Sapo-corroboree: uma espécie muito interessante

setembro 14, 2019
Embora seja chamado de sapo, trata-se, na verdade de uma rã. Atualmente se encontra em risco de extinção devido a um fungo que representa a sua principal ameaça.

O sapo-corroboree é um anfíbio icônico na Austrália, pois o seu padrão corporal colorido, a sua venenosidade e o declive progressivo da sua população o converteram em objeto de pesquisa. Além disso, ele é alvo de planos de preservação nacional para evitar a sua extinção.

Dependendo da região habitada, o sapo-corroboree apresenta diferentes ‘designs’ no que diz respeito à combinação das suas cores. Assim, enquanto o sapo-corroboree do Norte tem uma tonalidade de base preta com listras amarelas, o do Sul, de maneira inversa, é amarelo com linhas pretas.

A distribuição geográfica do sapo-corroboree do Norte compreende os territórios de Nova Gales do Sul e do denominado Território da Capital australiana dentro do Parque Nacional Kosciuszko, a Floresta Estadual Bondo, a Floresta Estadual Micalong, a Floresta Estadual Wee Jasper, o Parque Nacional Namadgi, o Parque Nacional Brindabella e a Reserva Natural de Bimberi.

Já o sapo-corroboree do Sul limita-se à região de Snowy Mountains, em Nova Gales do Sul.

Características físicas e comportamentais

Apesar do seu tamanho, menor do que três centímetros, a sua pigmentação chamativa indica a secreção de um alcaloide altamente venenoso para os seus predadores. O sapo-corroboree se alimenta de pequenos invertebrados, sobretudo formigas pretas.

Normalmente, localizam-se em pântanos estacionais e em sua vegetação circundante em diferentes regiões dos Alpes australianos.

No inverno, permanecem inativos sob os troncos ou entre o substrato da floresta. São mais dinâmicos no resto do ano, apesar de, diferentemente de outros anfíbios, caminharem em vez de pular.

Características do sapo-corroboree

Fonte: https://www.zoo.org.au / Damian Goodall

A reprodução começa com a chegada do verão. Nesses meses, os machos dedicam-se à construção de ninhos sobre o musgo ou na vegetação próxima ao meio aquático. Uma vez acondicionados, emitem uma série de vocalizações destinadas ao cortejo das fêmeas e ao posterior acasalamento.

A posta de ovas pela fêmea é relativamente baixa, comparada com a de outras rãs, numa faixa entre 15 e 40 unidades. Não obstante, ao longo da estação reprodutiva, cada macho pode reproduzir com diferentes fêmeas, inclusive no mesmo ninho.

Os embriões desenvolvem-se até atingir o denominado estado de diapausa, no qual detêm o seu crescimento até as chuvas outonais estimularem a eclosão.

Posteriormente, os girinos dirigem-se à fonte de água mais próxima para nadar e se alimentar de forma autônoma. Com a chegada do verão seguinte, terá vez a metamorfose que lhes permitirá atingir a sua aparência adulta.

Conservação do sapo-corroboree
Fonte: https://www.zoo.org.au / Damian Goodall

Ameaças e conservação do sapo-corroboree

De acordo com o que informa o Departamento de Meio Ambiente e Energia do Governo Australiano, o declive da população dos dois tipos dessa rã aumentou progressivamente a partir de 1980.

O principal responsável por esse descenso é o fungo conhecido como quitrídio de anfíbios, o Batrachochytrium dendrobatidis.

Esse fungo, causador da doença mortal quitridiomicose, além de prejudicar a rã australiana, tem acabado com grande parte da diversidade de anfíbios no continente americano.

Na Austrália, a propagação desse patógeno é potencializada pela presença da rã oriental comum, a Crinia signifera. Essa espécie age como reservatório do fungo, e pode apresentar altos níveis de infecção sem desenvolver a doença, o que estimula a transmissão a outras espécies.

Outra ameaça é a mudança climática, que provoca estiagens severas e a degradação geral do habitat desses animais. A escassez de água favorece a morte desse anfíbio, pois os ovos e girinos dependem diretamente dela.

Atualmente, a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) considera que os sapos-corroboree do Norte e do Sul encontram-se em risco de extinção.

Por esse motivo, o governo australiano desenvolveu uma série de planos nacionais para a conservação dessa espécie de rã, além de criar um grande número de reservas e parques naturais.

  • Corroboree Frog. (2016). Corroboree Frogs have a typical amphibian life-cycle with an aquatic tadpole stage and terrestrial frog stage. Recuperado de https://www.corroboreefrog.org.au/biology/life-cycle/
  • Michael M. (2013). The Conversation. Australian endangered species: Southern Corroboree Frog. Recuperado de https://theconversation.com/australian-endangered-species-southern-corroboree-frog-16189
  • Office of Environment and Heritage. (2012). Australian Government. Southern Corroboree Frog Pseudophryne corroboree and Northern Corroboree Frog Pseudophryne pengilleyi National Recovery Plan. Recuperado de https://www.environment.gov.au/resource/southern-corroboree-frog-pseudophryne-corroboree-and-northern-corroboree-frog-pseudophryne
  • Office of Environment and Heritage. (2014). Saving the southern corroboree frog. Recuperado de https://www.environment.nsw.gov.au/news/saving-the-southern-corroboree-frog