Um massacre de 100 elefantes em Botswana

· novembro 10, 2018
Nos últimos 10 anos, a população de elefantes africanos foi reduzida em um terço. Isso por causa dos ataques de caçadores furtivos para obter o marfim de suas presas.

As guerras de marfim continuam a ameaçar a natureza na África. Ocorreu um dos maiores ataques de caça ilegal ao elefante africano, resultando em quase 100 elefantes mortos.

O assassinato de 100 elefantes

A trágica descoberta de quase 100 elefantes mortos ocorreu em um voo de helicóptero pela ONG Elefantes Sem Fronteiras em Botsuana. O país possui a maior população de elefantes africanos do mundo.

Proteger os elefantes da caça furtiva é um dos principais objetivos das organizações ambientais na África.

No entanto, desta vez eles parecem ter perdido uma batalha na Guerra do Marfim. Estima-se que um terço dos elefantes africanos foram mortos na última década.

No caso de regiões como a Tanzânia, os números são ainda mais alarmantes.

Nos últimos cinco anos, 60% dos elefantes africanos desapareceram, a ponto de haver mais e mais elefantes sem presas.

caça ilegal de elefantes

Botsuana, o último reduto de elefantes

Este país é considerado o último grande santuário de elefantes, porque dentro de suas fronteiras ainda existe uma população de 130 mil desses animais, a maior do mundo atualmente.

O ataque a cerca de 100 elefantes ocorreu a poucos quilômetros do santuário de vida selvagem Okavango Delta.

Essa é uma área que atrai turistas de todo o mundo e hoje lamenta a trágica perda de dezenas de elefantes.

De acordo com membros da ONG, os elefantes estão sendo caçados com balas de grande calibre, o que torna claro que os caçadores furtivos não estão brincando.

Provavelmente, a parte mais trágica da matança em massa desses elefantes é a presença de elefantes órfãos.

Isso porque os animais jovens quase não têm presas e, portanto, não são um alvo para os caçadores

Os elefantes são animais extremamente sociais, além de serem uma das espécies nas quais são as fêmeas as que mandam no grupo.

Isto é vital, porque as elefantes matriarcas guiam o grupo e a perda delas pode causar um efeito em cadeia.

Grande parte dos 100 elefantes exterminados tinha, na sua maioria, mais de 35 anos, e seus corpos ficaram apodrecendo sob o sol após as presas serem brutalmente arrancadas.

Elefoa com filhote

Dados sobre a caça ao elefante africano

Segundo a equipe da ONG Elefantes Sem Fronteiras, a tendência vem sendo observada há vários meses.

Atualmente, o dobro de animais estão sendo caçados em muitas regiões da África.

O que os conservacionistas dizem é que o governo desmantelou a unidade contra a caça furtiva.

O marfim ainda é um negócio muito importante para a caça ilegal: na China, produtos de luxo feitos com marfim continuam a ser produzidos, e chegam a 846 euros o quilo.

Além disso, as presas de um elefante grande podem atingir 30 quilos de peso.

Para se ter uma ideia do perigo que ameaça as populações de elefantes africanosdevemos lembrar que, 30 anos atrás, a população total de elefantes ultrapassava um milhão.

É por isso que os esforços para proteger esta espécie devem ser redobrados em países como Botsuana.

O elefante africano é um dos últimos representantes da megafauna do planeta, que só existe na savana africana.

Enfim, o ser humano exterminou os grandes herbívoros do planeta em muitos continentes e, embora os que ainda sobrevivem na África estejam resistindo, o desaparecimento deles está ameaçado pela ganância.