Selegilina em cães: dosagem, usos e efeitos colaterais

O uso de selegilina em cães conseguiu melhorar a capacidade cognitiva em cães geriátricos, além de aumentar sua qualidade de vida e longevidade.
Selegilina em cães: dosagem, usos e efeitos colaterais

Última atualização: 08 julho, 2022

A selegilina é um fármaco usado em cães e humanos para controlar os níveis de vários neurotransmissores. Graças a isso, vários benefícios são atribuídos a ela contra doenças mentais, como a doença de Parkinson (em humanos) e a disfunção cognitiva geriátrica (em cães).

Esse medicamento tem um grande potencial latente para melhorar a qualidade de vida de cães idosos. Além disso, caracteriza-se por ter pouquíssimos efeitos colaterais, o que ajuda a evitar experiências desagradáveis para o animal de estimação. Continue a leitura e saiba mais sobre a selegilina para cães.

O que é a selegilina?

A selegilina é um fármaco que pertence à classe das feniletilaminas, de modo que sua estrutura química se assemelha um pouco à dos neurotransmissores amina. Graças a isso, é capaz de se ligar às monoaminas oxidase tipo B (MAO-B), que são enzimas responsáveis pela oxidação e degradação da serotonina, noradrenalina e dopamina.

Qual é o seu mecanismo de ação?

Em doses baixas, a selegilina liga-se irreversivelmente às monoaminas oxidase do tipo B. Isso significa que elas são impedidas de destruir e oxidar neurotransmissores, então a quantidade de dopamina, norepinefrina e serotonina aumenta. Consequentemente, no córtex cerebral ocorrem alterações que têm efeitos neuroestimulantes e neuroprotetores.

Apresentações do fármaco

A selegilina geralmente vem na forma de comprimidos ou cápsulas, mas também existem adesivos transdérmicos e soluções líquidas. Dependendo das necessidades do paciente canino, o veterinário irá recomendar o mais adequado para o seu caso.

Como a selegilina ajuda os cães?

A selegilina em cães é prescrita principalmente para tratar a síndrome da disfunção cognitiva em pacientes geriátricos. Essa condição aparece como um problema neurodegenerativo que piora com a idade, assemelhando-se muito à doença de Alzheimer.

Simplificando, a síndrome da disfunção cognitiva em cães geriátricos desacelera e atrofia várias partes do cérebro. Portanto, os animais de estimação começam a apresentar problemas comportamentais que se agravam à medida que envelhecem. Embora não haja cura como tal, a selegilina é um dos primeiros medicamentos aprovados para reduzir sua progressão.

Além disso, alguns estudos indicam que a selegilina também é adequada para o tratamento do hiperadrenocorticismo canino de origem hipofisária. No entanto, só funciona bem nos casos em que a secreção excessiva do hormônio ACTH está ligada à deficiência de dopamina, caso contrário não tem efeitos positivos.

Cães velhos dormem muito

Dose adequada

A dose diária recomendada de selegilina para cães geralmente varia entre 0,5 e 1 miligrama por quilo de peso. No entanto, os veterinários costumam iniciar a medicação em doses mais baixas, aumentando à medida que o tratamento avança. De fato, é possível aumentar a frequência de ingestão, mas somente se não houver melhora nos primeiros dias de tratamento.

Normalmente, a administração desse medicamento deve ser realizada uma vez ao dia e pela manhã. Isso ajuda os cães com ciclos circadianos comprometidos a começar a regular seu sono. Apesar disso, é melhor seguir as instruções do profissional de saúde animal, pois cada caso é diferente e nem sempre é necessário seguir as mesmas instruções.

Efeitos secundários

Um dos benefícios da selegilina são poucos ou nenhum efeito colateral em cães. No entanto, eles podem aparecer e até ficar um pouco sérios. Os seguintes efeitos são os mais conhecidos:

  • Vômito.
  • Diarreia.
  • Desorientação.
  • Confusão.
  • Agressão.
  • Movimentos repetitivos.
  • Tremores por todo o corpo.
  • Perda de apetite.
  • Dor intensa (sinal de risco).

Caso apareça algum dos efeitos colaterais, é melhor interromper a medicação e levar o animal ao veterinário. Os efeitos da selegilina cessarão em cerca de 24 horas, embora em alguns cães com problemas renais ou hepáticos possam durar mais tempo.

Contraindicações

A selegilina não deve ser administrada a cães que estejam tomando meperidina ou outros tipos de fármacos opioides. Da mesma forma, seu uso conjunto com antidepressivos ou inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) não é recomendado.

É importante que antes de iniciar o tratamento com selegilina, todos os medicamentos que o cão está tomando sejam discutidos com o veterinário. Isso ajuda o profissional a decidir se esse medicamento é o mais adequado para o seu caso ou optar por outro. Lembre-se de que a vida do seu animal está em risco, por isso nunca esconda essa informação.

Além disso, lembre-se de que o veterinário é o único que pode prescrever e supervisionar o tratamento de cães com selegilina. O diagnóstico é essencial para conhecer o estado de saúde e a adequação do medicamento. Caso contrário, sua condição pode piorar. Portanto, evite automedicar seu pet e se tiver dúvidas recorra a um profissional.

Pode interessar a você...
Prednisona para cães: usos e efeitos colaterais
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Prednisona para cães: usos e efeitos colaterais

A prednisona para cães é um fármaco poderoso usado para combater mais de uma doença, mas tome cuidado: deve ser manuseada com cautela.



  • Regaño Otal, L., & Loste Montoya, A. (2019) Actualización del hiperadrenocorticismo canino. (Trabajo de fin de grado, Universidad Zaragoza)
  • Ginel, P. & Lucena, R. (2002) Interés de la selegilina en el tratamiento del hiperadrenocorticismo canino de origen hipofisario. Clin Vet Pequeños Anim, 22(1), 27-31.
  • González-Martínez, Á., Rosado, B., García-Belenguer, S., & Suárez, M. (2012). Síndrome de disfunción cognitiva en el perro geriátrico. Clínica veterinaria de pequeños animales, 32(3), 0159-167.
  • Gallego, D., Figueroa, J., & Orozco, C. (2010). Síndrome de disfunción cognitiva de perros geriátrico. Revista MVZ Córdoba, 15(3).
  • Campbell, S., Trettien, A., & Kozan, B. (2001). A noncomparative open-label study evaluating the effect of selegiline hydrochloride in a clinical setting. Vet Ther, 2(1), 24-39.