Tritão marmorizado: habitat e características

A salamandra marmorizada é um dos anfíbios mais bonitos do mundo, pois as suas cores verde, preto e laranja deslumbram a todos. Você sabia que é um habitante da Península Ibérica?
Tritão marmorizado: habitat e características

Última atualização: 01 Outubro, 2021

A Península Ibérica, que inclui Espanha e Portugal, caracteriza-se por possuir a maior riqueza biótica da Europa Ocidental. Estima-se que cerca de 60 mil espécies de animais escolham essas terras para proliferar, mais de 50% de todas as existentes na União Europeia. Uma delas é o tritão-marmoreado (Triturus marmoratus), um anfíbio urodelo que se destaca por suas cores.

Embora existam mais de 7500 espécies de anfíbios ao redor do mundo, na Espanha são apenas cerca de 32. Por isso, informar sobre as joias endêmicas existentes nessas terras não é apenas um luxo, mas uma necessidade para a preservação desse grupo. Venha conhecer o tritão-marmoreado, a joia verde viva da Península Ibérica.

Habitat do tritão-marmoreado

O tritão-marmoreado é um anfíbio urodelo muito comum na Europa. Pode ser encontrado em toda a França, metade norte da Espanha e parte de Portugal, embora quanto mais se avance em direção ao centro da Península Ibérica, mais dispersa fique sua população. Espécimes semelhantes podem ser vistos no sul da região, mas pertencem a uma outra espécie: Triturus pygmaeus.

Apesar de ambas as espécies serem bem diferenciadas, as distinções genéticas entre T. marmoratus e T. pygmaeus são baixas, por isso acredita-se que existam áreas de hibridização entre elas. Em qualquer caso, essa espécie estende-se desde as costas ocidentais da região de Galícia, na Espanha, e Portugal até aos Pirineus Orientais e a costa norte da Catalunha.

Como anfíbio, o tritão-marmoreado é sempre encontrada em habitats com nascentes. Em qualquer caso, é comum que evitam áreas que apresentem correntes, mesmo que moderadas. São animais comuns em lagoas, lagos, reservatórios e outras massas com grande volume de água e muita vegetação.

Esse tritão tem uma fase de vida mista, ou seja, passa parte do ano fora d’água e outra parte dentro dela.

Características físicas

Os tritões são anfíbios urodelos, então eles têm certas características comuns com os sapos e as rãs. Por exemplo, ambos têm olhos esbugalhados, bocas relativamente grandes para o tamanho da cabeça, pele muito fina e a capacidade de gerar toxinas em certas estruturas especiais (embora não em todos os casos). Claro, os urodelos se diferem dos anuros pela presença da cauda.

Essa espécie mede 13 a 17 centímetros e tem uma cor esverdeada muito característica, intercalada por manchas pretas e uma linha dorsal laranja. O corpo é robusto, um pouco achatado ao nível dorsoventral e possui uma cauda muito potente, que pode representar 50% do comprimento total. O focinho é muito largo e arredondado, enquanto os membros são curtos e robustos.

Um tritão de mármore masculino.

Dimorfismo sexual

O dimorfismo sexual nessa espécie é muito evidente, principalmente na época de reprodução. Quando vão se reproduzir, os tons esverdeados dos machos tornam-se muito mais marcantes, e eles desenvolvem uma espetacular crista na linha dorsal que alterna tons de preto e laranja. Além disso, sua cloaca se torna muito mais evidente e globosa em preparação para a cópula.

As fêmeas são um pouco maiores do que os machos, embora essa característica possa passar despercebida a olhos inexperientes.

Comportamento do tritão-marmoreado

Como já dissemos nas linhas anteriores, esses anfíbios têm uma fase aquática e outra terrestre. Normalmente, eles deixam os corpos d’água antes de secarem no final do verão e passam grande parte do outono e do inverno no subsolo, especialmente quando as temperaturas são muito baixas. No entanto, isso não significa que em tempos de frio relativo eles não permaneçam ativos.

Embora não se saiba muito sobre sua fase terrestre, foram encontrados exemplares muito longe das lagoas originais, como indicado pelos Vertebrados Ibéricos. A menos que as temperaturas estejam muito baixas, esses curiosos urodelos saem de suas tocas nas noites de chuva para caçar, pois não entram em estado de hibernação total.

