Titanoboa: a maior cobra do mundo

Com seu tamanho gigantesco, Titanoboa era o predador dominante dos antigos pântanos tropicais colombianos.
Titanoboa: a maior cobra do mundo

Última atualização: 22 Maio, 2021

As cobras existem desde o Jurássico, quando os dinossauros dominavam a Terra. Durante todo esse tempo, elas se diversificaram em espécies incríveis. Uma delas é a Titanoboa cerrejonensis, a maior cobra já descoberta.

Esse animal poderia facilmente atingir o dobro do tamanho das duas cobras que competem pelo recorde atual de maior tamanho: a sucuri-verde e a píton-reticulada. Embora esses animais exijam respeito, eles não têm nada a ver com o antigo titã. Se você quiser saber mais sobre essa Titanoboa e sua descoberta, continue acompanhando com a gente.

Habitat e características de Titanoboa

Titanoboa era um boídeo, ou seja, pertencia à mesma família das jiboias e sucuris que existem atualmente. Como tal, tinha muitas semelhanças com essas cobras, o que tornou possível descobrir aspectos de sua biologia.

As vértebras de Titanoboa são as maiores já encontradas para uma cobra, cada uma medindo mais de 10 centímetros. Com base nelas, estima-se que a cobra pudesse ter entre 12 e 14 metros de comprimento.

No entanto, essa cobra não era apenas comprida. Tal como acontece com os boídeos atuais, ela também era larga e pesada. O peso desse imenso réptil é estimado em cerca de 1135 kg.

A cobra mais pesada que existe hoje é a sucuri-verde (Eunectes murinus). Apesar disso, os maiores indivíduos já registrados de E. murinus atingem apenas um quinto do peso normal de Titanoboa. Além disso, a grande maioria das sucuris não cresce tanto assim.

Isso coloca em perspectiva a impressão que Titanoboa causava em vida. Com esse tamanho, é um dos maiores animais terrestres que viveram durante o Paleoceno e o Eoceno, senão o maior.

 

Uma cobra luta contra dinossauros.

Como foi descoberta?

Os fósseis desse animal foram encontrados na formação Cerrejón, na Colômbia. Esse lugar inóspito é uma grande operação de extração de carvão, mas também contém um dos depósitos fósseis mais ricos da América do Sul.

Há 27 anos geólogos colombianos começaram a descobrir os tesouros que esse lugar abrigava. Eles também organizaram expedições com paleontólogos americanos a partir de 2003. Essa equipe internacional foi descobrindo e investigando os abundantes restos fósseis do Cerrejón.

Muitos dos fósseis foram preservados e transportados para estudos posteriores. Esse trabalho requer muito tempo, por isso é normal que os fósseis sejam descritos mais tarde, após a sua descoberta.

Examinando alguns desses ossos antigos que tinham sido classificados como pertencentes a crocodilos, os pesquisadores perceberam um erro. As vértebras eram tão grandes e, embora parecesse uma loucura, pertenciam a uma cobra pré-histórica. Depois disso, eles pesquisaram entre todos os espécimes que tiveram acesso e organizaram novas expedições à Colômbia.

Anos depois, esses paleontólogos coletaram cerca de 100 vértebras de 18 indivíduos diferentes e contataram ainda mais cientistas. Em 2009, após a realização de modelos computacionais complexos e de muito trabalho, o artigo que mostrava Titanoboa para o resto do mundo foi publicado.

O ecossistema da cobra

O Cerrejón contém os restos mortais de muitos animais extintos e talvez de algo ainda mais importante. As primeiras florestas tropicais da América do Sul cobriam essas minas há milhões de anos. Esses ecossistemas eram semelhantes aos atuais, com grandes rios, pântanos e vegetação exuberante.

Nessas áreas pantanosas das primeiras florestas tropicais habitou Titanoboa. Claro, havia diferenças com as florestas de hoje. As precipitações eram maiores e a temperatura muito mais elevada.

Este último fato foi verificado usando o tamanho da cobra gigante. O tamanho máximo que os animais poiquilotérmicos – animais “de sangue frio” – atingem é mediado pela temperatura do ambiente onde vivem. Com temperaturas mais altas, os poiquilotérmicos podem ficar maiores.

Os cerca de 13 metros de Titanoboa indicam que vivia em um clima extremamente quente, com média anual entre 32 e 33 graus Celsius. Além disso, outros grandes vertebrados habitaram esse ecossistema. Entre eles estão antigos crocodilos, tartarugas e peixes pulmonados.

Semelhanças com as cobras atuais

Essa cobra era surpreendentemente parecida com seus parentes atuais. Ela viveu em ecossistemas muito semelhantes ao das sucuris-verdes e sua biologia também lembra a delas.

Por exemplo, Titanoboa era um animal semiaquático, que passava grande parte de sua vida camuflada em águas pantanosas. No fundo da água, ela perseguia suas presas em potencial.

Com seu enorme tamanho, essa cobra poderia se alimentar de qualquer outro animal do ecossistema, incluindo crocodilos e tartarugas. Apesar disso, as características de sua mandíbula e dentição indicam que pode ter se alimentado principalmente de peixes. Essa seria uma característica única entre seus parentes.

Como o resto dos boídeos, esse animal não era venoso. Em vez disso, subjugava suas presas através da constrição: ela se enrolava em torno delas e as apertava com seu corpo musculoso, até conseguir sufocá-las ou causar uma parada cardíaca.

 

Um Titanoboa come um crocodilo.

Titanoboa cerrejonensis foi um animal espetacular, mas a formação Cerrejón ainda guarda muitos mistérios. Graças ao trabalho incansável de paleontólogos dedicados, outros seres impressionantes que uma vez povoaram as primeiras florestas tropicais podem ser descobertos no futuro.

Pode interessar a você...
Argentavis magnificens: a maior ave do mundo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Argentavis magnificens: a maior ave do mundo

O maior fóssil de ave já encontrado pertence à espécie Argentavis magnificens. Seu tamanho e peso a tornaram uma ave polêmica.