Tipos de raposas

Os tipos de raposas que você pode encontrar nos diferentes continentes são muito distintas, mas todas elas têm uma coisa em comum: sua incrível inteligência. Aqui você pode conhecer algumas delas.
Tipos de raposas
Sara González Juárez

Escrito e verificado por a psicóloga Sara González Juárez.

Última atualização: 07 janeiro, 2023

Esses canídeos, como o próprio nome sugere, estão relacionados a cães, lobos e coiotes. Eles têm um crânio mais achatado e um tamanho menor que chacais, lobos e cães, mas têm uma grande capacidade de pular e capturar presas. Existem pelo menos 25 tipos de raposas, cuja morfologia e adaptações variam de acordo com seu habitat.

Apesar de serem caçadores astutos, sua alimentação é oportunista e onívora, pois quando não encontram presas, as raposas podem se alimentar de bagas, animais mortos ou até mesmo dejetos em áreas urbanas. Se você quiser saber mais sobre algumas das espécies que estão incluídas nessa preciosa denominação, continue lendo.

Quantos tipos de raposas existem?

Dos 25 tipos conhecidos de raposas, apenas 13 espécies estão vivas hoje. Elas podem ser encontrados em praticamente qualquer lugar do mundo, mas são predominantes principalmente na Europa e na América do Norte. A seguir, você encontra as espécies mais representativas do que conhecemos hoje como “raposas”, cada uma mais bonita que a outra. Não perca.

Raposa-do-deserto (Vulpes zerda)

Também conhecida como a raposa feneco, Vulpes zerda é caracterizada por seu tamanho pequeno e orelhas desproporcionais. É um caçador do Saara, local onde se alimenta de pequenos roedores, insetos e pássaros. Está tão adaptada ao seu ambiente que praticamente não precisa beber água, pois a obtém de suas presas.

Sua audição é excepcional, pois é assim que encontra sua presa nas noites do deserto. Para se ter uma ideia, se você chegar perto o suficiente de um desses caninos, ele seria capaz de ouvir seus batimentos cardíacos sem encostar o ouvido no seu peito. Seu pavilhão auricular é excepcionalmente grande porque também ajuda a dissipar o calor.

Um dos animais de estimação mais raros do mundo.

Raposa-vermelha (Vulpes vulpes)

Este habitante do Hemisfério Norte habita montanhas, planícies, florestas e praias, sendo a espécie mais conhecida na ideologia popular. Na Austrália, as raposas-vermelhas foram introduzidas no século XIX, e seu status como espécie invasora continua sendo um problema hoje.

A perseguição e a caça sofrida por esta espécie é conhecida mundialmente. Apesar de a raposa vermelha não ser considerada ameaçada, impedir o extermínio sofrido pelos espécimes em todo o mundo por sua pele e por atividades como a caça à raposa na Inglaterra continua sendo o objetivo de muitas organizações anti-espécie.

As raposas vermelhas são animais protagonistas de filmes.

Raposa-do-ártico (Vulpes lagopus)

O mais espetacular desta espécie é a sua pelagem, o que a torna um dos tipos de raposas mais marcantes. Enquanto no inverno seu manto é de um branco imaculado, no verão se mistura com o marrom do solo, cor que permanece após o degelo da primavera.

Esta pelagem espessa permite que ela seja um dos poucos animais que sobrevivem nas estepes congeladas do Polo Norte. A raposa-do-ártico é capaz de detectar presas se movendo sob a neve e as captura com eficácia, surpreendendo-as com seu salto característico.

Um dos tipos de raposas.

Graxaim-do-mato (Cerdocyon thous)

Habitante de áreas de floresta e cerrado, C. thous pode ser encontrado desde a Colômbia e a Venezuela até o Uruguai e o norte da Argentina. Como as outras espécies, é um mamífero solitário e noturno. Na época de reprodução, no entanto, pode ser visto caçando com seu parceiro para alimentar os filhotes.

Um dos tipos de raposas.

Raposa-anã (Vulpes macrotis)

É a menor espécie dentro da família das raposas. Ela também tem um corpo mais magro e pode ser vista caçando durante o dia, ao contrário de outros membros desta lista.

A raposa-anã se distribui pelas zonas áridas da América do Norte, especificamente nos Estados Unidos e no deserto de Chihuahuan, no México. A sua cor varia de acordo com a área geográfica, do cinza claro ao amarelo acinzentado.

Raposa-andina (Lycalopex culpaeus)

É a maior raposa da América do Sul, pois o único canídeo que a supera é o lobo (o lobo-guará). Pode pesar até 7 quilos e sua pelagem é de um tom avermelhado característico, embora de tonalidade mais alaranjada.

Um dos tipos de raposas.

Raposa-veloz (Vulpes velox)

Também habitante da América do Norte, sua área de distribuição é mais ao norte, chegando ao Canadá. É pequena em tamanho e sua pelagem é avermelhada, mas também tem manchas pretas e amarelas. Além disso, enquanto a maioria das raposas atinge em média apenas 4 anos de vida na natureza, esta pode chegar a 6.

Embora ambos os pais cuidem dos filhotes até que se tornem independentes, nesta espécie é a fêmea que ocupa territórios fixos, com os machos entrando neles durante a época de reprodução.

Um espécime da espécie Vulpex velox.

Raposa-cinzenta (Urocyon cinereoargenteus)

A cor da pelagem desta raposa é o resultado da sobreposição de pelos pretos e brancos, e não um tom de cinza em si. Um detalhe curioso é a coloração avermelhada que tem nas orelhas.

É uma espécie particular, capaz de subir em árvores e nadar, o que a torna um predador altamente especializado. Além disso, dotada da inteligência aguçada de sua espécie, ela conduz suas presas para a água, onde facilmente as captura quando estão se afogando.

Você saberia a diferença entre um lobo, uma raposa e um coiote?

Graxaim-do-campo  (Lycalopex gymnocercus)

Esse canídeo habita os pampas do Paraguai, leste da Bolívia, Uruguai, sudeste do Brasil e Argentina. Como bom caçador noturno, durante o dia descansa em tocas que raramente cava sozinho, pois ocupa as de suas presas, buracos abandonados ou rachaduras nas rochas.

A maioria das espécies de raposas não está em perigo de extinção, mas não é possível ignorar a perseguição que sofrem, pois sua interação com os seres humanos geralmente se dá na função de objeto de caça ou como ladrões de animais de fazenda. Como todos os predadores, esse canino tem um papel fundamental nos ecossistemas, por isso a luta para preservá-lo não pode parar até que ele viva em paz.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.