O tritão-marmoreado geralmente entra na água quando as geadas e picos de frio terminam, assim que termina fevereiro e começa março. A partir de então, começa sua fase aquática e seu frenesi reprodutivo, o que veremos em linhas posteriores.

Esse animal é ectotérmico, ou seja, não produz calor suficiente para manter sua temperatura constante. Portanto, no inverno, sua taxa de atividade é reduzida ao mínimo.

Alimentação

Como você pode imaginar, a alimentação do tritão-marmoreado depende da época do ano e se está na fase aquática ou terrestre. Em qualquer caso, as bases de seu cardápio são geralmente crustáceos de água doce, larvas de insetos alados e aranhas ou piolhos-de-cobra esporadicamente. Como o resto dos anfíbios, é um animal carnívoro que baseia sua dieta em presas vivas.

Também foi registrado que essa espécie se alimenta excepcionalmente de ovos e larvas de outros anfíbios.

Reprodução

Conforme indicado pelo site Amphibia Web, todo o processo reprodutivo ocorre na água. Os machos vão primeiro para a massa aquática, enquanto as fêmeas chegam cerca de 15 dias após a chegada de seus parceiros potenciais (embora também partam mais tarde). Como já dissemos, em geral isso ocorre geralmente entre fevereiro e março, embora haja variações entre as populações.

Essa fase dura cerca de 5-6 meses e é caracterizada por um comportamento reprodutivo muito interessante. Os machos aguardam a chegada de suas companheiras em pontos estratégicos do corpo d’água e, ao se encontrarem com uma delas, a interceptam e iniciam uma exibição marcada pelo movimento do corpo, da cauda e da crista dorsal.

A chicotada ou “tailwhip” é o movimento típico da fase de cortejo.

Quando a fêmea aprova a constituição do macho, ele rapidamente deposita seu espermatóforo, uma espécie de bolsa que contém espermatozoides viáveis. Então sua parceira se aproxima lentamente e o pega com os lábios cloacais, fertilizando seus óvulos internos na etapa final. Ao contrário de muitos outros anfíbios, nessa espécie não ocorre o abraço ou amplexo.

Cada fêmea fertilizada produz cerca de 250-300 ovos que ela colocará de forma individual e estratégica na vegetação do corpo d’água. Após 15 dias, as larvas aquáticas com brânquias externas eclodem, mas devem se desenvolver por mais 90 dias até que possam colonizar a terra. Em geral, as larvas começam a sair do meio aquático entre agosto e setembro.

Estado de conservação

A União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) lista essa espécie como “pouco preocupante (LC)”. Em todo caso, isso não significa que ela não esteja ameaçada, já que suas populações estão em nítida diminuição numérica. Regionalmente, ela foi classificada “em perigo” na França, mas não na Espanha nem em Portugal.

Algumas das doenças e dos problemas enfrentados pelo tritão-marmoreado são as seguintes:

  • Perda e alteração no uso do ecossistema, seja devido às mudanças climáticas ou à modificação do solo para usos agrícolas. A diminuição das massas de água e da umidade relativa afetam muito os anfíbios.
  • Caça para a venda, o que acontece na Alemanha e na Holanda.
  • Uso de pesticidas, poluentes, produtos químicos e outras emissões que acabam chegando às águas naturais.
  • Introdução de espécies invasoras em ecossistemas aquáticos, como a espécie de caranguejo Procambarus clarkii, que é uma grande ameaça, pois se alimenta dos ovos do tritão-marmoreado e danifica os tecidos dos adultos.
Uma salamandra de mármore no musgo.

Por todas essas razões e muitas outras, o tritão-marmoreado atualmente está protegido em toda a sua área de distribuição. Os anfíbios correm sério perigo devido à falta de empatia e aos excessos do ser humano. Por isso, é necessário colocar em prática planos de reintrodução para essas espécies antes que seja tarde demais. Felizmente, algumas organizações já estão empenhadas nesse trabalho.

Pode interessar a você...
Tritão ventre de fogo: cuidados e características
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Tritão ventre de fogo: cuidados e características

O termo "tritão ventre de fogo" se refere a espécies de salamandras de natureza aquática, que se tornaram populares como animais domésticos.