Tumor testicular em cães: causas, sintomas e tratamento

O tumor testicular em cães é bastante comum em cães idosos e pode ser fatal. Aprenda aqui como reconhecer esse problema e saiba qual será o tratamento aplicado na clínica.
Tumor testicular em cães: causas, sintomas e tratamento

Última atualização: 30 Novembro, 2021

O tumor testicular em cães é frequentemente visto em clínicas veterinárias, especialmente em animais com mais de 10 anos. Muitos tutores ficam preocupados com o diagnóstico, porque um tumor nunca é uma boa notícia e está associado a condições médicas muito negativas em humanos. De qualquer modo, em muitos casos o prognóstico é bom quando a abordagem é realizada a tempo.

Como reconhecer essa massa tumoral antes que seja tarde demais? Existe alguma forma de prevenir o seu aparecimento ou de melhorar o prognóstico do animal? Este artigo responde a essas e outras perguntas sobre a doença que vamos abordar, então não perca.

O que é um tumor testicular?

Um tumor é uma massa anormal no tecido corporal que é criada quando as células se multiplicam de forma incontrolável. Especificamente, os tumores testiculares são relativamente comuns entre os cães, respondendo por 6 a 27% de todas as neoplasias vistas em clínicas dentro dessa espécie.

Em cães não castrados, os testículos representam o segundo local mais comum para tumores.

Dependendo do tipo de células afetadas, ocorre um ou outro tipo de tumor. Aqui estão os mais frequentes:

  • Tumor de células de Sertoli: esse tumor provoca metástase para outros órgãos em 10-20% dos casos. Pode causar síndrome de feminização do macho, assim como insuficiência da medula óssea, levando à anemia, destruição de plaquetas e leucopenia (baixo teor de leucócitos).
  • Tumor de células de Leydig: as células de Leydig são responsáveis pela produção de testosterona. Esses tipos de tumores geralmente são benignos e não excedem 2 centímetros de diâmetro.
  • Seminoma: é um tumor que cresce pela multiplicação das células responsáveis pela produção de espermatozoides. No exame físico, pode ser confundido com o tumor de células de Sertoli.
O tumor testicular em cães pode se manifestar de várias maneiras.

Causas do tumor testicular em cães

Uma vez diagnosticado o tumor testicular, é difícil saber as causas que o originaram se não houver evidência de qualquer patologia prévia. As evidências mais claras encontradas são as seguintes:

  • Distúrbios hormonais: especialmente quando se trata de níveis anormais de estrogênio, esses distúrbios são capazes de causar um tumor testicular em cães.
  • Criptorquidia: essa patologia, que consiste em um ou ambos os testículos não se desenvolverem bem e não descerem até a bolsa escrotal, costuma estar entre os antecedentes do aparecimento de tumores testiculares.
  • Idade: machos com mais de 10 anos procuram a clínica com mais frequência do que machos mais jovens com casos de tumores testiculares.
  • Raça: algumas raças são mais propensas a esse tipo de tumor, como chihuahua, boxer, pastor-alemão, pomerânia e poodle.
  • Exposição a agentes cancerígenos ambientais: pesticidas, cigarro e amianto são alguns deles.

No entanto, haverá momentos em que será impossível determinar a origem do tumor. Nesses casos, o veterinário fará uma anamnese completa para tentar descobrir a etiologia caso algum fator de risco possa ser eliminado do meio ambiente.

Sintomas de tumor testicular em cães

A primeira coisa que vem à mente quando se pensa em neoplasias testiculares são os problemas reprodutivos. No entanto, os testículos também têm funções endócrinas e seu crescimento excessivo pode afetar outras áreas da saúde do cão. Aqui estão os sintomas mais comuns de tumor testicular em cães:

  • Aumento escrotal e testicular: o testículo afetado ficará maior devido à neoplasia.
  • Sangue na urina (hematúria) e dificuldade para urinar: quando o tumor atinge a próstata, é possível encontrar esses sintomas.
  • Dor: se o tumor atingir um tamanho considerável ou se desenvolver próximo a um nervo, a pressão que ele exerce costuma causar dor no animal.
  • Letargia e inatividade: a dor e outras consequências do tumor podem fazer com que o cão se sinta mal, por isso você notará uma diminuição da sua atividade e perda geral de apetite.
  • Hérnias perianais: tumores que atingem certo tamanho são capazes de causar hérnias desse tipo e até mesmo fazer com que elas apareçam, impedindo a detecção da neoplasia em primeiro lugar.
  • Síndrome de feminização: os problemas fisiológicos causados pelos tumores testiculares às vezes causam essa síndrome, que se manifesta com alopecia ou pele danificada, prepúcio pendular e, às vezes, interesse sexual de outros machos devido aos feromônios que os pacientes do sexo masculino exalam.
  • Perda de peso.
  • Febre.
  • Fraqueza nas patas traseiras ou marcha incomum: se o cão estiver andando de maneira anormal, o tumor pode estar causando dor ou pressionando os nervos motores.

