O que os rinocerontes comem?

Os rinocerontes são mamíferos gigantes, tímidos e fascinantes. Você sabe do que eles se alimentam em seu ambiente natural?
O que os rinocerontes comem?

Última atualização: 18 Outubro, 2021

Quando pensamos em rinocerontes, a imagem que se forma em nossas mentes é a de grandes mamíferos brincando na lama ou na água, mas a maioria de nós não sabe o que eles comem. No entanto, vamos resolver essa questão. Vale a pena conhecer outros detalhes sobre esses mamíferos.

Além disso, vamos mencionar as diferentes espécies de rinocerontes existentes e tirar dúvidas sobre seus detalhes biológicos (como o número de chifres ou o tipo de habitat em que residem). Nas linhas a seguir, você conhecerá as peculiaridades de cada um desses animais e como eles variam em sua alimentação.

O que os rinocerontes comem?

Embora estejamos ansiosos para saber a resposta da pergunta principal, é apropriado descrever esses animais brevemente primeiro. Em primeiro lugar, deve-se notar que os rinocerontes fazem parte da classe dos mamíferos placentários (como elefantes, golfinhos ou primatas) e estão localizados em dois continentes: África e Ásia.

Esses grandes animais também estão incluídos na ordem Perissodactyla, um grupo de mamíferos com cascos caracterizados pela presença de dedos ímpares (terminando em cascos) nas patas. Esse táxon inclui outras espécies, como zebras ou antas.

A resposta à pergunta inicial relacionada à alimentação é simples: os rinocerontes são animais herbívoros, ou seja, se alimentam de diferentes grupos de plantas. No entanto, o que esses animais comem pode variar dependendo da espécie a que cada espécime pertence.

Abaixo, citamos brevemente as diferentes espécies de rinoceronte que existem. Você verá que a dieta é diferente entre os grupos africanos e asiáticos.

O que os rinocerontes africanos comem?

Dentro do grupo dos rinocerontes africanos, encontramos apenas duas espécies: o branco (Ceratotherium simum) e o negro (Diceros bicornis). Deve-se dizer que não são totalmente brancos nem pretos, mas têm tons de cinza que variam em intensidade. Além disso, ambos os tipo de rinocerontes compartilham a presença de dois chifres em suas cabeças.

Uma característica curiosa das duas espécies, influenciada pelo tipo de dieta, é o formato do lábio superior. No caso do rinoceronte-negro, este é pontudo, enquanto no rinoceronte-branco observa-se um lábio quadrado.

Graças à sua especialização oral, os rinocerontes-negros se alimentam principalmente de árvores e arbustos, enquanto os rinocerontes-brancos se alimentam de ervas. Além disso, os exemplares desta última espécie costumam caminhar com a cabeça roçando o solo e os lábios colados nele.

Quanto ao seu estado de conservação, é necessário mencionar boas e más notícias. As primeiras referem-se ao aumento de exemplares nas populações de rinocerontes-negros. Contudo, isso não acontece com os rinocerontes-brancos, cujos grupos diminuem com o passar do tempo.

Um par de rinocerontes africanos.

Rinocerontes asiáticos: indianos, sumatra e javanês

Da mesma forma, não podemos esquecer as três espécies de rinocerontes asiáticos, que estão localizadas em diferentes regiões do continente asiático: a Índia e as ilhas de Sumatra e Java. O rinoceronte-indiano (Rhinoceros unicornis), é mais conhecido como ” o grande rinoceronte de um chifre ” ou “prateado”.

O primeiro apelido indica uma de suas características mais marcantes: essa espécie possui apenas um chifre e também conta com uma grande armadura que compõe seu corpo. Essas proteções permitem que ele se defenda ao lutar com outros congêneres por recursos (como alimentação).

Se continuarmos explorando, o próximo passo é a Indonésia: um arquipélago que abrange as ilhas de Java e Sumatra. Em cada um deles estão as duas últimas espécies de rinoceronte. No caso de Sumatra, os espécimes que ali vivem são reconhecidos como Dicerorhinus sumatrensis e apresentam duas características: são menores em tamanho e os únicos com dois chifres no continente asiático.

Enquanto isso, em Java, vive o Rhinoceros probeicus, que tem um único chifre. Possui, junto com as populações de Sumatra, a classificação de conservação de “Estado Crítico (CR)”. Essa situação afeta a fauna e a flora do ecossistema desses mamíferos, uma vez que as espécies vegetais que fazem parte de sua dieta também são prejudicadas por atividades antrópicas.

É necessário preservar os campos tropicais próximos às fontes de água e lama, bem como as áreas florestais. Lá, os rinocerontes asiáticos têm alimentos suficientes (grama, plantas aquáticas, frutas, arbustos ou folhas) para poderem se desenvolver. Se esses ecossistemas desaparecerem, é questão de tempo até que os grandes mamíferos também desapareçam.

Um rinoceronte indiano.

Espécies em perigo

Atualmente, o número de rinocerontes selvagens diminuiu consideravelmente e de forma constante. Algumas espécies estão se recuperando, mas há duas que seguem a tendência oposta: o rinoceronte-branco e o de Sumatra.

Ao proteger os rinocerontes, o que comem e os ecossistemas em que vivem, também cuidamos das espécies vegetais e dos animais presentes no meio ambiente. Compreender as necessidades tróficas de grandes mamíferos como esses nos dá ferramentas para prevenir o seu desaparecimento (e de tudo ao seu redor) a curto e longo prazo.

Pode interessar a você...
O rinoceronte-de-java: por que está em perigo de extinção?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O rinoceronte-de-java: por que está em perigo de extinção?

O rinoceronte-de-Java é um dos grandes mamíferos mais ameaçados do mundo. Ele vive apenas na ilha indonésia de Java. Saiba mais aqui!