos.

O tubarão-martelo é uma das espécies ameaçadas de extinção.

Comportamento da espécie

Essa espécie nômade solitária tem um dos nados mais eficientes entre os tubarões. A forma como consegue reduzir os seus gastos energéticos parece incrível, já que esse peixe cartilaginoso nada “deitado” para diminuir a resistência do seu corpo à água. Na verdade, isso só é possível graças à sua grande barbatana dorsal, que lhe permite reduzir em até 10% a energia que gasta para nadar.

Por outro lado, a cabeça desse espécime tem duas funções importantes. A primeira é a recepção de odores e a segunda é o uso que faz ao caçar sua presa. No primeiro ponto, sua forma permite o uso como antena, com a qual pode receber e localizar os odores de sua presa apenas se virando um pouco. Além disso, durante a caça, o tubarão usa sua cabeça para guiar sua presa ao fundo e atacá-la.

Alimentação do tubarão-martelo-paña

Esse tubarão é um predador por excelência, e sua dieta é composta por uma grande variedade de presas. Algumas de suas vítimas naturais incluem caranguejos, lagostas, lulas, polvos, peixes e até pequenos tubarões. Por isso, seus dentes são pontiagudos e afiados, já que tem que lidar com a consistência dura de algumas de suas presas.

Reprodução do tubarão-martelo-paña

O tubarão-martelo-paña é uma espécie vivípara cuja gestação dura aproximadamente 11 meses. Além disso, considera-se que esse organismo tem um ciclo reprodutivo semestral que termina com o parto entre os meses de julho e setembro. A fêmea dá à luz entre 6 e 42 indivíduos aproximadamente e os pequenos espécimes nascem com tamanhos de 46 a 70 centímetros.

Cada um desses filhotes atingirá a maturidade sexual a partir dos 8 anos de idade, pois é nessa época que atingem tamanhos maiores que 2 metros. Na verdade, alguns deles ficam agrupados em viveiros, onde seus predadores são escassos e eles podem crescer mais rápido.

Esses locais ajudam recém-nascidos e jovens a aumentar suas chances de sobrevivência até a maturidade.

Estado de conservação

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, esse tubarão é classificado como uma espécie criticamente ameaçada de extinção. Essa situação é uma consequência indireta da pesca comercial, uma vez que é comum capturar o tubarão-martelo por engano. Além disso, esses peixes também são muito valorizados na pesca competitiva, visto que muitas vezes são considerados excelentes troféus.

Atualmente, existem diferentes leis que regulamentam a caça e a venda desses animais. No entanto, muitas dessas ações ainda não entraram em vigor, uma vez que as populações desses espécimes continuaram diminuindo por anos. No final das contas, o conflito que eles enfrentam também é social, uma vez que o consumo de carne e barbatanas de tubarão está enraizado em muitas culturas.

A sopa de barbatana de tubarão é um prato muito apreciado em regiões como a China.

Isso não significa que tudo esteja perdido, mas que estamos diante de um alerta máximo para evitar sua extinção. As informações que existem sobre esse tubarão são escassas, o que dificulta a formulação de um plano que beneficie sua população. Por isso, antes de se aventurar a proteger a espécie, é importante conhecer a fundo sua situação.

Pode interessar a você...

Tubarão-boca-grande: habitat e características
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Tubarão-boca-grande: habitat e características

O tubarão-boca-grande é uma espécie rara, da qual pouco se sabe sobre suas características. Confira aqui tudo o que se sabe sobre ele.



  • Chapman, B. (2017). Shark Attacks: Myths, Misunderstandings and Human Fear. CSIRO PUBLISHING.
  • Strong, W. R., Snelson, F. F., & Gruber, S. H. (1990). Hammerhead shark predation on stingrays: an observation of prey handling by Sphyrna mokarran. Copeia1990(3), 836-840.
  • Cliff, G. (1995). Sharks caught in the protective gill nets off Kwazulu-Natal, South Africa. 8. The great hammerhead shark Sphyrna mokarran (Rüppell). South African Journal of Marine Science15(1), 105-114.
  • Roemer, R. P., Gallagher, A. J., & Hammerschlag, N. (2016). Shallow water tidal flat use and associated specialized foraging behavior of the great hammerhead shark (Sphyrna mokarran). Marine and freshwater behaviour and physiology49(4), 235-249.
  • Stevens, J. D., & Lyle, J. M. (1989). Biology of three hammerhead sharks (Eusphyra blochii, Sphyrna mokarran and S. lewini) from northern Australia. Marine and Freshwater Research40(2), 129-146.
  • Macdonald, C., Jerome, J., Pankow, C., Perni, N., Black, K., Shiffman, D., & Wester, J. (2021). First identification of probable nursery habitat for critically endangered great hammerhead Sphyrna mokarran on the Atlantic Coast of the United States. Conservation Science and Practice, e418.