O rinoceronte-de-java: por que está em perigo de extinção?

Atualmente, muitas espécies de grandes mamíferos estão sofrendo reduções dramáticas em seu número de indivíduos, geralmente devido às ações humanas. O rinoceronte-de-java é um exemplo claro.
O rinoceronte-de-java: por que está em perigo de extinção?

Última atualização: 05 Abril, 2021

No passado, os rinocerontes eram animais comuns que podiam ser encontrados na maior parte do Velho Mundo, mas desde o século XX, seu número despencou. Por essa razão, atualmente muito poucos espécimes podem ser encontrados fora dos parques ou das reservas nacionais: o rinoceronte-de-java é um exemplo claro desse declínio.

Das 5 espécies de rinoceronte que sobrevivem hoje, 3 estão criticamente ameaçadas de extinção e o status das outras 2 está longe do ideal. Isso significa que, dentro de algumas gerações, os rinocerontes podem desaparecer do planeta.

O rinoceronte-de-java é uma das espécies de rinoceronte mais ameaçadas. Convidamos você a continuar essa leitura se quiser saber mais sobre esse mamífero indescritível e seu estado de conversação.

O estado do rinoceronte-de-java

Rhinoceros sondaicus  é possivelmente o rinoceronte mais escasso da Terra e um dos maiores mamíferos mais raros do mundo. É mais leve e menor que os outros rinocerontes e se caracteriza por seu chifre único e pele dobrada, em forma de placas de armadura.

Anteriormente, esse animal podia ser encontrado em grande parte do sudeste da Ásia e tinha 3 subespécies : Rhinoceros sondaicus inermis, Rhinoceros sondaicus annamiticus e Rhinoceros sondaicus sondaicus.

R. s. inermis habitava Índia, Bangladesh e Mianmar, e R. s. annamiticus vivia em países como Vietnã, Laos, Camboja e Tailândia. Infelizmente, ambas as subespécies foram extintas nas últimas décadas.

R. s. sondaicus é o único que ainda sobrevive, mas também está gravemente prejudicado. Esse animal costumava habitar a Tailândia, a Malásia e as ilhas indonésias de Java e Sumatra. Agora, ele permanece apenas em uma pequena península da ilha de Java.

As estimativas mais recentes sugerem que existem cerca de 74 indivíduos de rinoceronte-de-java, todos no Parque Nacional Ujung Kulon. No entanto, apenas 33% dos espécimes são reprodutivos, o que dificulta o desenvolvimento dessa população.

Atualmente, parece que a população conseguiu se estabilizar e aumentar ligeiramente graças aos intensos esforços de conservação. No entanto, esse animal ainda apresenta ameaças muito graves que podem interromper e até reverter esse crescimento.

Corpo inteiro do rinoceronte-de-java.

Como o rinoceronte chegou a esse ponto?

Como acontece com a maioria das espécies ameaçadas de extinção, o atual declínio do rinoceronte-de-java foi causado por ações humanas e é um exemplo do atual processo de extinção em massa.

Uma das primeiras ameaças a esse animal foi a chegada dos colonizadores europeus ao Sudeste Asiático, a partir da qual teve início sua caça indiscriminada como troféu. Ele também foi caçado para o benefício da agricultura local e a obtenção de seus chifres.

Como acontece com muitas outras espécies, o comércio de chifres e outros produtos usados na medicina tradicional asiática tem sido um dos principais responsáveis pelo declínio de sua população.

A caça furtiva extinguiu populações de R. sondaicus em grande parte de sua distribuição. Na verdade, o último rinoceronte no Vietnã foi morto por caçadores furtivos em 2010. Hoje o comércio de chifres é ilegal e combatido, mas continua sendo uma ameaça significativa.

Junto com isso, a destruição de habitats adequados tem sido outro fator negativo. Esse mamífero é sensível às perturbações humanas e precisa de florestas tropicais de baixa altitude para sobreviver. Esses habitats se tornam cada vez mais escassos, visto que são substituídos por plantações.

Ameaças atuais do rinoceronte-de-java

Felizmente, não houve nenhum caso de caça furtiva no Parque Nacional Ujung Kulon nos últimos 20 anos. No entanto, o tráfico ainda é um problema muito prevalente que requer vigilância constante, embora os chifres não tenham efeito medicinal comprovado.

O tráfico está ligado à pobreza, o que dificulta a erradicação da caça enquanto houver demanda. Os rinocerontes vivem em países muito pobres, onde os habitantes locais recorrem à caça furtiva para atender às suas necessidades básicas. Portanto, a solução requer profundas mudanças sociais e econômicas.

Além disso, a população quase não aumentou nos últimos anos. Isso pode se dever à intrusão humana, já que o ecossistema atingiu sua capacidade de carga limite, portanto não é capaz de abrigar mais rinocerontes.

Ujung Kulon está repleto de Arenga obtusifolia, uma palmeira que cobre muito terreno, que não é consumida pelos rinocerontes e que impede o crescimento de outras plantas. Além disso, o Parque contém um grande número de bantengue, um bovino nativo que compete com os rinocerontes por comida.

A única população existente é pequena e altamente localizada. Portanto, a espécie tem uma diversidade genética muito pobre e é propensa à endogamia. Esse é um grande risco para qualquer espécie.

Essa situação deixa esse animal mais vulnerável ao desaparecimento devido a desastres naturais, como tsunamis ou erupções vulcânicas, que são relativamente frequentes na área. Também o torna vulnerável a doenças transmitidas pelo gado local, que já matou vários indivíduos.

Dois indivíduos da espécie rinoceronte-de-java.

Um pouco de esperança

Existem planos de conservação para melhorar o status do rinoceronte-de-java, incluindo a criação de uma segunda população em outra área para reduzir os riscos mencionados anteriormente.

Além disso, conservacionistas e comunidades locais estão removendo Arenga obtusifolia de algumas áreas para criar habitats adequados e estão trabalhando para prevenir a caça furtiva e outros danos humanos. Apesar disso, conservar uma espécie tão prejudicada é uma tarefa extremamente difícil.

Pode interessar a você...
8 animais em perigo de extinção no Equador
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
8 animais em perigo de extinção no Equador

A poluição, o desmatamento e as mudanças climáticas ameaçam a vida das espécies. Conheça aqui 8 animais em perigo de extinção no Equador!