Sanguessuga: características e reprodução

novembro 9, 2019
Embora o mais comum seja que uma sanguessuga tenha entre 5 e 12 milímetros, existe um tipo de sanguessuga na selva amazônica que pode atingir 30 centímetros.

A sanguessuga é um animal invertebrado, semelhante a um verme, que pertence à família dos anelídeos. É parente das minhocas, mas se difere delas pela presença de ventosas no seu corpo e porque a maioria das espécies vive na água.

Embora seja repulsiva para a maioria das pessoas, a sanguessuga é muito útil na medicina, principalmente na microcirurgia e no caso de alguns transplantes.

Há cerca de 600 espécies de sanguessugas no mundo todo. A mais conhecida é a sanguessuga medicinal ou sanguessuga comum, cujo nome científico é Hirudo medicinalis.

A seguir, veremos alguns dados para conhecer melhor as características e a reprodução das sanguessugas.

Características físicas

Geralmente, uma sanguessuga tem entre 5 e 12 milímetros. No entanto, o maior tipo do mundo, que vive na floresta amazônica, pode medir até 30 centímetros. O corpo da sanguessuga tem o poder de se dilatar bastante para armazenar todo o sangue que ela suga.

A cor deste animal varia de acordo com a espécie. A maioria dos indivíduos é de cor escura, embora tenham a capacidade de mudar de cor em resposta a diferentes estímulos. Há um número fixo de segmentos no seu corpo e cada um deles possui várias subdivisões.

A sanguessuga tem duas ventosas, uma pequena na frente e outra maior na parte posterior. Para se mover, ela prende a ventosa da frente e então arrasta os outros segmentos do seu corpo. Para nadar, ela faz rápidas ondulações, graças aos músculos que possui na parede corporal.

Habitat

As sanguessugas vivem em todos os continentes, com exceção da Antártida. No entanto, a maioria é encontrada em áreas tropicais. Isso ocorre porque elas se adaptam melhor a climas quentes e ambientes aquáticos; climas muito frios não são muito adequados para o seu desenvolvimento.

Habitat das sanguessugas

Esses animais conseguem viver no mar, mas a maioria vive em água doce; algumas espécies são terrestres. Em todos os casos, há usos semelhantes delas.

A população de sanguessugas diminuiu de forma alarmante no mundo todo. De fato, em alguns países, já foram tomadas medidas para preservá-las. Essa diminuição ocorreu como consequência do uso indiscriminado da sanguessuga para fins estéticos e medicinais.

Alimentação da sanguessuga

Algumas sanguessugas vivem em água doce e se alimentam das substâncias presentes em moluscos e vermes; outras espécies são carnívoras. Também existem as sanguessugas que ‘sugam sangue’, grudando no corpo dos vertebrados para sugar o seu sangue e, assim, se alimentarem deles.

Reprodução da sanguessuga

As sanguessugas, na sua maioria, são hermafroditas. Cada espécime tem vários pares de testículos e um par de ovários. A reprodução é feita através da fertilização interna. No entanto, o processo varia de acordo com cada espécie.

Por exemplo, algumas sanguessugas que vivem na água põem os ovos fora dela, onde eles permanecem até o nascimento. Outras espécies aquáticas, como as do gênero Erpobdella, por exemplo, põem os ovos na água. Eles permanecem conservados graças a uma barreira protetora.

Em algumas espécies, os espermatozoides ficam armazenados nos espermatóforos que ficam do lado de fora do parceiro e que fertilizam os ovários ao atravessar a parede. Quando há um acoplamento, a fertilização geralmente é recíproca.

Uma vez fertilizados, os ovos são depositados em um tipo de casulo de consistência quitinosa. Os filhotes são da mesma cor e formato que os adultos.

Reprodução da sanguessuga

Benefícios para a saúde humana

A sanguessuga é usada desde a Roma antiga para aliviar a dor e tratar doenças de todos os tipos, desde a obesidade até doenças oculares e mentais.

A sucção do sangue feita pelo animal é benéfica para aliviar esses males. A eficácia desses tratamentos foi confirmada por um grande número de pesquisas feitas no mundo todo.

Os tratamentos feitos com sanguessugas para sugar o sangue são totalmente indolores. Isso ocorre porque esse animal secreta substâncias analgésicas e antibióticas. A saliva da sanguessuga é responsável pela transmissão dessas substâncias; nessa saliva, também estão as enzimas curativas.

A sanguessuga é amplamente utilizada em tratamentos anticoagulantes. Outra substância presente no organismo desse animal dissolve os coágulos e impede que eles sejam reproduzidos. Isso reduz consideravelmente o risco de trombose.