Tratamentos para a cardiomiopatia hipertrófica em gatos

março 25, 2019
A cardiomiopatia hipertrófica em gatos não apresenta sintomas na maioria dos casos, razão pela qual às vezes é tarde demais quando é detectada.

Seu nome é um pouco difícil de pronunciar, mas a verdade é que a cardiomiopatia hipertrófica em gatos é uma das doenças cardíacas mais frequentes em gatos domésticos. Neste artigo, contaremos tudo o que você precisa saber sobre isso.

O que é cardiomiopatia hipertrófica em gatos?

Esta doença cardíaca é uma das mais comuns em gatos e consiste em um espessamento da massa miocárdica do ventrículo direito do coração.

Ainda não se sabe quais são as principais causas de cardiomiopatia hipertrófica em gatos, mas sabe-se que aqueles que sofrem com isso têm altos níveis de hormônios de crescimento. Em alguns casos, é hereditária.

Por sua vez, é mais prevalente em certas raças, como persa, chartreaux, sphynx, pelo curto britânico, ragdoll e maine coon. Portanto, acredita-se que tem a ver com uma malformação genética.

A cardiomiopatia hipertrófica felina é caracterizada por uma disfunção diastólica e é mais comum em machos do que em fêmeas. Além disso, é detectada em espécimes jovens, entre cinco meses e seis anos.

Esta doença pode ocorrer em três níveis: leve, moderado ou grave. Este último aumenta a rigidez do ventrículo esquerdo do coração e pode comprometer o fluxo sanguíneo para o miocárdio, o que pode levar à morte celular ou fibrose.

Gatinho dormindo

Muitos gatos que sofrem de cardiomiopatia hipertrófica não apresentam sintomas visíveis, razão pela qual, na maioria das vezes, a doença não é detectada a tempo.

O veterinário será o único a saber identificar alguma dificuldade respiratória, sopro sistólico, taquicardia, arritmias, dispneia ou mesmo paralisia nos membros posteriores.

Como todos esses sinais também são típicos de outras doenças cardíacas comuns, às vezes o profissional não sabe o que é e é necessário para investigar uma possível cardiomiopatia hipertrófica em gatos.

A melhor maneira de detectá-la é através de exames específicos, como o eletrocardiograma e o ultrassom cardíaco. 

Com o primeiro, os batimentos anormais do coração são detectados e, no segundo, é possível ver o aumento da espessura ventricular, a dilatação do átrio esquerdo ou a diminuição da “luz” no ventrículo esquerdo.

Cuidados e tratamento da cardiomiopatia hipertrófica em gatos

Uma vez diagnosticada a doença, o veterinário estará encarregado de indicar o tratamento mais adequado.

O objetivo será melhorar o desempenho diastólico, prevenir o aparecimento de um tromboembolismo ou tratar a insuficiência cardíaca congestiva.

Além disso, o tratamento dependerá de vários fatores, como a idade e o estado geral de saúde do animal. Você deve ter em mente que essa doença cardíaca felina não tem cura.

Mas podemos ajudar nosso animal de estimação a viver com essa doença da melhor maneira possível.

dar comprimidos para gatos

Os medicamentos mais usados ​​neste caso são:

  • Inibidores da enzima conversora de angiotensina (ECA) para reduzir a carga cardíaca.
  • Diuréticos para reduzir o acúmulo de líquido no espaço pleural e nos pulmões.
  • Betabloqueadores para diminuir a frequência cardíaca quando ocorre taquicardia.
  • Ácido acetilsalicílico para prevenir o tromboembolismo.
  • Bloqueadores dos canais de cálcio para relaxar o músculo cardíaco.

Quanto aos cuidados, devemos garantir que o nosso gato coma alimentos com a menor quantidade de sal – há rações especiais – para evitar a retenção de líquidos, o que pode agravar o quadro.

Recomenda-se reduzir ao máximo o estresse ou as tensões em casa, para que o animal fique calmo e repouse o suficiente, sem sobressaltos.

Também não é aconselhável que o gato pratique atividade física ou esforços quando ele sofre de uma cardiomiopatia hipertrófica, embora sejam necessários pequenas brincadeiras e pequenas caminhadas pela casa.

É claro que é fundamental seguir a recomendação do veterinário ao pé da letra, levar nosso gato às consultas e fazer os exames que o profissional considerar necessários.

A cardiomiopatia hipertrófica em gatos é bastante comum, embora não saibamos muito sobre ela. Mas uma detecção precoce e a conformidade com os tratamentos melhoram grandemente a saúde do felino com a referida patologia.

Silva, A. C., Muzzi, R. A. L., Oberlender, G., Nogueira, R. B., & Muzzi, L. A. L. (2013). Feline hypertrophic cardiomyopathy: An echocardiographic approach. Archivos de Medicina Veterinaria. https://doi.org/10.4067/S0301-732X2013000100002