O que é a reprodução alternada em animais?

A reprodução alternada não é apenas típica das plantas, pois alguns animais também aproveitam as vantagens dessa estratégia. Descubra do que se trata.
O que é a reprodução alternada em animais?

Última atualização: 18 Junho, 2021

Os mecanismos de reprodução são geralmente voltados para um fim específico, como a produção de uma grande quantidade de descendência ou a diversidade genética, mas existem outras formas que combinam as vantagens de várias estratégias. Esse é o caso da reprodução alternada.

Embora essa adaptação reprodutiva seja mais comum em plantas, existem alguns animais que a praticam. Neste espaço, você aprenderá como funciona esse tipo de reprodução e quais são suas vantagens sobre as reproduções sexuada e assexuada. Confira!

O que é a reprodução alternada?

A reprodução alternada é uma estratégia que consiste em 2 fases, uma sexuada e outra assexuada, que se alternam sucessivamente. Nas plantas que não têm flores, casos em que essa estratégia é mais comum, as fases são as seguintes:

  • Fase esporofítica: a planta produz esporos que dão origem a outras plantas geneticamente idênticas à original.
  • Fase gametofítica: nessa fase, a planta produz gametas femininos e masculinos, que se juntarão aos gametas de outras plantas para criar diversidade genética e evitar a endogamia e a homozigosidade. Em outras palavras, a reprodução sexuada evita que todos os indivíduos de uma espécie sejam ‘iguais’.

Vantagens da reprodução alternada em animais

No caso de animais com essa estratégia, a fase sexuada e assexuada também ocorrem, mas assume formas diferentes dependendo da espécie. O objetivo final é maximizar a descendência e minimizar o custo da reprodução.

Dessa forma, com a reprodução assexuada, os animais garantem a produção de um grande número de descendentes. Ao mesmo tempo, com a fase assexuada, eles mantêm a diversidade genética necessária à sobrevivência da espécie. Nas linhas a seguir, você vai conhecer mais detalhes sobre as espécies animais que praticam essa estratégia reprodutiva.

Exemplos de reprodução alternada em animais

A reprodução alternada pode ser observada principalmente em invertebrados. Embora a princípio seja difícil de imaginar, os exemplos que você encontrará a seguir são espécies que certamente você já encontrou em algum momento na vida.

Reprodução de formigas e abelhas

Tanto as abelhas quanto as formigas possuem uma rainha que, por meio da reprodução sexuada, é responsável por gerar novos membros para a colônia, no início da formação do formigueiro ou da colmeia. Durante essa fase, todas as filhas da rainha serão um resultado da mistura dos espermatozoides armazenados do macho com os genes da fêmea.

A certa altura da vida da colônia, quando já estiver madura e funcional, a rainha colocará ovos não fertilizados, dos quais eclodirão machos para um novo ciclo de reprodução sexuada. Essa é a fase assexuada da reprodução de abelhas e formigas, uma vez que esses machos nascem por partenogênese da rainha.

As formigas machos têm metade da informação genética (haploides) das rainhas e das operárias (diploides).

 

Formigas prateadas subsaarianas.

Reprodução das águas-vivas

A maioria dos cnidários ou águas-vivas passa por um ciclo de vida que reúne os 2 tipos de reprodução. A alternância é a seguinte:

  • Água-viva adulta: a água-viva de vida livre se reproduz sexualmente com outros indivíduos de sua espécie e produz ovos.
  • Larva: desses ovos nascerá um número variável de larvas, que sofrerão uma metamorfose para se tornar um pólipo.
  • Fase de pólipo: nesse estágio, os pólipos se fragmentam e se multiplicam. Cada pólipo gerado pela reprodução assexuada dará origem a uma água-viva adulta, reiniciando o ciclo.

 

Reprodução alternada: ciclo de vida da água-viva

Crustáceos com reprodução alternada

Os crustáceos do gênero Daphnia, também conhecidos como pulgas d’água (embora não tenham nada a ver com os insetos) se reproduzem sexualmente, para gerar apenas fêmeas em condições ambientais favoráveis. No entanto, em ambientes hostis, como durante uma onda de frio repentina, essas fêmeas se reproduzem por partenogênese.

Essa reprodução alternada que se ajusta a mudanças repentinas no ambiente é especialmente ideal, uma vez que nascerão apenas machos dessa partenogênese. Dessa forma, as populações garantem a sobrevivência da espécie, já que o número de machos nunca será maior que o de fêmeas.

 

Uma dáfnia em um fundo azul: esses crustáceos seguem reprodução alternada.

Outros insetos com reprodução alternada

Existe um inseto chamado filoxera (Phylloxera vitifoliae) que parasita a videira. Em sua fase sexuada, machos e fêmeas copulam para que a fêmea possa botar um único ovo, que eclode no verão para dar origem apenas a fêmeas. Essas fêmeas botarão ovos por partenogênese, o que dará origem a outras fêmeas.

 

Um inseto de videira com reprodução alternada.

Qual é a fase dominante?

A fase sexuada desses ciclos geralmente é a dominante por um motivo simples. Segundo determinados estudos, a presença de um cromossomo paterno e outro materno no genoma da prole que surge por meio da reprodução sexuada impede a manifestação de mutações deletérias.

Se um animal possui um par de cromossomos de cada tipo em vez de apenas um, é possível que, se um deles for disfuncional, o outro possa compensar essa carência. Em contrapartida, como as fases assexuadas são cópias exatas da mãe, patologias ou mutações negativas têm maior probabilidade de se manifestar em uma geração inteira.

 

Uma dupla hélice de DNA branco.

Se existem evidências de que todos os seres vivos provêm do mesmo lugar, elas são exemplificadas por processos como a reprodução alternada. Na atualidade, pode parecer que os animais têm processos biológicos semelhantes aos das plantas, mas, na realidade, eles nunca se separaram completamente.

Pode interessar a você...

Como é a reprodução das estrelas-do-mar?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Como é a reprodução das estrelas-do-mar?

A reprodução das estrelas-do-mar é baseada em mecanismos sexuais e assexuados. Em geral, machos e fêmeas são distintos. Confira!



  • Granett, J., Walker, M. A., Kocsis, L., & Omer, A. D. (2001). Biology and management of grape phylloxera. Annual review of entomology46(1), 387-412.
  • Galván, E. I. N. (2020). Reproducción en medusas comunes (escifozoos). Recursos Naturales y Sociedad.
  • Huertas Rodríguez, C. K., & Arrieta Violeta, L. (2015). Taxonomic Revision of the Subgenus Daphnia and Hyalodaphnia (Daphnia genus) using Molecular Markers and Barcodes (COI). Ciencia en Desarrollo6(1), 77-86.http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0121-74882015000100010