Vespa-oleira: tudo que você precisa saber

A vespa-oleira recebe o nome de sua capacidade de construir ninhos de barro. Esse comportamento é único entre todos os invertebrados.
Vespa-oleira: tudo que você precisa saber

Última atualização: 07 Abril, 2021

Os himenópteros não são os insetos mais populares na cultura ocidental, mas, como todos os animais, uma vez que se indaga sobre suas características, sempre são encontradas informações surpreendentes. Prova disso é o caso da vespa-oleira —subfamília Eumeninae—, que possui uma forma muito peculiar de fazer seus ninhos.

Nas linhas a seguir, você encontrará todas as informações básicas para compreender essas vespas. Se você quer se reconciliar com esses insetos alados, o que vai ler também pode ajudar.

Características da vespa-oleira

A vespa-oleira é uma espécie de inseto da família Eumenidae, cujos membros se caracterizam por construir seus ninhos com barro. Isso é bastante incomum quando se trata de invertebrados, mas é daí que vem seu nome. Os ninhos dessa vespa têm o formato de ânforas e são construídos de forma semelhante à forma como um oleiro criaria um recipiente.

Esses invertebrados são vespas grandes, pois podem atingir 2 centímetros de comprimento. Seu corpo típico é de cor preta e possui listras amarelas na parte inicial e final do tórax, além dos mesmos padrões no abdômen. Em todo caso, por se tratar de uma família e não de uma espécie, existem certas variações em sua morfologia.

Ao contrário de outras espécies de vespas, a vespa-oleira é solitária e não exibe muito comportamento social além da busca por um companheiro. Machos e fêmeas apresentam um claro dimorfismo sexual, uma vez que os primeiros são ligeiramente menores que as fêmeas. Além disso, elas vivem de 2 a 3 meses, enquanto o macho sobrevive apenas 3 ou 4 semanas.

Habitat e alimentação

Esses insetos habitam quase todo o globo, embora a maioria deles venha da Ásia e sejam espécies invasoras. Essa distribuição se sustentava principalmente na ação humana, mas seu trabalho de controle de pragas de outros insetos e como polinizadoras tem levado a maioria dos países a protegê-las.

A vespa-oleira adulta se alimenta de larvas, algumas aranhas e até mesmo besouros, mas também de néctar. As larvas se alimentam das presas que sua mãe procura para elas, como você verá nas linhas a seguir.

Uma vespa-oleira em uma flor.

Os incríveis ninhos da vespa-oleira

As característica principal desses insetos é provavelmente a maneira como criam seus ninhos. O formato de um vaso que eles lhes dão e como os constroem há muito fascina os naturalistas.

Primeiro, a fêmea procura um local adequado para depositar os ovos fecundados, geralmente um local protegido, como rachaduras ou buracos nas paredes – mas também galhos ou um caule. Assim que o encontra, ele cola os ovos na superfície e a construção começa.

Para o ninho, a mãe procura barro e vai levando-a aos poucos até onde pôs os ovos. Depois, com as mandíbulas e fazendo movimentos circulares, constrói o ninho da mesma forma que um oleiro faz um recipiente.

O barro não deve estar muito úmido nem seco: a fêmea sempre escolhe um meio-termo.

Mas a coisa não para por aí: antes de fechar totalmente o ninho, a mãe faz questão de deixar comida para as larvas. A vespa-oleira fêmea sai em busca de presas, como lagartas ou aranhas pequenas, as coloca para dormir com sua picada e as carrega vivas para o ninho. Lá ela as empilha e, quando não há mais espaço, fecha o ninho.

As larvas, quando eclodem, têm alimento suficiente para crescer até criar a crisálida. Quando completam a metamorfose, só precisam abrir caminho com suas mandíbulas para sair e deixar suas asas secarem.

Picada da vespa-oleira: o que fazer?

Afinal de contas, esses invertebrados ainda são vespas e podem ficar irritadas. Embora normalmente não se fixem em humanos se não forem ameaçados, sua tendência a fazer ninhos em casas pode levar a encontros indesejados.

A picada da vespa-oleira é semelhante à da vespa comum: causa inflamação e dor, mas não é paralisante – como acontece com suas presas. No entanto, pessoas alérgicas à picada de vespa também podem ter problemas com essa variante.

Como aliviar a picada

Por se tratar de uma inflamação, a melhor opção é colocar fazer aplicação de frio no local para aliviar. Gelo e toalhas embebidas em água fria são úteis. Por outro lado, é aconselhável retirar o ferrão caso tenha ficado sob a pele, para evitar infecções.

No entanto, se você tiver alergia a picadas de vespa, existe o risco de choque anafilático. É urgente consultar um médico para receber anti-histamínicos e outros medicamentos que possam ser necessários caso o paciente tenha alergia a esses tipos de toxinas.

Um ninho de uma vespa-oleira.
Um ninho de uma vespa-oleira.

Respeitar os seres vivos é um dever

O ódio e a fascinação são geralmente 2 polos opostos, sem pontos de encontro quando se trata de vespas. No entanto, embora não sejam exatamente animais fofinhos, elas têm um papel inegável na manutenção do ecossistema.

Existem milhares de maneiras de manter as vespas-oleiras longe dos núcleos humanos sem matá-las, então vamos buscar a coexistência pelo bem do planeta. Se deixarmos seus filhotes em paz, essas corajosas mães não terão por que nos atacar.

Pode interessar a você...
Vespa-do-mar: características e habitat
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Vespa-do-mar: características e habitat

A vespa-do-mar, também conhecida como medusa-de-fogo ou cubomedusa, vive em águas australianas e do sudeste asiático. Hoje, falaremos mais sobre ela.



  • Avispa alfarera Delta unguiculatum | Animalandia. (2021). Animalandia Educamadrid. http://animalandia.educa.madrid.org/ficha.php?id=3287
  • Carpenter, James. (1986). A Synonymic Generic Checklist of the Eumeninae (Hymenoptera: Vespidae). Psyche. 93. 61-90. 10.1155/1986/12489.