Sapo-comum: características, alimentação e habitat

agosto 6, 2019
O sapo-comum se defende de seus predadores com glândulas venenosas, embora estas não causem danos em humanos.

Ele não é o mais belo dos anfíbios ou o mais famoso, mas o sapo-comum é um grande aliado dos jardineiros de toda a Europa e parte da Ásia.

Este animal ajuda a controlar as pragas de jardins e pomares, e não é perigoso para os seres humanos.

Características do sapo-comum

O sapo-comum é um anfíbio de pele enrugada. Eles podem ter várias cores, mas as mais comuns são verde e marrom, embora em algumas áreas existam sapos cinzentos. Além disso, eles têm olhos amarelos e pupilas horizontais.

Em termos de tamanho, o sapo-comum tem um leve dimorfismo sexual. As fêmeas são um pouco maiores do que os machos.

Os espécimes masculinos tendem a crescer até oito centímetros de comprimento, enquanto as fêmeas geralmente atingem 13 centímetros, e em alguns casos especiais, até 15 centímetros. De resto, machos e fêmeas são iguais.

Eles têm um corpo rechonchudo e atarracado. As pernas são largas, embora as patas traseiras sejam mais fortes, já que que este animal se move com pequenos saltos.

Nas patas dianteiras há quatro dedos, enquanto nas patas traseiras há cinco, unidos por membranas para ajudá-lo a nadar durante o pouco tempo que passa na água.

Características do sapo-comum

Sua cabeça é curta e larga e ele não tem pescoço. O focinho é curto e largo e ele não possui dentes dentro da boca.

Para se defender de seus predadores, possui algumas glândulas venenosas na pele.No entanto, esse veneno é tão fraco que não chega a ser prejudicial para o ser humano.

Habitat

O sapo-comum é um dos anfíbios mais comuns na Europa. Ele se distribui por todo o continente, com exceção de algumas ilhas do Mediterrâneo, Irlanda e Islândia. Além da Europa, ele também vive no norte da Ásia, no território que pertence à Rússia, e no norte da África.

É um animal resistente que pode sobreviver em quase todos os tipos de ecossistemas: eles podem ser vistos em florestas, prados, áreas úmidas e até mesmo em áreas urbanizadas.

Eles precisam de concentrações de água para se reproduzirem, pois são animais que põem ovos, dos quais nascem os girinos.

No entanto, como os girinos sofrem uma metamorfose e ganham pernas, dificilmente precisam voltar para a água, e se tornam animais terrestres mais do que animais aquáticos.

Por isso, é mais comum encontrá-los em áreas com lagos, reservatórios, rios ou lagoas. Eles também podem aparecer em áreas distantes da água parada.

Alimentação

A dieta sapo-comum é baseada em insetos e pode ser variada: formigas, mosquitos, gafanhotos, aranhas, etc. Eles são pouco exigentes com a comida e ficam satisfeitos com o que encontram para comer.

Sapo em seu habitat natural

O sapo é um animal caçador, mas não usa muita energia para caçar. Sua técnica é ficar quieto e esperar que a presa passe tão perto que ele possa atacá-la.

Por esta razão, eles são grandes aliados dos jardineiros: os sapos são responsáveis ​​por controlar diversas pragas.

Estes anfíbios são noturnos: durante o dia é difícil vê-los porque se escondem para descansar. Com a queda da noite, na hora de maior atividade de quase todos os insetos que fazem parte da sua dieta, eles se movem pelos campos, florestas ou jardins em busca de comida.

O sapo-comum é um anfíbio discreto, que não se destaca pela sua beleza ou pela sua graça. No entanto, é um grande aliado ecológico de lavouras e jardins. Eles são animais pacientes e de vida longa, que conseguiram conquistar quase todos os ecossistemas do nosso planeta.