Como diagnosticar a doença?

Os tumores testiculares costumam ser encontrados acidentalmente durante o exame físico. Assim que a massa maligna for detectada, o veterinário fará um exame retal para avaliar o estado da próstata, dos gânglios linfáticos regionais e da região perianal.

Em cães com suspeita de distúrbio hormonal, será feita uma análise da relação testosterona/estradiol. Estrogênios anormalmente elevados são bastante comuns em tumores de células de Sertoli. Além disso, esse hiperestrogenismo às vezes está relacionado à insuficiência da medula óssea, por isso deve ser controlado.

Uma amostra do tumor também será retirada para biópsia a fim de determinar seu tipo com um estudo histopatológico. É uma forma de diagnóstico diferencial entre os diferentes tipos dessa neoplasia.

Para localizar o tumor e ver se as estruturas ao redor foram afetadas, uma radiografia de tórax é usada. Esse exame será complementado com uma ultrassonografia abdominal e um hemograma completo.

Tratamento

O tratamento padrão é a orquiectomia bilateral, ou seja, a castração. Essa intervenção geralmente é curativa e impede a recorrência do tumor. Os desequilíbrios hormonais também são resolvidos dessa forma, incluindo a síndrome de feminização.

Quando aparecem complicações graves (como metástases), outros tratamentos específicos são introduzidos para elas. A quimioterapia e a radioterapia são as mais utilizadas.

Prognóstico de um tumor testicular em cães

A maioria dos tumores testiculares não provoca metástase, então o prognóstico é bom, desde que a intervenção seja feita a tempo. A quimioterapia e a radioterapia aumentam as chances de sobrevivência em caso de metástase, mas ainda são tratamentos com uma eficácia relativa para certos casos.

Em geral, é uma doença facilmente resolvida com a castração e o prognóstico só piora quando ocorre a supressão da medula óssea. Nesses casos, o tratamento de suporte com hemoderivados e antibióticos é necessário antes e depois da operação, que pode durar meses.

Por que meu cachorro não tem testículos?

O tumor testicular em cães, é claro, afeta apenas machos não castrados. Nas clínicas sempre será recomendado o melhor método preventivo para esse problema: a castração. Essa intervenção não só vai garantir que não apareçam tumores que ameaçam a vida do seu amigo, mas também muitas outras vantagens que vão facilitar a sua vida.

Pode interessar a você...
Tumor perianal em cães: sintomas e tratamento
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Tumor perianal em cães: sintomas e tratamento

O tumor perianal em cães é uma condição comum. Depende em parte da atividade hormonal e, por isso, é muito mais comum no sexo masculino.



  • Gutierrez, O. D., Jaramillo Rodríguez, G., & Buitrago Mejia, J. A. (2019). Tumor de células de Sertoli en un canino macho sin criptorquidismo: reporte de caso. Revista de Investigaciones Veterinarias del Perú30(4), 1845-1850.
  • Grieco V., Riccardi E., Greppi G.F., Teruzzi F., Lermano V., Finazzi M (2008). Canine Testicular Tumours: a Study on 232 Dogs. Journal of Comparative Pathology; 138: 86 – 89.
  • Dhaliwal R.S., Kitchell B.E., Knight B.L., Schmidt B.R. (1999). Treatment of aggressive testicular tumors in four dogs. Journal of the American Animal Hospital Association; 35(4):311-318.
  • Che, M., Tamboli, P., Ro, J. Y., Park, D. S., Ro, J. S., Amato, R. J., & Ayala, A. G. (2002). Bilateral testicular germ cell tumors: twenty‐year experience at MD Anderson Cancer Center. Cancer95(6), 1228-1233.
  • Gómez, M. S. G., Garza, M. G. E., & Reyes, J. A. M. (2002). Spermatogenesis protection in patients with testicular cancer being treated with radiotherapy and/or adjuvant chemotherapy. Boletín del Colegio Mexicano de Urología17(1), 13-18.