Abetarda-indiana: uma das maiores aves voadoras em perigo de extinção

A mudança nos usos agrícolas e o abandono das práticas tradicionais representam uma grande ameaça para as aves estepárias em todo o mundo, incluindo abetardas.
Abetarda-indiana: uma das maiores aves voadoras em perigo de extinção

Última atualização: 08 Maio, 2021

As abetardas são aves muito interessantes que se destacam pelos seus hábitos terrestres e seu grande porte. Esse grupo inclui 26 espécies diferentes, que compõem a família Otididae e, infelizmente, estão seriamente ameaçadas. A abetarda-indiana é uma das mais preocupantes a nível de conservação, pois parece estar em vias de extinção.

Esse animal é considerado um dos pássaros voadores mais pesados do mundo. Fica abaixo apenas da abetarda-comum, cujas populações se encontram principalmente na Península Ibérica, e da abetarda-gigante, endêmica da África. Se você quiser saber mais sobre essa ave, tão vulnerável quanto única, continue lendo.

Características da abetarda-indiana

A abetarda-indiana (Ardeotis nigriceps) é uma ave grande, de aparência mais esguia e graciosa do que os membros maiores de sua família. Ela se destaca por suas patas longas, o corpo paralelo ao solo e o pescoço longo e fino.

Os machos e as fêmeas dessa espécie atingem um tamanho semelhante, com uma altura máxima de cerca de 1,2 metros e peso de 15 quilos. Essas dimensões são enormes para um pássaro capaz de voar.

Em termos de cor, o corpo da abetarda é castanho na parte dorsal, enquanto as patas são nuas e amareladas. As asas são castanhas, pretas e cinzentas em cima e esbranquiçadas em baixo. Essa mesma cor pálida também aparece na parte ventral do corpo, no pescoço e na cabeça.

Por fim, a cabeça é encimada por uma coroa preta, muito característica dessa espécie, que é maior nos machos. Os machos também têm uma faixa preta no peito e um saco gular no pescoço, que eles podem inchar para atrair as fêmeas na época reprodutiva.

Uma abetarda indiana na grama.

Habitat e ecologia da abetarda-indiana

Anteriormente, A. nigriceps estava amplamente distribuída na Índia e no Paquistão. No entanto, após intensos declínios populacionais e extinções locais, essa ave ficou restrita a 10% de sua amplitude anterior. Agora está presente apenas em Rajasthan e Gujarat, com algumas populações muito pequenas em outros lugares.

Essa abetarda, como o resto dos membros da sua família, vive preferencialmente em espaços abertos muito planos, como prados áridos e semiáridos ou estepes, que podem apresentar arbustos. Também pode ser encontrado em áreas moderadamente agrícolas, mas se reproduz apenas em áreas não perturbadas pela atividade humana.

Sua alimentação é muito variada e se adapta aos alimentos que são mais abundantes de acordo com a estação do ano, pois são animais onívoros e oportunistas. Alguns de seus alimentos comuns são sementes, gramíneas, vários artrópodes – como besouros e gafanhotos – e pequenos vertebrados.

Durante a reprodução, os machos podem se agrupar em leks nos quais se exibem, inflam seus pescoços e cantam para atrair as fêmeas. Após a reprodução, as fêmeas costumam botar um único ovo em um ninho simples, localizado em campo aberto. As fêmeas são as únicas que cuidam dos jovens.

Os leks são arenas de seleção sexual onde os machos ocupam terras específicas e exibem suas características mais marcantes para as fêmeas.

Estado de conservação

Essas abetardas estão em uma situação muito precária: podem desaparecer do planeta nas próximas décadas. Portanto, está classificada como uma espécie criticamente em perigo pela UICN (União Internacional para Conservação da Natureza), o mais alto nível de alerta.

Sua população sofreu um declínio muito intenso, já que passou de 1260 indivíduos em 1969 para menos de 300 atualmente. Além disso, essa ave está localmente extinta em grande parte de sua área de distribuição. As pequenas populações sobreviventes estão isoladas e apresentam baixa diversidade genética, o que as torna mais vulneráveis.

Entre as causas de seu declínio está a caça desenfreada, tanto por esporte quanto por comida. Essa prática começou há séculos e continua até hoje. Além disso, a situação se agravou pelo acesso permitido de veículos modernos a áreas remotas.

O desenvolvimento humano é outra grande ameaça para essa espécie. Em particular, a expansão da agricultura intensiva e da pecuária, e a popularização da irrigação destruíram as estepes áridas necessárias para a sobrevivência das abetardas.

Outros avanços como a industrialização, a mineração, a construção de estradas e de usinas – ou a instalação de redes elétricas – também aumentaram a mortalidade desses animais e destruíram ou substituíram suas áreas habitáveis.

Também destacam a má gestão das estepes, que em alguns casos houve a tentativa de transformá-las em florestas para obter benefícios econômicos, e a falta de apoio e até oposição das comunidades locais à conservação da espécie.

Uma reprodução de abetarda.
Um macho exibindo sua plumagem.

Como em muitos outros casos, para conservar essa ave tão especial é essencial ter o apoio da população local. Portanto, é muito importante estabelecer planos de educação e conscientização, sempre levando em consideração o impacto econômico que determinadas ações de conservação podem ter sobre os habitantes das regiões que sofreram intervenções.

Pode interessar a você...
Ornitose ou psitacose em aves: causas, sintomas e tratamentos
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Ornitose ou psitacose em aves: causas, sintomas e tratamentos

Ornitose ou psitacose é uma doença de origem bacteriana que pode ser letal em vários grupos de aves, especialmente papagaios e canários.