3 subespécies de morsa

setembro 23, 2019
A diversidade de subespécies de morsa é um tema em discussão atualmente devido ao avanço da biologia molecular.

Existem três subespécies de morsa – a morsa do Atlântico, a do Pacífico e a do Mar de Laptev – diferenciadas entre si pelo tamanho que podem atingir quando adultas e pelo local que habitam.

No entanto, pesquisas recentes realizadas com DNA mitocondrial têm indicado que somente as duas primeiras deveriam ser reconhecidas: as morsas do Mar de Laptev e as morsas do Pacífico ocidental.

As morsas são mamíferos marinhos pertencentes à superfamília dos pinípedes, cujos membros se caracterizam por ter extremidades transformadas em barbatanas e apresentar um corpo fusiforme (com forma de fuso).

Dentro do seu grupo, são os únicos animais que apresentam caninos longos, tanto as fêmeas quanto os machos. Esses dentes têm a função de ajudar no deslocamento no gelo, ainda que também sejam usados nas suas agressões intraespecíficas ou para se defender de alguns predadores, como ursos polares ou orcas.

Em grandes espécimes, os caninos podem chegar a medir um metro de comprimento e pesar mais de cinco quilogramas.

A seguir, falaremos das três subespécies de morsa:

Subespécies de morsa

Morsa do Pacífico (Odobenus rosmarus divergens)

Essa subespécie de morsa apresenta uma distribuição ártica e subártica circumpolar descontínua.

Esses animais se distribuem desde os mares de Bering e Tchuktchi até perto do Mar de Beaufort e o Mar de Laptev, onde se diferenciam de outra subespécie.

Morsa do Pacífico

Costumam permanecer na plataforma continental e raramente adentram em águas profundas. As morsas do Pacífico nadam de um iceberg a outro ou até ilhas próximas, onde podem descansar sob o sol.

Das três subespécies de morsa, essas são as de maior tamanho. Os machos atingem 3,6 metros de comprimento e pesam entre 880 e 1656 quilos. As fêmeas são um pouco menores, chegam a medir três metros e a pesar entre 400 e 1250 quilos.

Um filhote recém-nascido mede quase a metade do que a sua mãe e pode ter um peso que oscila entre os 45 e 77 quilos. O fato de nascer com esse peso e esse tamanho faz com que seja perfeitamente adaptado ao frio.

Morsa do Atlântico (Odobenus rosmarus rosmarus)

A morsa do Atlântico habita desde o litoral do Canadá até o Mar de Kara, ao norte da Sibéria.

No passado, essa subespécie de morsa também podia ser encontrada no noroeste do Atlântico Norte e no sul do Golfo de São Lourenço. No entanto, a população nessas regiões foi extinta devido à caça excessiva.

Morsa do Atlântico

Quando adulta, a morsa do Atlântico é um pouco menor e menos pesada que a morsa do Pacífico. Um filhote recém-nascido mede o mesmo, mas o limite inferior de peso gira em torno dos 33 quilos.

Não existem muitos dados sobre o número de exemplares dessa subespécie de morsa. No entanto, estima-se que seja inferior aos 25.000 espécimes adultos.

A sua tendência, além disso, também é desconhecida, mas um fato é o rápido degelo que as zonas habitadas pelas morsas vêm sofrendo. O gelo é o ecossistema desses animais, sem o qual eles não conseguem viver.

Morsa do Mar de Laptev (Odobenus rosmarus laptevi)

Essa subespécie de morsa vive exclusivamente na costa oriental da Sibéria; no Mar de Laptev, de onde vem o seu nome.

Embora aparentem possuir parâmetros ecológicos diferentes aos da morsa do Pacífico, as pesquisas mitocondriais e morfológicas indicam que esta não é uma subespécie diferente.

Morsa do Mar de Laptev

Fonte: https://www.worldwildlife.org/

O tamanho do corpo e dos caninos não é significativamente diferente dos da morsa do Pacífico. Por esta razão, de acordo com os pesquisadores do Museu de História Natural de Oslo, não é correto considerar que seja outra subespécie apenas pelo fato de habitar uma região específica.

Ainda que exista pouca informação disponível sobre as morsas, sabe-se que a aceleração da mudança climática está prejudicando essa espécie.  Apesar disso, ela continua sendo perseguida pelo ser humano para extrair o marfim dos seus caninos.

Kastelein, R. A. (2009). Walrus: Odobenus rosmarus. In Encyclopedia of marine mammals (pp. 1212-1217). Academic Press.

Lindqvist, C., Bachmann, L., Andersen, L. W., Born, E. W., Arnason, U., Kovacs, K. M., … & Wiig, Ø. (2009). The Laptev Sea walrus Odobenus rosmarus laptevi: an enigma revisited. Zoologica Scripta, 38(2), 113-127.

Lowry, L. 2015. Odobenus rosmarus ssp. divergens. The IUCN Red List of Threatened Species 2015: e.T61963499A45228901.

Lowry, L. 2016. Odobenus rosmarus. La Lista Roja de Especies Amenazadas de la UICN 2016: e.T15106A45228501.

Wiig, Ø., Born, E. W., & Stewart, R. E. (2014). Management of Atlantic walrus (Odobenus rosmarus rosmarus) in the arctic Atlantic. NAMMCO Scientific Publications, 9, 315-341.